HomeEx-desenvolvedor Bitcoin vai testemunhar contra Craig Wright sobre roubo de 1 milhão de BTCs e falar sobre Satoshi Nakamoto

Ex-desenvolvedor Bitcoin vai testemunhar contra Craig Wright sobre roubo de 1 milhão de BTCs e falar sobre Satoshi Nakamoto

O ex-desenvolvedor do Bitcoin Core, fundador da Bloq e criador da criptomoeda Metronome, Jeff Garzik recebeu uma intimação exigindo que ele testemunhe no caso de Kleiman v. Wright sobre o suposto roubo de 1,1 milhão de BTC.

O tribunal ordenou que ele apresente quaisquer documentos que possam se relacionar ao caso, bem como forneça evidências (se houver) de que o matemático Dave Kleiman, que morreu em 2013, é o criador do Bitcoin, Satoshi Nakamoto. Garzyk também é obrigado a fornecer ao tribunal informações sobre mineração de Bitcoin no período de 1º de janeiro de 2009 a abril de 2013.

Vale destacar que Garzik foi obrigado a fornecer informações sobre organizações como Silk Road, Liberty ReserveMt.Gox e Prometheus Project. O tribunal também quer esclarecimentos sobre as conversas de Garzik com o especialista em criptografia Jan Kriegg, o chefe do Centro de Segurança Cibernética Estratégica Richard Zaluski e Roger Ver.

No ano passado Garzik declarou que Dave Kleiman realmente era Satoshi Nakamoto.

“O código Bitcoin foi escrito por alguém muito, muito inteligente, mas essa pessoa não tinha a abordagem clássica dos desenvolvedores de software. Eu pessoalmente acho que Dave Kleiman é Satoshi Nakamoto. Este é o estilo dele, ele foi autodidata”. 

Em fevereiro de 2018, Ira Kleiman, irmão do matemático, processou Craig Wright, acusando-o de se apropriar indevidamente de 1,1 milhão de Bitcoins, que supostamente pertenciam a Kleiman.

De acordo com o autor do processo Ira Kleiman, Wright roubou uma soma de 1,1 milhões de BTC, que pertencia ao seu falecido irmão, David Kleiman. A acusação alega que Wright identificou que os amigos e a família de Kleiman desconheciam a riqueza que o falecido acumulava.

A denúncia oficial afirma que Wright se aproveitou disso e “forjou uma série de contratos que pretendiam transferir ativos de David para Craig e/ou empresas controladas por ele. Craig forjou a assinatura de Dave”.

A acusação afirmar que, após a morte de David Kleiman em 26 de abril de 2013, Wright entrou em contato com Ira Kleiman e revelou que ele e David trabalharam juntos para desenvolver a Blockchain e o Bitcoin.

No entanto, David antes de morrer havia cancelado qualquer direito de bens ou propriedade intelectual em troca de uma participação não controladora e não operacional em uma empresa australiana. De acordo com a acusação, Wright afirmou que tal participação valia “milhões”. E informou a Ira Kleiman que ele poderia vender a participação em troca dos bitcoins poucos meses depois.

Mas era mentira, já que a empresa Australian Taxation Office (ATO) faliu após Wright persuadi-lo a transferir os bitcoins. No final de 2015, a polícia australiana invadiu a casa de Wright, o acusado fugiu para a Austrália.

Informações sobre o possível envolvimento do matemático na criação do Bitcoin apareceram pela primeira vez em 2015, quando a Gizmodo e Wired declararam que o empresário australiano Craig Wright de ser o possível fundador da primeira criptomoeda, Satoshi Nakamoto.

Os especialistas da WizSec analisaram as alegações de Kleiman e concluíram que nem Wright nem o matemático tinham mais chances de ter um número tão grande de bitcoins.

A história do envolvimento de ambos no desenvolvimento do Bitcoin, foi divulgada pelo próprio Craig Wright. Assim, no processo ela é recontada como verdade pura, mas na verdade Craig Wright é acusado de numerosas mentiras.

Na WizSec descobriu que a maioria dos endereços Bitcoin, que fazem parte das acusações de roubo, nunca pertenceu e não poderia pertencer ao empresário australiano.

Leia mais: 3 criptomoedas que podem torná-lo rico em 2019

Etiquetas:

Assine o nosso boletim informativo exclusivo!

E-mails personalizados

Sem SPAM

Notícias sobre alt coins

Cancele a inscrição quando quiser

Após a inscrição, de vez em quando, você também poderá receber nossas ofertas especiais por e-mail. Nunca iremos vender ou distribuir seus dados a terceiros. Consulte a nossa Política de Privacidade aqui.