Bitcoin: Países que aceitam e onde a criptomoeda é ilegal

0 Comentários

Muitos países ao redor do mundo já estão aceitando Bitcoin como forma de pagamento. Então se você é um apaixonado por viagens e entusiasta Bitcoin, por que não unir as duas coisas?

Viagens ao exterior sempre geram preocupações e gastos devido a taxa de câmbio utilizada. Mas com o Bitcoin isso já não é mais um problema, já que muitos países estão aceitando a criptomoeda como forma de pagamento, não havendo necessidade de se preocupar com os limites de gastos autorizados pelo banco central.

Como a popularidade do Bitcoin continua a crescer em todo o mundo, alguns governos estão começando a perceber seus benefícios e estão integrando Bitcoin e as criptomoedas em sua economia, ao invés de tentar punir aqueles que usam com políticas restritivas e impostos exagerados.

O Japão, por exemplo, recentemente aprovou uma lei que torna o Bitcoin uma forma legal de pagamento on-line, eliminando impostos e estabelecendo um marco regulatório para negócios baseados em Bitcoin. A Austrália também tomou uma posição a favor das criptomoedas e removeu o duplo imposto  que penalizava os usuários.

Abaixo estão citados alguns dos melhores destinos para utilizar criptomoeda:

Melhores destinos para usar o Bitcoin

SUÍÇA

O país europeu possui diversas empresas de criptomoedas e blockchain, e há grandes esforços do governo para estabelecer o país como uma nação que aceita criptomoedas. Atualmente até mesmo o pagamento de bilhetes de trem pode ser feito através de criptomoedas.

ANTÍGUA E BARBUDA

A nação localizada no mar do Caribe é um destino bastante amigável com as criptomoedas. O governo do país tem trabalhado fortemente para regulamentar o Bitcoin e recentemente aprovou uma lei que permite pagamentos de cidadania em criptomoedas. O bilionário Calvin Ayre estava desenvolvendo um resort de Bitcoin Cash no valor de US$ 100 milhões no país.

AMSTERDÃ

A Holanda possui atualmente 23 caixas automáticos de criptomoedas, mais da metade está em Amsterdã, e a cidade ainda foi a primeira a ter um caixa eletrônico Bitcoin na Europa. Desde 2014 a cidade tem criado uma ” Bitcoin City Initiative“, muitos comerciantes já aceitam pagamentos em Bitcoin, o que a torna um destino bastante interessante para quem prefere usar as criptomoedas para pagar pelas despesas de viagem.

MALTA

E a ilha mediterrânea de Malta, que recentemente retirou todas as barreiras às criptomoedas, na tentativa de se tornar um centro de tecnologia global de criptomoedas e blockchain.

Por que alguns países consideram o Bitcoin ilegal?

Na contramão dessa ideia, existem os países que devem ser evitados por quem gosta de viajar com Bitcoin.

Nem todos os países são tão avançados quando se trata de criptomoedas. Acredite ou não, o Bitcoin ainda é ilegal em alguns países, o que diz muito sobre o Bitcoin como uma tecnologia disruptiva.

Para ser claro, a primeira criptomoeda do mundo não é ilegal pelo fato de representar qualquer risco para os cidadãos dos países que vamos listar. Em vez disso, ele fornece um sistema monetário P2P alternativo e aberto e uma alternativa para que os cidadãos se livrem da opressão estatal, por isso o Bitcoin é visto como uma ameaça ao seu sistema monetário controlado pelo estado.

O site https://www.bitcoinregulation.world/ fez um mapeamento da regulação do Bitcoin pelo mundo. Para saber o status da regulação da criptomoeda em algum país, basta clicar no país desejado.

A medida que o Bitcoin começar a ganhar força em todo o mundo, esses países provavelmente mudaram sua posição sobre Bitcoin e moedas digitais.

Veja abaixo a lista dos países que não permitem negociações com criptomoedas. Lista de países onde o Bitcoin é ilegal:

Arábia Saudita

Autoridade Monetária da Arábia Saudita (SAMA) anunciou em agosto de 2018 que o Bitcoin e outras criptomoedas são ilegais no Reino da Arábia Saudita. O regulador citou as “consequências negativas e altos riscos” aos quais os investidores de criptomoedas estão expostos como a principal razão da proibição. A medida seguiu uma série de comentários negativos feitos pelo príncipe saudita Al-Waheed bin Talal sobre criptomoedas.

Ele havia especulado no passado como o Bitcoin “vai implodir um dia”, enquanto também comparava a criptomoeda à Enron, a empresa americana que desistiu no início dos anos 2000 após um escândalo de fraude contábil.

A declaração oficial afirma que “o comitê garantiu a inclusão da moeda virtual. O Bitcoins é ilegal no reino e nenhuma parte ou indivíduo é licenciado para tais práticas”. A declaração completa pode ser acessada aqui .

Marrocos

Em 20 de novembro de 2017, o governo emitiu uma declaração pública na qual declarou: “O Office des Changes deseja informar o público em geral que as transações via moeda virtual constituem uma violação dos regulamentos da bolsa, sujeitas a multas e multas previstas em [ leis existentes] em vigor “.

