HomeInteresse em criptomoedas cai 16% em todo o mundo este ano com o mercado em baixa

Interesse em criptomoedas cai 16% em todo o mundo este ano com o mercado em baixa

Dan Ashmore, CFA

Principais conclusões

  • O interesse em criptomoedas, segundo dados do Google, é 16,6% menor este ano em comparação com a média mundial de 2021
  • A queda de preço do Bitcoin este ano é de 52,7%, enquanto demissões e liquidações também atingiram a indústria
  • A maior queda no interesse é da Holanda, com queda de 37%, seguida pela Irlanda e Nova Zelândia
  • A República Centro-Africana contraria a tendência, com o interesse subindo 592% após seu próprio governo anunciar que o Bitcoin seria uma moeda legal em abril
  • Outros países africanos – Marrocos e Quênia – são os próximos, com saltos impressionantes de 61% e 55% respectivamente no interesse em relação ao ano passado
  • O interesse em criptomoedas das nações em desenvolvimento se manteve mais firme do que o mundo desenvolvido, com muitos países aumentando este ano, apesar da desaceleração

O mercado de criptomoedas caiu drasticamente em 2022. O preço do Bitcoin – que não é estranho à volatilidade – está atualmente 52% abaixo do nível de US$ 47.700 em que foi negociado no dia do Ano Novo.

Mas não são apenas os preços que oscilaram. Vimos liquidações de grandes players à medida que o contágio se espalhava – principalmente com o colapso da antiga top 10 das principais moedas, Luna, e o espiral da morte de sua stablecoin UST em maio, mas também pedidos de falência para os credores de criptomoedas Celsius e Voyager Digital, só para citar alguns.

Infelizmente, as demissões também varreram a indústria. Ninguém mais conhecido do que a Coinbase, que demitiu 18% de sua equipe (1.110 funcionários), apenas alguns meses depois de gastar milhões em um anúncio do SuperBowl.

Então, estávamos curiosos – o interesse caiu em todo o mundo este ano em resposta à histeria do mercado em alta chegando ao fim? Em caso afirmativo, o interesse de quais países em criptomoedas caiu mais?

Interesse em criptomoedas cai significativamente em 2022

A queda no interesse em todo o mundo é de 16,6%, uma queda bastante acentuada. A pior nação é a Holanda, com uma queda impressionante de 37%, seguida pela Irlanda, com uma queda de 30%, e pela Nova Zelândia, com uma queda de 28%.

Notavelmente, os EUA são os próximos com uma queda de mais de 26% em comparação com o volume de pesquisa de 2021. Com os EUA ainda conduzindo uma parte tão grande dos volumes de mercado, isso simboliza o quão diferente o mercado está hoje em relação ao ano passado, contextualizando as demissões e o colapso de preços que vimos.

Curiosamente, os países mais resilientes em termos de interesse em criptomoedas são principalmente nações em desenvolvimento – Marrocos, Quênia, Sri Lanka, Nigéria e Colômbia, todos colocados entre os países onde o interesse realmente aumentou. Para Marrocos e Quênia, os dois países africanos registraram saltos de 61% e 55%, respectivamente.

O interesse no último mês caiu ainda mais

O mercado de urso realmente entrou em ação desde maio, quando o Terra faliu e, consequentemente, os últimos meses foram brutais. Ao analisar as quedas apenas em julho, em oposição a todo o ano de 2022, a queda é ainda pior. A média mundial mostra que há 63% menos pesquisas por criptomoeda este mês em comparação com a média de 2022.

Nova Zelândia, Espanha, Venezuela e, surpreendentemente, EUA e Canadá, estão entre os países com maior queda no interesse. As pesquisas nos EUA caíram 59%, com o Canadá logo atrás com 58%.

El Salvador

O presidente de El Salvador, Nayib Bukele, costuma twittar que seu governo está “comprando na queda” quando o Bitcoin está despencando. Parece que os cidadãos de seu país, onde o Bitcoin tem curso legal desde o ano passado, não são da mesma opinião.

De acordo com as tendências de pesquisa do Google, o interesse pelo Bitcoin caiu ainda mais em julho em El Salvador do que em qualquer outro país, em comparação com os números de 2021. Uma queda de alguma forma é esperada, dado que o aumento nas pesquisas foi inevitável quando Bukele o anunciou como moeda legal em 2021, no entanto, uma queda de 63% é preocupante e destaca tanto o efeito prejudicial do mercado em baixa quanto os desafios de integrar a população ao Bitcoin em El Salvador.

Tomando a imagem inteira, o interesse durante 2022 como um todo caiu 17,9% em comparação com 2021, o que não é tão gritante quanto a queda de 64% de julho – mas ainda é uma grande queda.

República Centro-Africana

Houve uma nação deixada de fora dos gráficos acima para fins de escala. E isso porque a República Centro-Africana explodiu esses números. O interesse em criptomoedas em 22 de julho aumentou 715% (592% em 2022 como um todo) em comparação com os números de 2021.

Isso, é claro, porque eles se tornaram a segunda nação a declarar o Bitcoin como moeda legal em abril. Mas não só isso, eles foram ainda mais longe – anunciando a tokenização dos ricos recursos do país (diamantes, urânio, petróleo) com uma criptomoeda recém-lançada “Sango Coin”.

No entanto, entre os países mais pobres do mundo, e com apenas 10% da população com acesso à Internet, se esta foi uma iniciativa prudente é uma história para outro dia.

Usamos cookies para personalizar conteúdos e anúncios, fornecer recursos de mídia social e oferecer a você uma experiência melhor. Ao continuar navegando no site, ou clicando em "OK, obrigado", você aceita o uso de cookies.