HomeCentrais leiteiras australianas usarão blockchain para competir globalmente

Centrais leiteiras australianas usarão blockchain para competir globalmente

julho 28, 2020 By Nicholas Say

A indústria de laticínios australiana planeja implementar soluções baseadas em blockchain para seus produtores de leite em dificuldades

Os produtores de leite da Austrália enfrentaram dificuldades resultantes de secas, incêndios florestais e concorrência do exterior nos últimos anos – fatores que fizeram com que a indústria caísse de 16% para 6% quando se trata de sua participação no comércio nos últimos 30 anos.

Agora, os agricultores enfrentam uma realidade sombria, pois sua renda diminui drasticamente enquanto os esforços aumentam, forçando-os a viver de uma renda que mal é suficiente para sobreviver e manter suas operações em funcionamento.

Na edição de julho de sua revista, a Australian Dairy Farmers (ADA) anunciou a implementação de soluções blockchain para neutralizar o desequilíbrio de energia existente entre agricultores e processadores.

Não é um problema novo

As dificuldades atuais enfrentadas pelos produtores de leite na Austrália estão sendo preparadas há muito tempo, com várias iniciativas já lançadas para tentar resolvê-las – com pouco sucesso.

De acordo com a Comissão Australiana de Concorrência e Consumidores (ACCC), o desequilíbrio de energia existente na indústria de laticínios e seu resultado, que são preços de mercado incertos, preços de farmgate e desequilíbrio de contratação, existem desde 2018.

O uso de plataformas de comércio de leite, contratos padrão da indústria e códigos de prática obrigatórios não foram suficientes para corrigir o problema existente. Agora, a ADA foi contratada pelo governo federal para usar o blockchain em uma tentativa de criar transparência no comércio e na comercialização de leite.

Blockchain pode ajudar a acabar com um desequilíbrio do poder de barganha

Ao dar a cada agricultor e processador seu próprio nó em uma rede blockchain, as informações seriam salvas com segurança, permitindo que as operações da cadeia de suprimentos de leite fossem registradas no ledger distribuído, com ambas as partes capazes de analisá-las instantaneamente.

Os registros conteriam informações sobre contratos, quantidade de leite entregue e pedido, resultados dos testes de qualidade do leite, bem como pagamentos recebidos e enviados, com permissão de edição disponível apenas para as partes interessadas.

A imutabilidade e a segurança oferecidas pela tecnologia blockchain impediriam qualquer uma das partes de adulterar as informações ou modificá-las sem o conhecimento da outra, permitindo que os reguladores monitorassem o setor.

A ADA espera que o uso da blockchain capacite os produtores de leite e reduza os custos para competir nos mercados locais e globais.