HomeEstudo mostra manipulação das exchanges no volume de negociação das principais criptomoedas

Estudo mostra manipulação das exchanges no volume de negociação das principais criptomoedas

dezembro 18, 2018 By Diego Marques

Uma equipe de pesquisadores integrantes da Blockchain Transparency Institute realizaram um estudo e descobriram que exchanges estão manipulando o volume de negociação das principais criptomoedas listadas no top25 do site Coinmarketcap, o estudo comprova que os dados de volume de negociação estão “inflados”. Na opinião deles, a demanda pelos ativos digitais é fictícia e fabricada ao se colocar e executar simultaneamente as ordens dos mesmos pedidos.

Para os pesquisadores do Blockchain Transparency Institute o verdadeiro volume de negociação na maioria das principais criptomoedas listadas no site CoinMarketCap é inferior a 1% dos indicadores no recurso analítico. Os pesquisadores conseguiram acordos falsos em grandes pares nas trocas OKEx, Huobi, HitBTC e Bithumb. Vale destacar que, segundo os analistas, são usados bots no processo de fabricação de transações, utilizados para inflar os dados de volume de transações.

Segundo os pesquisadores da Blockchain Transparency Institute, a manipulação do volume de negociação só não foram praticadas em 3 exchanges: Binance com a paridade BTC/USDT,  Bitfinex com o par BTC/USD e Liquid com o par BTC/JPY.

O Blockchain Transparency Institute destaca que mesmo com a manipulação nos volumes de transação as exchanges continuam cobrando uma média de US $ 50.000 para listar os tokens [de 2 BTC para 75 BTC]. Os pesquisadores acreditam que as plataformas de negociação podem deliberadamente acabar com os indicadores, já que as taxas de listagem para o ano variam de US $ 500 mil a US $ 1 milhão.

A manipulação nos volumes de transações é um pouco melhor nas principais paridades do BTC.

Com base nos resultados da pesquisa a Blockchain Transparency Institute declarou como confiáveis as seguintes exchanges:

 

E as seguintes exchanges como não confiáveis:

Relatórios analisam vulnerabilidades em Exchanges no Brasil e no Mundo. Clique aqui para ler o artigo completo!

 

Tags: