Home17.000 usuários de arquivos extintos da troca QuadrigaCX reclamam US $300 milhões

17.000 usuários de arquivos extintos da troca QuadrigaCX reclamam US $300 milhões

maio 13, 2020 By Benson Toti

Dezenas de milhares de ex-usuários da QuadrigaCX apresentaram reclamações contra a agora extinta bolsa de criptografia. Advogado diz que qualquer disputa pode ter casos prolongados, como visto no Mt. Gox, que entrou em colapso em 2014

Martelo de juiz na pilha de euros
A troca de criptografia canadense, QuadrigaCX, entrou em falência em 2019 após a morte do fundador Gerald Cotten

O administrador do processo de falência da QuadrigaCX, Ernst & Young (EY), afirmou que cerca de 17.000 pessoas entraram com pedidos de reembolso de ativos da bolsa extinta.

O administrador disse que, nos últimos 12 meses, foram recebidas 16.959 reclamações, com pretendentes a recuperar parte de seu dinheiro em ativos que variam de Bitcoin (BTC), Ethereum (ETH), Litecoin (LTC).

Outros são os principais garfos BTC em Bitcoin cash (BCH), Bitcoin SV (BSV) e Bitcoin Gold (BTG). Os usuários também querem que o monitor indicado pelo tribunal os ajude a recuperar depósitos perdidos em dólares americanos e dólares canadenses (CAD).

De acordo com um documento publicado pela EY em 12 de maio, o valor total das reivindicações pode acabar entre US $167 milhões e US $300 milhões.

Os cálculos para o total de reivindicações levam em consideração as provas de que os usuários apresentaram pedidos até 6 de maio de 2020. A Ernst & Young havia fornecido aos usuários da bolsa de criptomoedas extintos até 31 de agosto para registrar reivindicações, mas afirmou no relatório que está aberto a novas reivindicações mesmo após o prazo.

A empresa disse que espera converter todos os fundos que teria que distribuir em CAD ou moedas equivalentes. No entanto, a empresa não declarou como a avaliação aconteceria.

As reivindicações do QuadrigaCX podem demorar

Embora a EY tenha recebido as reivindicações e possa avançar com rapidez para ajudar as vítimas, é provável que demore meses ou anos antes que os usuários comecem a receber pagamentos.

Falando no Consenso Distribuído da CoinDesk, o advogado de falências Evan Thomas apontou para o infame troca Bitcoin Mt. Gox, que faliu em 2014. Ele observou que o caso envolvendo a extinta bolsa de Tóquio arrastou-se para “seu sexto ano”.

De acordo com Thomas, uma das coisas que pode atrasar o processo está relacionada ao fato de a Agência de Receita Canadense (CRA) solicitar impostos não pagos. Qualquer batalha judicial entre os usuários e o órgão fiscal pode atrasar a distribuição dos ativos recuperados por qualquer tempo que seja necessário para resolver a disputa.

E como representante das vítimas do QuadrigaCX, o escritório de advocacia Miller Thomson apontou em uma carta escrita na terça-feira que a agência tributária canadense terá que registrar sua reclamação antes que qualquer dinheiro recuperado seja entregue aos ex-usuários do QuadrigaCX.

O CRA deve começar a auditar os livros da bolsa caída e espera-se que apresente uma reclamação por impostos não pagos.

Outro problema poderia surgir se um usuário ou grupo de usuários surgisse para contestar a distribuição com base em que o que eles recebem é menor do que o que o administrador diz que deveria receber. Como no caso acima, um longo conflito pode causar mais atrasos, acrescentou Thomas.

A QuadrigaCX entrou em falência em janeiro de 2019, depois que seu fundador e CEO Gerald Cotten, que supostamente detinha a custódia exclusiva das chaves privadas da bolsa, morreu de repente enquanto estava na Índia.

A EY assumiu como administrador no final de fevereiro. Na época, os usuários teriam perdido fundos – em criptografía – no valor de cerca de US $167 milhões aos preços então vigentes do BTC. Se a distribuição levar em consideração o preço do Bitcoin hoje, chegaria a cerca de US $300 milhões. A EY conseguiu recuperar cerca de US $30 milhões em ativos, principalmente de empresas de terceiros que realizaram negócios com a QuadrigaCX.

Tags: