HomeRelatório Mensal: China intensifica esforços para conter mineração de criptomoedas

Relatório Mensal: China intensifica esforços para conter mineração de criptomoedas

Aqui está um resumo das principais notícias do setor de criptomoedas que aconteceram este mês

Pequim intensifica a guerra contra a mineração de criptomoedas

A China renovou seus esforços contra a mineração de criptomoedas no país, com os mineradores de Bitcoin sofrendo como as maiores baixas. A Reuters informa que todos Huobi, HashCow e BTC.TOP estabeleceram medidas em resposta à ação do governo. Uma resolução do gabinete, liderada pelo vice-primeiro-ministro Liu He, anunciou a repressão planejada na semana passada na sexta-feira.

O Comitê do Conselho de Estado revelou ainda que a luta contra a mineração de criptomoedas foi destinada a frustrar os riscos financeiros gerados pela atividade. A Huobi afirmou na segunda-feira que pretendia interromper todas as operações no país asiático, mudando seu foco para outros mercados. A HashCow, por sua vez, informou que cortaria investimentos em equipamentos de mineração de Bitcoin no país.

A plataforma de mineração BTC.TOP também encerrou todas as suas atividades no país por causa do aumento da ação regulatória do governo. Jiang Zhuoer, o fundador da BTC.TOP, acredita que a China pode perder sua capacidade de computação cripto para os mercados externos.

O HSBC não considera o Bitcoin um ativo

O CEO do HSBC, Noel Quinn, deixou claro publicamente a posição do banco relativamente ao envolvimento em criptomoedas. Quinn afirmou que o banco atualmente não vê a criptomoeda como um ativo de interesse. Falando à Reuters na segunda-feira, o executivo do banco revelou que o banco não tinha intenções de estender serviços de criptomoedas aos seus clientes.

Explicando a aversão ao Bitcoin, Quinn citou a natureza volátil inerente do ativo, bem como a ausência de clareza.  O CEO insistiu que, embora seus clientes possam estar dispostos a adotar o Bitcoin, o banco não promoverá o ativo digital. Isso, de fato, dificultou para seus clientes lidarem com criptomoedas. O HSBC anteriormente proibiu sua clientela de acessar ações da MicroStrategy devido ao envolvimento deste último com o Bitcoin.

O banco veria categoricamente que era contra a associação com as partes que lidam com criptomoedas. O HSBC continua sendo uma das instituições que ainda não adotaram a criptomoeda, mesmo quando outros grandes bancos abrem suas portas para esses ativos digitais.

Macro Hive anuncia suporte para pagamentos em criptomoedas

A empresa financeira Macro Hive, com sede em Londres, fez uma parceria com a empresa de soluções de criptomoedas CoinPayments para incorporar a criptomoeda como opção de pagamento. A empresa de pesquisa financeira confirmou o assunto na quarta-feira, através de um comunicado de imprensa, dizendo que seus usuários podem liquidar pagamentos em Bitcoin, Litecoin e Ethereum.

O chefe da Macro Hive, Bilal Hafeez, afirmou que a incorporação de pagamentos em criptomoedas resultou no aumento da demanda de sua comunidade. Ele também estabeleceu que era importante que a empresa se mantenha atualizada, com os novos desenvolvimentos como precursor no setor. Hafeez falou positivamente sobre as criptomoedas, como um meio de realizar transações de forma segura e eficiente.

O executivo-chefe da CoinPayments, Jason Butcher, observou que mais clientes estavam buscando adotar pagamentos em cripto.  Ele disse que a empresa pretendia manter seu objetivo de suavizar os caminhos dos negócios à medida que adotam a criptomoeda.

Blockchain pode impactar potencialmente os investimentos da Fidelity

O blockchain pode ser uma ameaça para a Fidelity Institutional, na opinião de Mike Durbin, chefe de investimentos e soluções tecnológicas da empresa. Em discussão com Frank Chaparro, do The Block, no evento Consensus 2021, Durbin destacou que a empresa estava posicionada para se beneficiar do blockchain.

Ele, no entanto, acrescentou que a mesma tecnologia também poderia travar os planos da empresa. Durbin observou muito potencial na indústria cripto, dizendo que os desenvolvimentos atuais representavam apenas a superfície. Ele atribuiu a decisão da empresa de se aventurar na indústria da criptomoeda à demanda do consumidor.

Ele descreveu os clientes da empresa como “criadores de riqueza de primeira geração” cujo objetivo é investir sem esforço em ativos digitais. O executivo reconheceu que a recente queda no mercado derrubou a confiança e trouxe dúvidas entre alguns consumidores. No entanto, ele explicou que o mercado caiu como apenas um pequeno revés na jornada de investimento cripto.

PayPal prestes a habilitar transações em criptomoedas para carteiras de terceiros

A empresa global de serviços de pagamentos está pronta para permitir que os usuários façam saques em carteiras de criptomoedas de terceiros. O anúncio, que foi relatado pela primeira vez na quarta-feira, vem sete meses depois que PayPal adotou a criptomoeda em sua plataforma.

Fernandez da Ponte, o vice-presidente de desenvolvimento global de negócios da PayPal, não especificou quando o recurso chegaria, mas sugeriu que seria mais cedo do que mais tarde. PayPal frequentemente lançou novos recursos gradualmente por região, e a nova funcionalidade provavelmente seguirá um caminho semelhante.

Da Ponte não falou nada sobre se a empresa estava querendo lançar uma oferta de stablecoin. Ele só disse que não era hora de pensar nisso. Ele descartou o debate entre CBDCs e stablecoins, dizendo que PayPal está confiante de que ambos podem prosperar juntos.

Indonésia desenvolverá sua moeda digital

O banco central da Indonésia anunciou que pretende desenvolver uma moeda digital. O país está pronto para se juntar a vários países asiáticos, como China e Coreia do Sul, que estão em estágio avançado de desenvolvimento das moedas virtuais semelhantes. O governador do Banco da Indonésia, Perry Warjiyo, afirmou que a decisão foi inspirada no crescimento das transações envolvendo as moedas digitais.

O banco, supostamente, busca tornar o CBDC compatível com suas políticas de governança financeira e estar em consonância com os objetivos estabelecidos. O Governador afirmou que o banco estava interessado em determinar se a atual infraestrutura financeira poderia prejudicá-lo na adoção da moeda. O banco ainda não decidiu qual tecnologia utilizar para a moeda apoiada pelo Banco Central. Warjiyo também acrescentou que a rupia digital obedeceria aos mesmos regulamentos da moeda fiduciária. Embora o país tenha proibido o uso de criptomoedas, os cidadãos ainda têm permissão para negociar ativos digitais. O banco espera que o lançamento de um CBDC ajude a atenuar quaisquer riscos apresentados por outros ativos digitais.

Etiquetas:
Aceita clientes dos EUA
Plataforma premiada de negociação de criptomoedas
Grande variedade de ativos de criptografia
Abra sua conta agora!