HomeDreams Digger: Justiça e CVM investigam suposta pirâmide brasileira de Bitcoin

Dreams Digger: Justiça e CVM investigam suposta pirâmide brasileira de Bitcoin

junho 17, 2019 By Diego Marques

Imagem relacionada

Uma suposta pirâmide financeira, denominada Dreams Digger (DG Cursos de Trade LTDA), que atua no Brasil prometendo retorno de investimentos de até 10%, está sendo investigada pela Promotoria de Justiça da Bahia, segundo uma publicação feita no dia 12 de junho do ano presente, no Diário Oficial da Bahia.

A CVM, Comissão de Valores Mobiliários do Brasil, também está investigando a suposta pirâmide, após denúncias que a autarquia recebeu em abril, também, supostos investidores que teriam sido lesados pela empresa. O pedido segue em análise para verificar as atividades da empresa e destacou que, caso sejam encontradas irregularidades, publicará um alerta em seu portal oficial.

O inquérito de investigação da Promotoria de Justiça da Bahia, que não tem prazo para ser concluído, se dará para analisar “efetiva a venda de cursos sobre investimentos, com foco no mercado de criptomoedas, mediante arbitragem e esquema de pirâmide, prometendo ganhos de 10% (dez por cento) ao mês, ludibriando os interessados.”

A Dreams é conhecida no mercado nacional e seus organizadores chegaram a palestrar em importantes eventos de criptomoedas e tecnologia no Brasil como a Campus Party e a Bitconf. Nesse último evento citado, a suposta pirâmide divulgou sua plataforma de educação online, a DD education, que segundo a empresa “conta com diversos cursos voltados para o mercado de criptomoedas, como cursos introdutório de Bitcoin e blockchain, segurança de carteiras, trading básico e avançado, e o seu mais novo curso de programação em solidity e desenvolvimento de smart contracts na plataforma da Ethereum, o único curso 100% online do Brasil”.

Superintendência de Relações com o Mercado e Intermediários (SMI) da CVM determinou a suspensão imediata das atividades da empresa Liteforex Investments Limited, no dia 12 de junho. A Liteforex vinha oferecendo retornos financeiros por meio de diversas aplicações no mercado tradicional e também por meio de supostas operações de trade com criptomoedas (Bitcoin, Bitcoin Cash, Dash, Ethereum, Ethereum Classic, Litecoin, Monero, Ripple e ZCash). A empresa alegava que atuava no mercado Forex, atividade proibida no Brasil.

 

Fonte: Cointelegraph

Leia mais: Binance vai retirar usuários dos EUA de sua plataforma

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin! Se inscreva em nossas redes sociais:

Tags: