HomeCosco vai experimentar a plataforma blockchain desenvolvida pela Ant Financial do Alibaba

Cosco vai experimentar a plataforma blockchain desenvolvida pela Ant Financial do Alibaba

julho 9, 2020 By Nicholas Say

A Cosco decidiu demonstrar uma plataforma blockchain desenvolvida pela Ant Financial,  subsidiária do Grupo Alibaba

A Cosco Shipping está trabalhando para adicionar a tecnologia blockchain ao seu sistema para manutenção eficiente de registros e rastreamento de carga. A tecnologia que a Cosco está demonstrando foi desenvolvida pela Ant Financial, uma subsidiária do Alibaba.

Atualmente, o Ant Blockchain é a maior plataforma de blockchain orientada a negócios da China.

A Blockchain encontrou um lar no setor de remessa global. Não apenas é usado para acompanhar a carga, mas também em sistemas de financiamento comercial. No momento, a Cosco está usando apenas a blockchain em caráter experimental e apenas em um sentido limitado.

Como a Cosco usará a blockchain?

A Cosco Shipping possui até 1.330 navios em operação, transportando um total potencial de 106 milhões de toneladas de carga a qualquer momento. Qualquer sistema de manutenção de registros desse tamanho é propenso a erros humanos, resultando em comunicação ineficiente.

Acrescente a isso a natureza arcaica do back-end do setor de logística global e é fácil ver por que a blockchain está se tornando popular no espaço

O setor de logística usa blockchain para armazenar informações de carga e licenças de importação que podem ser acessadas de maneira fácil e rápida por partes autorizadas para verificar a autenticidade.

Ao colocar essas informações em um blockchain, ele reduzirá a papelada, permitindo que as mercadorias se movam rapidamente pelas instalações portuárias. O Ant Blockchain pode processar até um bilhão de transações por dia, tornando-o um bom candidato ao modelo de negócios da Cosco.

Blockchain para revolucionar o setor de logística

Uma blockchain semelhante está operando nos EUA chamada Food Trust Blockchain (FTB) – e já é usada pelo Walmart para rastrear a origem de produtos perecíveis no mercado interno e internacional. O FTB tem a capacidade de reduzir o tempo para rastrear a origem do produto de sete dias para 2,2 segundos.

Quando introduzido pela primeira vez como prova de conceito, seu objetivo era rastrear a origem da manga e carne de porco na China. Uma vez que se mostrou viável, o Walmart o adotou e expandiu, dando à empresa a capacidade de rastrear a origem de produtos, carnes e aves, laticínios e produtos com vários ingredientes.

Com empresas como o Walmart compartilhando essa tecnologia com empresas de destaque na indústria de alimentos, como Nestlé e Unilever, e grandes empresas de correio como a Cosco participando – podemos esperar que o blockchain seja uma das principais tecnologias do setor de logística na próxima década.