Por que uma empresa de investimentos de US$ 2,3 trilhões está interessado no Bitcoin?

3s Comentários

A empresa , também está minerando criptomonedas, embora em pequenas quantidades. Abigail Johnson, CEO da Fidelity, uma empresa líder em serviços financeiros e empresa de com mais de US$ 2,3 trilhões de ativos sob gestão, disse que a empresa estuda a estrutura e casos de uso do  como um estoque de valor, moeda digital como um ativo seguro um “refúgio”.

Como parte de projeto a Fidelity tem minerado Bitcoin e  para entender melhor a estrutura descentralizada desses e testar seus pagamentos e soluções de duas camadas. Hadley Stern, da Fidelity Labs, disse a Fortune que a mineradora é “muito modesta” em comparação com a de milhares de mineradores na China, no entanto, Johnson disse que a operação de mineração da Fidelity está gerando uma receita significativa.

Para Johnson e pesquisadores da Fidelity, incluindo a equipe de desenvolvimento Fidelity Labs, o principal objetivo da mineração de Bitcoin e outras criptomoedas como ethereum tem sido a explorar, investigar e analisar sua estrutura. Stern explicou que através da mineração a Fidelity Labs concentrou-se em estudar vários aspectos do Bitcoin, como seu protocolo de consenso, ajustando o nível de dificuldade e como um ecossistema descentralizada pode ser realizado com segurança. Stern disse à revista Fortune:

Pense nisso como um experimento. A verdadeira razão pela qual começamos a minerar, e ainda assim, é aprender como funciona a rede, como funciona o consenso, como os níveis de dificuldade funcionam”.

Por que as grandes empresas de investimento estão interessadas no Bitcoin?

Alguns dos maiores e empresas de investimento dos EUA, como  e , expressaram publicamente o seu otimismo em relação ao Bitcoin e ao mercado cripto. No início deste mês, o The Wall Street Journal revelou que a Goldman Sachs está considerando lançar uma plataforma de negociação para criptos e assim atender a crescente demanda dos clientes pelo Bitcoin.

Leia também  Coinbase arrecada $100 milhões para "ajudar a acelerar a adoção de moedas digitais"

Como explicou Axel Pierron, diretor-gerente da consultoria bancária Opimas:

“Claramente, é alto o interesse dos clientes, tanto os investidores de varejo quanto os institucionais. É altamente volátil, altamente ilíquidos (falta de liquidez no curto prazo) quando você precisa negociar grandes volumes, para que eles tenham a oportunidade para uma nova classe de ativos que iria requerer a capacidade de um corretor de bolsa”.

No mês passado, o desenvolvedor do Bitcoin, Andrew DeSantis, e o comerciante de longa data do Bitcoin, IamNomad, também apresentaram transações entre a JPMorgan Securities Ltd. e a Bitcoin XBT, um fornecedor de ETCO na Nasdaq, mostrando que o  JPMorgan vem investindo em Bitcoin através de canais regulados e veículos de investimento.

Os bancos podem fornecer liquidez suficiente para os comerciantes de Bitcoin e lidar com a crescente demanda por criptomoedas de seus clientes, ou deixar o negócio para provedores de serviços terceirizados e os mercados das criptomoedas como Coinbase, Gemini e Bitfinex, entre outros.

Leia também  O que a guerra comercial significa para as criptomoedas?

Stern enfatizou que a Fidelity fez esforços cada vez maiores para entender a tecnologia por trás do Bitcoin e para atender comerciantes, investidores e clientes no setor de criptomoedas. A Stern disse que a Fidelity está em posição vantajosa em outras empresas do setor.

“É outra maneira de avaliar a demanda do mercado, conhecer a tecnologia e aprender o que está acontecendo”, disse ele.

Fonte: diariobitcoin

Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin

Acompanhe notícias todos os dias sobre Bitcoin e Criptomoedas:

Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: https://guiadobitcoin.com.br/feed/

[jetpack_subscription_form title=”Bitcoins no seu e-mail” subscribe_text=”Digite o seu e-mail” subscribe_button=”Quero receber” show_subscribers_total=”1″]