Governo de Washington recebe projeto de lei sugerindo proibição de compra de Maconha com moedas virtuais.

Imagem: reprodução

O Senado do Estado de Washington recentemente ouviu argumentos sobre o SB 5264, um projeto de lei para proibir o uso de moeda virtual na indústria de cannabis. Fundadores da Payqwick, que alguns chamam de “Paypal de Pot”, falou em prol da proibição. Os fundadores do serviço de ponto de venda Bitcoin Posabit, bem como um advogado da Perkins Coie, falaram contra a proibição da moeda virtual para as empresas de cannabis. 

O Bitcoin já está regulamentado

“Nós esperamos que o Departamento de Instituições Financeiras lidere essas negociações”, disse James Paribello, ligado a LCB. “A LCB têm negócios licenciados, [e] há empresas licenciadas por nós operando neste espaço e aceitando e transacionando através de moedas virtuais”.

Quando perguntado se o LCB tem preocupações sobre como a Posabit usa as moedas virtuais para pagamentos de cannabis, o LCB disse que não.

“Nós confiamos na [Divisão de Instituições Financeiras] que faz a regulamentação de quem pode entrar neste espaço e desde que a DFI disse que está tudo bem, estamos bem”, disse Paribello.

Membros do senado estavam claramente interessados ​​em aprender mais, não apenas sobre o Bitcoin, mas também sobre criptomoedas. “Quando eu leio sobre o Bitcoin no espaço internacional, fala-se sobre transações internacionais de drogas, economia negra, uma maneira de contornar os controles monetários, uma forma como o governo pode controlar as coisas e anonimato”, compartilhou o senador Michael Baumgartner. Durante a discussão, ele ouviu argumentos pro e contra seus conceitos.

Leia também  Site que propaga esquema fraudulento menciona nosso portal indevidamente

Posabit vs. Payqwick

“Não é que não gostamos do Bitcoin”, disse o presidente Kenneth Berke aos senadores. “Moedas virtuais certamente tem um uso em outras indústrias, mas nós pensamos que há um problema com relação a moedas virtuais em transações de maconha, por causa da falta de transparência”, disse Burke Presidente da Payqwick aos membros do senado. “Com moedas virtuais, não há rastreabilidade.”

Joseph Cutler advogado pela Perkins Coie disse: “Antes de regulamentar a moeda [nós] precisamos entender como funciona”, disse Cutler. “Quais são os benefícios? O que ela faz? Trata-se de um ledger de transações transparentes e auditáveis. Todas as transações feitas hoje são lançadas nesse ledger público. Essa idéia de que é intratável é simplesmente falsa. As pessoas dizem que o Bitcoin é anônimo, isso também é falso. Nós chamamos Bitcoin pseudônimo, que é melhor do que dinheiro. Na maconha, o dinheiro é rei, e não há rastreabilidade dos clientes por dinheiro gasto em lojas de maconha. Em moeda virtual, esse não é o caso.”

Leia também  Fundação de Bill Gates doa montante a Factom para criação de uma blockchain de registros médicos

O dinheiro é perigoso“, disse Ryan Hammond, fundador da Posabit. “É perigoso para segurar, perigoso para se mover, e você se torna um alvo de crimes potenciais. “A Posabit requer identificação, número de cartão de crédito, outros dados, e vende os clientes não mais do que US$ 150 de bitcoin por dia para as compras de maconha.

O Senado de Washington quer saber mais sobre o Bitcoin

O advogado da Perkins Coie sugeriu ao senado do estado de Washington uma sessão para discutir fatos sobre o Bitcoin. “Sim, acho que há muita curiosidade”, disse Baumgartner.

Segundo a Diretora de Licenciamento e Regulamentação da LCB, Becky Smith, a LCB relata que menos de 10% das empresas estaduais de cannabis pagam o estado em dinheiro.

Leia também  Japão: Adoção de Bitcoin cresce no distrito líder mundial de eletrônicos

O fato de que o Bitcoin poderia minimizar as quantias de dinheiro movimentadas pelo Estado de Washington em veículos blindados intrigou os membros do Senado de Washington.

Fonte: news.bitcoin.com
Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin

loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *