Islândia aproveita o “boom” da mineração em suas terras para evoluir em áreas tecnológicas

0 Comentários

Depois de devorar quase a mesma energia que todos os lares da Islândia juntos, os mineradores de Bitcoin podem estar prestes a devolver algo para a comunidade que os abrigou.

A Islândia está olhando para além da moda das criptomoedas e para outros projetos que precisam do mesmo tipo de infraestrutura em que os minradores de Bitcoin. Estes incluem áreas como aplicações de aprendizagem profunda para carros autônomos ou tradutores automáticos.

O Bitcoin “provavelmente não estará aqui no futuro”, disse Johann Snorri Sigurbergsson, gerente de desenvolvimento de negócios da usina de energia HS Orka, na Islândia, que fornece eletricidade para os galpões de mineração. Mas os próprios centros de mineração se tornarão novas incubadoras de tecnologia e “essa é a aposta que estamos fazendo”, disse ele.

Mineração de Bitcoin requer muita energia, tanto para fazer a mineração real, mas também para resfriar os enormes computadores usados ​​para encontrar os códigos que liberam a oferta limitada de Bitcoin. A Islândia estima que a indústria consumirá mais de 100 megawatts até o final do ano.

Em um tweet, o poeta islandês e ex-candidato presidencial Andri Snaer Magnason comparou “mineração de criptomoedas” a “criptonita do Superman”. Ele acrescentou que “vilões malvados encontraram a maneira mais estúpida de desperdiçar energia”.

A ilha se tornou um ímã para a prática, uma vez que os mineradores descobriram que o lugar é muito frio e que a eletricidade lá – geotérmica e hidrelétrica – custa muito menos do que na maioria dos outros lugares.

A energia barata da Islândia já atraiu outras indústrias intensivas de energia, como a fundição de alumínio.

Memórias dolorosas

A Islândia é mais sensível do que a maioria ao risco de sustentar uma indústria que pode estar prestes a ser eliminada. Ainda tem lembranças dolorosas do colapso bancário de 2008, que levou a ilha aos braços do Fundo Monetário Internacional e resultou em controles de capital que acabaram de ser levantados.

O futuro do Bitcoin e outras criptomoedas está longe de ser claro. Depois de valorizar para quase US $ 19 mil no ano passado, caiu para menos de US $ 6 mil na semana passada.

Mas a Islândia também precisa diversificar sua economia para depender menos da pesca, do turismo e da fundição de alumínio. E dado que já está enfrentando escassez de trabalhadores, indústrias menos intensivas em mão-de-obra são bem-vindas, disse Kristrun Frostadottir, economista-chefe da Kvika banki hf. É aí que os centros de dados criados para permitir a mineração de Bitcoin poderiam desempenhar um papel fundamental.

Gisli Kr. Katrinarson, diretor comercial da maior operadora de data center da Islândia, a Advania Data Centers, diz que “desenvolveu um imenso conhecimento sobre as formas mais eficientes de operar e manter esses sistemas blockchain” e agora está usando esse conhecimento e experiência “para aumentar a qualidade de serviço para nossos clientes. ”

Para a Islândia, isso significa um caminho muito mais claro para colher os benefícios da era digital. Katrinarson diz que a Advania já está trabalhando com a Stanford University e a HP Enterprise na simulação de como um coração humano virtual pode responder a medicações experimentais.

“A quarta revolução está começando”, disse Asgeir Margeirsson, diretor executivo da usina HS Orka. “Seria terrível para nós, na Islândia, não seguir esse desenvolvimento. Se não participássemos no próximo desenvolvimento para o futuro, voltaríamos para trás. ”

Escreva um comentário

Investir é especulativo. Ao investir seu capital está em risco. Este site não se destina a uso em jurisdições em que a negociação ou os investimentos descritos são proibidos e só devem ser usados por essas pessoas e de maneiras que sejam legalmente permitidas. Seu investimento pode não se qualificar para a proteção do investidor em seu país ou estado de residência, portanto, conduza sua própria devida diligência. Este site é gratuito para você usar, mas podemos receber comissões das empresas que apresentamos neste site. Clique aqui para obter mais informações.