No dia seguinte, as autoridades monetárias também reagiram em uma declaração emitida em conjunto pelo Ministério da Economia e Finanças, Bank Al-Maghrib e a Autoridade Marroquina de Mercado de Capitais (AMMC), alertando contra os riscos associados ao Bitcoin, que podem ser usados ​​”para fins ilícitos”. Crimes, incluindo lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo “.

Em 19 de dezembro de 2017, Abdellatif Jouahri, governador do Bank Al-Maghrib, disse em entrevista coletiva realizada em Rabat durante a última reunião trimestral do Conselho de Administração do Bank Al-Maghrib de 2017 que o Bitcoin não é uma moeda, mas um “ativo financeiro”. Ele também alertou sobre seus perigos e pediu a criação de uma estrutura para a proteção do consumidor.

Egito

Não existem leis específicas que apoiem o Bitcoin no Egito. No entanto, é ilegal negociar Bitcoin no Egito e outras criptomoeda podem ser incluídas em breve. As autoridades egípcias proibiram o Bitcoin, pois ele não é coberto pelas leis de controle financeiro. A tecnologia blockchain no Egito está se desenvolvendo, com várias startups. As incubadoras de empresas estão trabalhando em produtos blockchain e pretendem colocá-los em nível internacional.

Vietnã

Vietnã ainda está indeciso com abordagem regulatória para as criptomoedas. O Ministério da Justiça do Vietnã apresentou um relatório que contém uma revisão da legislação atual e uma avaliação das atividades comerciais relacionadas às criptomoedas no país. Os autores do documento também fizeram uma série de propostas sobre as mudanças que consideram necessárias.

O Ministério explora três políticas alternativas aplicadas em diferentes partes do mundo. A primeira abordagem, chamada de “flutuante”, envolve a implementação de um regime regulatório relativamente frouxo. O segundo chamado “proibir” é praticamente autoexplicativo. E a terceira opção é legalizar transações de ativos digitais sob certas condições.

Bolívia

Em maio de 2014, o banco central do país, El Banco Central de Bolivia, proibiu oficialmente todas e quaisquer moedas não emitidas e / ou regulamentadas pelo governo, especificando o Bitcoin, algumas outras altcoins e quaisquer outras moedas que não pertencem a um estado ou Zona econômica.

A declaração diz:

É ilegal usar qualquer tipo de moeda que não seja emitida e controlada por um governo ou uma entidade autorizada.

No entanto, mesmo com toda a repressão contra as criptomoedas, há operações P2P pela LocalBitcoins, com investidores reunidos em pequenos grupos no Telegram e WhatsApp. Apesar do uso disseminado de VPN (vetor de rede privada) para dificultar a localização, o site CoinMap conseguiu identificar as principais regiões que servem de polo de vendas de criptomoedas na Bolívia, destacando La Paz, Cochabamba e Santa Cruz de La Sierra.

Além disso, de acordo com o site Bitcoin Ticker, a Bolívia transacionou cerca de 5.710 BTC no dia da renúncia do então presidente Evo Morales.

Não está claro ainda o que levou a população local a recorrer à negociação de cripto, com a turbulência política das últimas semanas sendo a maior aposta dos especialistas.

Equador

O Equador não só proibiu o Bitcoin e todas as outras criptomoedas, mas o fez ao estabelecer diretrizes para a criação de sua própria moeda virtual.

A Assembléia Nacional do Equador aprovou um projeto de lei que altera as leis monetárias do país em julho de 2014, proibindo as criptomoedas e permitindo que o governo emita e transforme em seu “dinheiro eletrônico”.

Bangladesh

Bangladesh é um dos únicos 6 países do mundo que são considerados “hostis” ao Bitcoin. O Banco de Bangladesh emitiu seu primeiro “aviso” contra o uso do Bitcoin em 2014. O aviso incluía cautela em transações em qualquer moeda digital, pois isso poderia envolver ações não autorizadas declaradas na Lei de Regulamentação de Câmbio de 1947 e na Lei de Prevenção à Lavagem de Dinheiro de 2012.

O banco central desaprovou expressamente qualquer transação de criptomoeda, afirmando que essas moedas virtuais não tinham curso legal emitido por nenhum país e não depende e não é aprovado por um sistema central de pagamentos; portanto, as pessoas podem ser prejudicadas financeiramente por ele.

A declaração diz:

Bitcoin não é uma moeda legal. Qualquer transação através de Bitcoin ou qualquer outra criptomoeda é uma ofensa e será punida.

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin! Se inscreva em nossas redes sociais:

Investir é especulativo. Ao investir seu capital está em risco. Este site não se destina a uso em jurisdições em que a negociação ou os investimentos descritos são proibidos e só devem ser usados por essas pessoas e de maneiras que sejam legalmente permitidas. Seu investimento pode não se qualificar para a proteção do investidor em seu país ou estado de residência, portanto, conduza sua própria devida diligência. Este site é gratuito para você usar, mas podemos receber comissões das empresas que apresentamos neste site. Clique aqui para obter mais informações.