HomeWaves: Blockchains permissionados, IoT e business logic

Waves: Blockchains permissionados, IoT e business logic

novembro 14, 2018 By Irlan Pierre

O CEO da Plataforma Waves, Sasha Ivanov, compartilhou suas ideias sobre como o business logic pode ser utilizado de forma eficiente com IoT, blockchains permissionados e smart contracts, se for utilizado da maneira correta, é claro. Confira!

O verdadeiro motivo pelo qual os blockchains permissionados fazem sentido não é a capacidade de colocar dados simples neles, eu realmente não acredito que você ganhará uma vantagem significativa fazendo isso. No ambiente corporativo de blockchains, muitas vezes ele é considerado como apenas mais um tipo de tecnologia de banco de dados, no qual você pode colocar qualquer informação no banco de dados e ele fica lá para sempre, não importa o que (isso é chamado de imutabilidade). Você não pode realmente garantir isso apenas para blockchains abertos, então nós criamos blockchains permissionados,  que é na verdade, uma contradição, já que você não precisa de tecnologia blockchain em uma situação quando há um administrador que pode adicionar e excluir participantes da rede à vontade.

Então, por que blockchain permissionado faz sentido? Eles são geralmente considerados dentro da estrutura do ambiente de negócios / empresa, onde facilita o business logic de maneira mais descentralizada. Não se trata apenas de colocar algumas informações em um banco de dados sofisticado, mas sim, de implementar a própria lógica do seu negócio de uma maneira menos propensa à corrupção, fornecendo um nível de transparência aprimorado. Então, é mais sobre o que as pessoas chamam de smart contracts, e esse nome começa a fazer sentido no ambiente corporativo, o que não é o caso na configuração de blockchains abertos, onde provavelmente poderíamos chamá-los de script blockchain ou algo assim.

Você não pode trazer um novo nível de transparência e flexibilidade apenas escrevendo seus dados estáticos em uma coleção de bancos de dados replicados, seja ele hashes, root hashes ou qualquer outra bonita estrutura criptográfica. Você traz coisas novas para a mesa, trazendo business logic de seus aplicativos, talvez até certo ponto, mas ainda sendo um ambiente descentralizado.

Um exemplo seria útil agora. Imagine que você tenha um grande sistema de IoT, por exemplo, uma empresa de transporte com centenas de caminhões com motoristas independentes. Existem sensores em cada caminhão transmitindo vários parâmetros sobre a condição dos diferentes sistemas de veículos e localização do caminhão. As informações são usadas ​​para monitorar a condição da frota da empresa de caminhões, prever a falha do equipamento e pagar os motoristas pela entrega das mercadorias. Definitivamente, veremos agora algumas tentativas de registrar informações como essas no blockchain, na verdade apenas porque podemos, porque é difícil dizer o que isso pode fazer. Pode haver um pouquinho de sentido se você considerar um caso em que as informações estão sendo adulteradas posteriormente, ou seja, um sujeito mal-intencionado tenta adulterar as informações de que um determinado caminhão está em melhores condições que realmente apresenta. Isso pode acontecer, claro, mas não acho que seja tão difundido que precisemos de todo um mecanismo de DLT para lidar com isso.

Por outro lado, se considerarmos o business logic que podemos implementar no blockchain no qual tomamos algumas decisões automatizadas com base nas informações que recebemos, ele começa a fazer sentido.

Por exemplo, um motorista ganhará um bônus se ele pegar uma rota mais eficiente e seu caminhão estiver em uma condição geral melhor. As informações recebidas estão sendo alimentadas por um smart contract, e um motorista recebe uma quantidade determinada de tokens de forma totalmente automática, o dinheiro ganho uma vez não pode ser tirado dele.

Se um motorista tentar adulterar as informações transmitidas pelos sensores, ele pode ser exposto, analisando-o contra o big data coletado durante a operação da empresa, e ele pode ser imediatamente suspenso como resultado.

Podemos ver que, descentralizando não o armazenamento de dados, mas o próprio business logic, obtemos uma imagem totalmente nova, onde as coisas funcionam de maneira bem diferente de antes. Somente através da descentralização de processos, fazemos progressos tangíveis na arquitetura do nosso sistema.

O real poder das próximas plataformas blockchain permissionadas é a nova maneira de conduzir os negócios. Essas plataformas fornecerão uma nova infraestrutura, que é desesperadamente necessária para a próxima onda de revolução tecnológica. Permitirão automatizar de maneira incorruptível os processos essenciais das empresas, tornando-os, até certo ponto, objetivos, independentes da intrusão de partes potencialmente maliciosas. O business logic implementado de maneira descentralizada torna o próprio negócio mais descentralizado, o que significa mais transparência, menos interferência humana e mais lucros como resultado.

É verdade que sistemas como esse, na verdade, poderiam ter surgido antes mesmo da tecnologia do Bitcoin e do blockchain; mas o verdadeiro poder da tecnologia blockchain no momento não é a tecnologia em si, mas a mensagem por trás dela. Provou que somos capazes de criar sistemas descentralizados, e eles podem ser potencialmente um verdadeiro fator de mudança.

Vamos parar de pensar em usar blockchains como um banco de dados para despejar hashes, vamos começar a implementar a lógica em nossos aplicativos do mundo real e esse será o começo do WEB 3.0.

Sasha Ivanov

Faça parte da comunidade Waves no Brasil!

Twitter Waves

Facebook Waves

Telegram Waves

Junte-se à Waves Community

Tags: