HomeBanco Central Europeu: Stablecoins precisa de um quadro regulamentar robusto para abordar lacunas e riscos

Banco Central Europeu: Stablecoins precisa de um quadro regulamentar robusto para abordar lacunas e riscos

O Banco Central Europeu considera as stablecoins como instrumentos essenciais que podem ajudar os consumidores a atender à demanda nos serviços de pagamentos, mas deseja que os reguladores sejam proativos no tratamento de lacunas regulatórias que podem representar riscos.

O Banco Central Europeu (BCE) afirmou que as stablecoins globais se beneficiarão mais da clareza regulatória. Em seu último relatório sobre a criação e o uso de stablecoins, o banco reconhece os benefícios que esses ativos digitais têm para os consumidores, observando que as pessoas agora têm uma maneira de acessar serviços de pagamento em um ambiente “rápido, barato e fácil de usar”.

Embora a nova tecnologia tenha melhorado significativamente os sistemas de pagamento, os consumidores continuam a sofrer serviços lentos e caros dos prestadores de serviços financeiros herdados. Os consumidores querem melhor, incluindo acesso a transações sem fronteiras.

“As stablecoins prometem ajudar a atender a essa demanda não atendida por serviços de pagamento”, afirma o relatório do BCE.

Mas o regulador diz que é necessário ter muita mais clareza na regulamentação das stablecoins globais, uma vez que existe o potencial de lacunas que podem comprometer a proteção do consumidor.

Em seu desenvolvimento inicial, as stablecoins foram projetadas para uso dentro do ecossistema de criptografia no comércio. No entanto, elas evoluíram para incluir outras funções, incluindo a utilização como método de pagamento, ativo de reserva ou em transferências internacionais. Para os investidores, oscilações violentas nos ativos de criptografia podem dizimar as participações. A transferência de ativos para stablecoins oferece uma oportunidade para reduzir o impacto de uma enorme volatilidade de preços.

No entanto, as stablecoins são emitidas por várias entidades, lastreadas por uma variedade de fundos ou ativos e podem existir sob a jurisdição de diferentes autoridades reguladoras.

Estruturalmente, as stablecoins podem se enquadrar em vários marcos regulatórios da legislação da UE, observa o regulador. A função de gerenciamento do ativo pode ser qualificada como dinheiro eletrônico ou fundo de investimento, o último entrando em jogo se “os recursos forem investidos em ativos financeiros de risco diferente de zero”.

O design e o uso do ativo também podem significar que ele não se enquadra em nenhum dos quadros regulamentares existentes da UE.

Essas variadas circunstâncias podem obter lacunas regulatórias e significar que as moedas stablecoins globais podem representar riscos potenciais para detentores e usuários. O BCE quer um quadro regulamentar claro e robusto para lidar com essas eventualidades.

Segundo seu porta-voz, qualquer aprovação para uma stablecoin global como a Libra do Facebook poderia prejudicar esses riscos. Um exemplo é quando a stablecoin falha em manter sua peg ou não é “estável”. Os usuários provavelmente igualarão seu depósito ao valor da stablecoin e acreditam que devem poder convertê-lo, de novo, instantaneamente em moedas fiduciárias.

O relatório propõe assim:

“Para colher os benefícios potenciais das stablecoins globais, é necessário estabelecer uma estrutura reguladora robusta para lidar com esses riscos antes que tais acordos possam operar.”

Mas o BCE adverte contra o estabelecimento de estruturas e abordagens que poderiam levar as stablecoins a “um vazio regulamentar”.

O Facebook adiou o lançamento de sua stablecoin de Libra após um exame regulamentar, mas poderia ser uma stablecoin verdadeiramente global, pois já tem acesso potencial a mais de 2 bilhões de usuários.