HomePirâmide KaratGold Coin é proibida na Alemanhã

Pirâmide KaratGold Coin é proibida na Alemanhã

novembro 14, 2019 By Matheus Henrique

Uma empresa de criptomoedas da Alemanha que usou vários ex-jogadores de futebol para promover seus produtos foi orientada a desistir de seus negócios baseados em blockchain em meio a alegações de que estava operando um esquema de pirâmide, relata o The Guardian.

O The Guardian citou o portal de notícias sobre negócios alemão Handelsblatt, que disse que órgão fiscalizador bancário do país, BaFin, entregou um pedido de cassação e desistência à Fundação Karatbit, registrada em Belize, e disse à empresa para resolver quaisquer reclamações financeiras pendentes.

Fundada pelo ex-vendedor de aspiradores de pó Harald Seiz em 2011, a Karatbars aproveitou a fama dos jogadores de futebol Roberto Carlos, Patrick Kluivert e Lothar Matthäus para prometer aos usuários que iria revolucionar o sistema financeiro com sua moeda transformadora.

A empresa permitiu que os “afiliados” em potencial comprassem tokens de ouro “criptonizado” ou ouro tokenizado. Em seguida, a empresa concedeu uma comissão aos “afiliados” por inscreverem mais pessoas, a famosa formação de rede, algo bem comum nos esquemas de pirâmide aqui pelo Brasil.

Para garantir a estabilidade de sua moeda, Seiz disse que a empresa tinha um “banco de criptomoedas” totalmente licenciado em Miami e uma mina em Madagascar, com US$ 991 milhões em ouro. Em suas apresentações, Karatbar disse que a mina se chamava Fort Dauphin, mas uma ferramenta de dados de mineração online diz que a única mina na ilha com esse nome contém apenas titânio e zircônio.

Além disso, Seiz alegou ter levantado mais de US$100 milhões (£78m) através da venda de tokens da KaratGold’s Coin (KBC).

 

Como comprar Bitcoin no Brasil

 

Além das recompensas financeiras, Seiz disse aos participantes em eventos de lançamento na Cidade do Cabo, na África do Sul e em Amsterdã, na Holanda, que os afiliados bem-sucedidas seriam recompensadas com carros e relógios de luxo. De novo, outra estratégia super comum em pirâmides financeiras.

Kluivert é mostrado falando no evento de Amsterdã e dizendo: “Esta é uma nova comunidade, um novo mundo, isso será muito grande. O Karatbar e o cryptocoin são o futuro. Espero que todos se juntem a esta plataforma.”

https://www.youtube.com/watch?time_continue=121&v=0D6G13OCPM4&feature

“O mais importante é que você precisa acreditar”, diz Matthäus à multidão.

A defesa dos jogadores

“Fui contratado por um amigo de um time internacional de futebol da Espanha para uma participação em um evento particular em Amsterdã”, disse Kluivert, “fiz uma pesquisa online antes do evento, mas não recebi nenhuma mensagem negativa.”

Um representante de Matthäus negou o envolvimento de seu cliente como embaixador oficial no evento e observou que ele não tinha vínculos com o negócio.

“Lothar Matthäus foi convidado a falar especificamente sobre sua carreira como jogador. Quando ele disse ‘o mais importante é que você precisa acreditar’ ”, ele estava se referindo ao seu retorno ao futebol após uma lesão e não endossando os produtos da Karatbars. Qualquer outra interpretação tira seus comentários de contexto.”

Já a equipe de administração de Roberto Carlos não respondeu ao pedido de comentário do The Guardian.

Veja também: Para cada US$1 de bitcoin minerado, é causado US$.49 de danos à saúde e meio ambiente, diz pesquisa

 

Tags: