O aumento da politização da mineração Bitcoin é uma distração

Uma das principais narrativas em torno do Bitcoin sempre foi que o bitcoin é uma moeda baseada em matemática, e apolítica.

Em outras palavras, o sistema foi criado de uma forma que impede que as entidades políticas alterem as regras da rede. “A natureza do Bitcoin é tal que, uma vez que a versão 0.1 foi lançada, o design do núcleo foi definido para ser inquebrável para o resto de sua vida”. Satoshi Nakamoto

Dito isto, a possibilidade de fazer alterações no protocolo Bitcoin é um possível vetor para ataques políticos. Com suporte suficiente do público usando Bitcoin, um fork significa problemas para aqueles que desejam continuar operando pelas regras originais do Bitcoin (anonimato).

Os mineradores de Bitcoin que sinalizam o apoio a mudanças específicas no protocolo são por vezes confundidos com um voto sobre as regras do Bitcoin, mas não está claro se há muita conexão entre o que os mineradores querem e como os especuladores reagirão quando puderem negociar duas diferentes.

Políticas de em Pools

No contexto do atual debate, alguns grupos de mineração, têm sido extremamente inflexíveis em seu apoio a como o protocolo deve evoluir. O suporte ViaBTC e Bitcoin.com para Bitcoin Unlimited tem sido o exemplo mais óbvio deste fenômeno.

A ideia é que os mineradores que preferem um hard-fork aumentou, os defensores têm argumentado que 60 por cento da rede hashrate pode ser o necessário para ativar este tipo de mudança no Bitcoin.

Mas os mineradores não controlam Bitcoin

O principal problema com o conceito de pools de mineração promovendo uma visão específica para as regras do Bitcoin é que essas ações não têm relação com o que acontecerá, uma vez que uma nova versão bifurcada do Bitcoin esteja disponível para negociar com a versão original do Bitcoin. Embora os mineradores possam indicar o seu apoio a uma proposta específica, são os utilizadores que decidirão se a nova versão do Bitcoin terá aluma aceitação ou será apenas mais uma altcoin.

Leia também  A criptografia do Bitcoin é mais antiga do que se imagina e é uma das mais valiosas tecnologias existentes

Em cima disso, à primeira vista é difícil dizer a diferença entre um hard-fork e uma altcoin.

Os mineradores estão no negócio da Bitcoin para ganhar recompensas em bloco, incluindo de transação. Quando uma tentativa de mudança forçada no Bitcoin é tentada, o resultado final é duas redes de moeda digital por padrão (a rede original sem a regra muda para uma nova rede com as atualizações propostas).

Em vez de impor regras sobre os usuários, os mineradores devem se ater ao seu lucro. Se um hard fork for ativado e os usuários permanecerem na cadeia original (atribuindo assim mais valor às recompensas de bloco nessa cadeia), os mineradores seguirão a recompensa de bloco mais lucrativa e ficarão com a cadeia original também – ou desperdiçarão .

Tecnicamente, os mineradores poderiam decidir agir contra seus próprios interesses e explorar a cadeia menos rentável. Eles poderiam até mesmo tentar forçar suas mudanças de regras propostas sobre os usuários, atacando a cadeia original, usando um ataque conhecido como um ataque de 51%. Em tal cenário, os usuários podem implantar um hard-fork para alterar o algoritmo de prova de trabalho do Bitcoin, o que tornaria o caro hardware de mineração ASIC dos mineradores sem valor.

Leia também  Leilão de domínio Ethereum: mercado indica interesse por aplicações

Em suma, a sinalização de apoio a mudanças de protocolo específicas ou opiniões políticas por pools de mineração pode ser visto como nada mais do que uma tática de marketing. Aqueles que desejam ver as mudanças implementadas no Bitcoin precisam conversar com usuários Bitcoin, não mineradores .

Existem opções melhores para avaliar suporte para alterações no Bitcoin?

Fazer qualquer mudança contenciosa no Bitcoin através de um hard-fork ou soft-fork não será fácil, mas não é impossível. Muitas mudanças de soft-forking foram feitas no Bitcoin no passado, mas um hard-fork intencional com o objetivo de alterar as regras da rede, nunca foi executado.

O aspecto difícil do hard-fork, em comparação com um soft-fork é que todo mundo tem que atualizar seu software para que ele funcione. Com um soft-fork, as mudanças podem ser executadas em um “opt-in basis” porque são retro-compatíveis. No entanto, alguns alegam esta declaração como soft-forks têm o potencial de reduzir a segurança dos “nós” que não atualizar. O co-fundador da Blockstream, Pieter Wuille, contesta esta afirmação.

Mediar um apoio para um hard-fork é uma tarefa difícil. Os desenvolvedores por trás do Ethereum pensaram que a hard-fork para socorrer os detentores de tokens DAO. Isso levou à perda de grandes quantidades de fundos de clientes em , como o BTC-e, uma vez que ficou claro que a velha cadeia ainda tinha apoio de um segmento da comunidade Ethereum em geral.

Leia também  Bitcoin x Zcash: Como elas se comparam?

A falta de ferramentas úteis para calcular o suporte para o hard-forks é uma das razões pelas quais os soft-fork são preferidos pela atual safra de colaboradores do Bitcoin Core.

Neste ponto, existem mecanismos de voto por moedas como Bitcoinocracy  e HODL. Os votos que mostram potencial, mas não está claro se uma dessas opções leva a previsões corretas. Mecanismos de voto de moedas também foram usados ​​como base para a falsa previsão de que o hard fork Ethereum não resultaria em duas correntes.

No passado, os mercados de previsão e contratos de futuros também foram propostos como um método de avaliar o apoio para uma mudança nas regras do Bitcoin.

Agora, a melhor maneira de avaliar o apoio para uma mudança no Bitcoin, pode ser executar o fork e ver como o mercado responde.

E você o que acha? Sim ou não ao Hard-fork.

Fonte: bitcoinmagazine.com
Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin


Novidade! Compre e venda produtos e serviços pagando em Bitcoin no Classificados BTC

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *