HomeJPEG quer usar a blockchain para combater fotos falsas

JPEG quer usar a blockchain para combater fotos falsas

fevereiro 21, 2020 By Soraia Barbosa

Imagine se cada arquivo JPEG tivesse seus dados protegidos pela blockchain, permitindo a verificação das origens da foto e da sua autenticidade. Esse é um conceito bastante interessante e que pode elevar os casos de uso para a blockchain para uma área importante e que está alinhada com a ideia da autenticação proferida pela tecnologia blockchain. É exatamente essa a visão da organização que criou o formato JPEG: trazer a blockchain para ajudar a combater fotos falsas e proteger a privacidade das pessoas, além de direitos autorais.

A Joint Photographic Experts Group (JPEG) está organizando workshops para receber feedback sobre a possibilidade de criar um novo padrão em blockchain que pudesse permitir que usuários possam identificar fotos falsas e ajudar fotógrafos a lutar contra o roubo de imagens.

Em um encontro realizado em Sydney, Austrália, o comitê começou a explorar a possibilidade de criar uma nova compressão JPEG com o uso de dados mantidos pela blockchain.

Como a blockchain é imutável e rastreável, essa imagem nunca será “perdida” na rede, podendo ser acompanhada pelo fotógrafo, evitando problemas com direitos autorais. Isso também permitirá que fotos manipuladas se passem por verdadeiras.

 

Comprar Ethereum no Brasil – Método Fácil

 

Essa não é a primeira vez que uma ideia assim surgiu com esse propósito. A KodakOne criou um sistema parecido, onde robôs de pesquisa na internet podem identificar roubos de imagem, mas o sistema está limitado a pagamentos utilizando a KodakCoin.

O que a JPEG quer fazer é criar um sistema padrão para usar a criptografia, assinaturas em hash, marcas d’água ou a combinação desses elementos dentro dos metadados de uma imagem. Com o sistema, uma rede social poderia até mesmo identificar uma foto falsa antes de ela ser publicada, ajudando a combater um dos principais problemas na internet: as Fake News.

Claro, a ideia está apenas no seu estágio inicial, passando por fases de discussão e planejamento, ainda sendo discutida com autoridades do mercado para determinar quais os usos e possibilidades do sistema.

Além de ajudar a identificar notícias falsas e violações de direitos autorais, a JPEG sugeriu que o sistema pudesse ser usado para análise forense de mídias, com aplicações na segurança e privacidade.

O JPEG é um dos tipos de imagens mais utilizados em todo o mundo e por isso seria uma excelente forma de criar um sistema padrão. A Blockchain se mostra a melhor aliada para esse propósito, já que a sua natureza é muito mais segura que qualquer outro sistema centralizado.

Veja também: Nova vulnerabilidade da Lightning Network é revelada

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin! Se inscreva em nossas redes sociais: