HomePor que devemos apoiar a criptomoeda do Facebook?

Por que devemos apoiar a criptomoeda do Facebook?

julho 28, 2019 By Diego Marques

A ambição está descontrolada: “Reinvente o dinheiro. Transforme a economia global. Assim, as pessoas em todos os lugares podem ter uma vida melhor ”.

Foi o que o Facebook disse no mês passado ao lançar a Libra, seu novo serviço de pagamento digital. A empresa anunciou como “uma moeda global simples e infra-estrutura financeira que capacita bilhões de pessoas”. Se totalmente lançada, a Libra permitiria que usuários do Facebook comprem e vendam bens e serviços em todo o mundo sem se preocupar com a distância usando uma criptomoeda digital governada por alguém na Suíça. Essa criptomoeda estaria ligada ao dólar, ao euro, outras moedas e será mantida não por um governo, mas pela gigantesca empresa de tecnologia do Vale do Silício.

A reação dos governos ao redor do mundo foi rápida e negativa. “Minha determinação em garantir que o projeto Libra do Facebook não se torne uma moeda soberana que possa competir com a moeda estatal é … absoluta”, declarou o ministro das Finanças da França. “Porque eu nunca vou aceitar que as corporações se tornem estados privados.” Nos EUA, tanto o Senado quanto a Câmara realizaram audiências e convocaram executivos do Facebook. De sua parte, o presidente Trump twittou suas objeções às criptomoedas, “cujo valor é altamente volátil e baseado no ar rarefeito. As criptomoedas não regulamentadas podem facilitar o comportamento criminoso, incluindo tráfico de drogas e outras atividades ilegais. ”

Vale ressaltar que estas são reações a uma iniciativa que foi anunciada, mas ainda não foi implementada. A lógica parece ser que, como Libra é nova, não testada e potencialmente destrutiva, ela deveria ser proibida ou altamente regulada para não causar danos. A desconfiança do Facebook e das outras grandes empresas de tecnologia também é um fator, é claro.

A perspectiva de uma participação mais ampla da Libra e outras criptomoedas é tão sombria? Para o Estado sim. É verdade que essas novas tecnologias, se totalmente desenvolvidas, poderiam derrubar o monopólio dos bancos licenciados pelo Estado, das moedas emitidas pelo Estado e da estrutura tributária e regulatória que os sustenta. Eles poderiam colocar vastas quantidades de comércio digital fora do alcance dos governos, o que, por sua vez, poderia corroer a capacidade dos estados de cobrar impostos e prover o bem comum.

Mas esse não é o fim da história. Como as tecnologias do passado que pareciam ameaçadoras quando lançadas, as criptomoedas poderiam ser um grande benefício. Sua adoção mais ampla poderia criar uma infraestrutura financeira paralela que poderia destravar reservas globais inexploradas, possibilitando transações peer-to-peer sem o atrito de bancos, fronteiras e taxas de câmbio.

As atuais camadas de sistemas de pagamento e bancos somam tempo e custos. Com a Libra (e outras criptomoedas), as transações se tornam mais contínuas. Tornar as atividades consideravelmente ​​mais baratas, mais rápidas e mais fáceis, pode facilitar a atividade econômica em países como a Índia, onde centenas de milhões de pessoas permanecem fora do sistema bancário. O que os governos perdem na receita tributária em transações que eles não podem rastrear pode ser recuperado de uma maior atividade econômica e a prosperidade.

Lembre-se que o Bitcoin é o pai da Libra, das outras criptomoedas e tem apenas uma década. Lançado em 2009, o Bitcoin é baseado no que era então um novo protocolo de software conhecido como blockchain, que permite que cada transação seja autenticada e protegida.

Bitcoin é caro para ser minerado e complicado de ser entendido, e até agora não possui uma plataforma universal que torne possível sua adoção em larga escala. Daí a proliferação de uma miríade de “moedas-alt”, como a Ethereum, cujos entusiastas valorizam suas vantagens sobre o Bitcoin.

O resultado dessa competição inicial foi uma bolha especulativa que atingiu o topo no final de 2017, com o preço de um único Bitcoin custando quase US$ 20.000, que também gerou lucros igualmente vertiginosos para outras criptomoedas. Sua capitalização global de mercado cresceu para quase US$ 800 bilhões. Hoje, esse valor é inferior a US $ 300 bilhões.

