Home“Criptomoedas são um milagre moderno onde governos e bancos não podem colocar a mão”, diz comissário da CFTC

“Criptomoedas são um milagre moderno onde governos e bancos não podem colocar a mão”, diz comissário da CFTC

Enquanto discursava na recente Cúpula da BFI na United Nations Plaza, em Nova York, o comissário da CFTC, Rostin Behnam, expressou sua crença de que as moedas virtuais serão integradas às práticas econômicas de todas as nações.

O Sr. Behnam afirmou que “as moedas virtuais podem se tornar parte das práticas econômicas de qualquer país, em qualquer lugar. Vou repetir: estas moedas não irão desaparecer e elas irão proliferar para todas as economias e todas as partes do planeta. Alguns lugares, pequenas economias, podem se tornar dependentes de ativos virtuais para sobrevivência. E essas moedas estarão fora dos intermediários monetários tradicionais, como governo, bancos, investidores, ministérios ou organizações internacionais”.

 

“Milagre moderno”

“Estamos testemunhando uma revolução tecnológica. Talvez estejamos testemunhando um milagre moderno”

Behnam prevê que as moedas virtuais acabarão com a corrupção financeira, mas também adverte que a “cleptocracia […] econômica” exerce influência excessiva sobre os mercados de criptomoedas, que as moedas virtuais podem se tornar um veículo para mais acumulação de capital para as elites financeiras.

“Criptomoedas podem trazer justiça social, igualidade e acabar com a fome”

Ele afirmou que:

“Um dos problemas frequentemente discutidos nos países em desenvolvimento é a corrupção. Eu sei que é um problema perene, levando-se em conta o trabalho dos Estados Unidos e virtualmente todas as organizações internacionais. Pode ser o maior impedimento para a justiça social, a igualdade, a fome, a resolução pacífica de conflitos e uma série de outros problemas […] Agora, com o advento dos ativos virtuais, a tecnologia pode fornecer uma solução. E a maior arma contra a corrupção pode ser o seu celular. Existem 6,8 bilhões de celulares no mundo, quase um para cada pessoa no planeta. A tecnologia poderia simplesmente ignorar a corrupção. Aqui está a nossa chance de colocar dinheiro diretamente nas mãos de quem precisa, sem suborno, dinheiro, enxertos e extorsões. Moedas virtuais podem transformar a paisagem econômica e social. Isso poderia significar uma mudança massiva e equitativa da riqueza. A tecnologia poderia ser transformadora, sem uma ocupação militar, guerra civil ou credo político ou religioso”.

“No entanto”, continuou ele, “as elites econômicas sabem disso tudo. Eles não estarão ociosos. Isto é o que quero dizer com um perigo poderoso. Se a cleptocracia controla a tecnologia e os meios de distribuição, eles simplesmente acumulam mais riqueza às custas de seus cidadãos, drenando riqueza em criptomoedas, em vez de dólares ou euros. Ativos virtuais podem ser um estrangulamento. Em outras palavras, a tecnologia pode ser uma arma contra o trabalho das Nações Unidas e outras que tentam aliviar a pobreza ou a violência. Os ativos virtuais se tornam um meio de controle mais profundo da riqueza e um meio de exploração”.

Criptomoedas fornecem serviços financeiros para populações desbancarizadas

O comissário da CFTC discute o potencial de criptomoedas para servir como um meio pelo qual as vastas populações que não têm acesso a serviços financeiros básicos podem alcançar maior autonomia econômica.

“Tradicionalmente, existe a necessidade de um intermediário de confiança – por exemplo, um banco ou outra instituição financeira – para servir como guardião de transações e muitas atividades econômicas. As moedas virtuais buscam substituir a necessidade de uma autoridade ou intermediário central com um mecanismo de consenso aberto, baseado em regras e descentralizado ”, disse o Sr. Behnam.

“O chamado ‘não bancarizado’ pode agora estar na rede virtual. E aqueles sem computadores, cerca de quatro bilhões de pessoas, poderiam ganhar uma conexão importante através de telefones celulares. E a discussão estendeu-se a microempréstimos, micro transações, maior transparência e maior inclusão financeira”, acrescentou.