Até agora, o mercado de criptomoedas tem sido dominado por alguns grandes investidores. A Libra tem o potencial de ser uma mudança, uma mudança centralizada, mas não deixa de ser um passo. Duas das limitações das criptomoedas são, a dificuldade de usá-la e sua volatilidade. Ao incorporar a Libra em uma plataforma de rede social com mais de 2 bilhões de usuários em todo o mundo e anexar o valor das moedas a uma cesta de moedas existentes, o Facebook pode resolver esse desafio.

Hoje, se alguém quiser contratar uma equipe de engenheiros de software em Bangalore, existem várias maneiras de fazer isso, usando aplicativos que os conectam e serviços de pagamento para fornecer fundos. Mas por trás dessas transações está uma arquitetura de pagamentos, taxas de câmbio, bancos licenciados e regulados e regras do governo, que agregam custos e dificultam as transações.

Agora imagine um mundo onde essa transação existe inteiramente em uma plataforma de rede social. Você pode contratar alguém para na Índia, na Nigéria ou na Indonésia, que não tenha uma conta bancária, mas tenha uma conta numa rede social. Você poderia estar no seu computador no Acre, ver um anúncio no Facebook para um perfume sendo vendido em uma boutique em Paris e comprá-lo usando sua conta Libra, sem link para nenhuma conta bancária e ninguém coletando imposto sobre vendas a menos que você o declare.

Isso é muito diferente do que existe hoje, mesmo com serviços de pagamento como o PayPal. Esses serviços estão quase todos ligados a bancos, que por sua vez são regulados por governos. A Libra pode cortar esse intermediário e também fazer uma série de transações que é muito mais difícil para os governos rastrearem e taxarem.

A longo prazo, a Libra e as criptomoedas poderiam potencialmente substituir não apenas os sistemas de pagamento existentes, não apenas o sistema bancário tradicional, mas o poder soberano dos estados sobre a moeda. É isso que políticos e reguladores suspeitam e temem. Sendo assim, o Facebook diz que não tem intenção de derrubar o sistema atual, e seu consórcio Libra atualmente inclui grandes players de pagamentos, como Visa e PayPal. A empresa está tentando acalmar as preocupações dos governos e dos bancos.

Uma das marcas dos bancos modernos é a capacidade de emitir crédito; Um dos pilares do poder do Estado moderno é a capacidade de emitir moeda e de licenciar e regular bancos. A Libra atualmente não é uma forma de crédito, e está ligada a uma cesta de moedas. Você pode usar a Libra para comprar uma scooter ou celular Xiaomi diretamente de um vendedor chinês, mas você não poderá pagar seus impostos com ele.

Por que então os governos estão tão confusos? Porque eles entendem que, uma vez na mão do povo, pode não haver nenhuma maneira de impedir que um sofisticado sistema de criptomoedas amplamente utilizado evolua para algo muito mais abrangente. Isso seria uma coisa ruim?

Os estados têm sido a base da prosperidade econômica do século passado. A criação de regulamentações que governam o mercado, o lançamento de um sistema monetário global após a Segunda Guerra Mundial, a dobra dos bancos e o estabelecimento de moedas relativamente estáveis ​​em países afluentes, todos faziam parte do “pacote”.

Ninguém pode negar que esse sistema resolveu “alguns” problemas e que sociedades que o adotaram está no auge da prosperidade. Os estados e bancos em sua forma atual, ou alguma nova tecnologia financeira, levarão à próxima grande onda de melhoria econômica?

A criptomoeda do Facebook, a Libra pode ser um fracasso, ou pode enfrentar tanta oposição que nunca seja lançada. A grande guerra contra ela imposta pelos “poderosos” é certamente uma amostra dos problemas que o Facebook deve enfrentar e que as criptomoedas vem lutando faz tempo. Mas é também a reação de um establishment complacente a uma tecnologia radical e potencialmente revolucionária. Talvez seja hora dos “poderosos” desviar a atenção dos riscos e admitir as oportunidades surpreendentes que as criptomoedas podem criar.

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin! Se inscreva em nossas redes sociais:

Tags: