Exchange de moedas digitais, ShapeShift, levanta investimentos de mais de $10 milhões

A de troca de moedas digitais ShapeShift, levantou mais $10.4m em financiamentos do tipo “Series A”.

Liderada pelo , com sede em Berlim, a rodada incluiu participação da Lakestar, Blockchain Capital, Pantera Capital e Access Venture Partners, disse a empresa hoje. Os patrocinadores atuais da , incluindo o FundersClub, Digital Currency Group e Erik Voorhees (fundador e CEO da empresa) também participaram da rodada.

O novo capital será usado para expandir a equipe de engenharia do câmbio digital, um movimento que viria à frente de dois produtos relacionados à bolsa, que será lançado ainda este ano.

Em entrevista, Voorhees disse que muitos desses contratados viriam para a área de engenharia, tanto na preparação desses lançamentos, bem como um aumento antecipado do . De acordo com a ShapeShift, o da plataforma tem sido em média de 48% ao mês nos últimos três anos, tendo um volume de comércio mensal médio de cerca de 50.000 bitcoins ou mais de R$ 177 milhões de reais espalhados por 40  e .

Leia também  Opinião: Porque o Ethereum Classic pode "morrer"

Apesar de falar sobre a natureza exata dos futuros produtos da ShapeShift, Voorhees indicou que ambos eram novos tipos de câmbio, sendo um construído inteiramente em torno de contratos inteligentes.

Mais amplamente, Voorhees falou da visão clara do câmbio sobre a diversidade potencial de tokens de criptomoedas, que foi menos bem compreendida pela indústria em 2014.

Ele disse à CoinDesk:

“O que vimos quando começamos foi que os tokens se tornariam um fenômeno generalizado e acreditávamos que haveria tokens blockchain representando todo tipo de valor além da , o que se tornou cada vez mais verdadeiro, e é por isso que o intercâmbio friccional do ShapeShift é importante”.

Voorhees também disse que a política da ShapeShift de não manter quaisquer ativos do cliente ou outros detalhes ajudou a dar confiança de que o efeito de qualquer hacks ou outras violações seria mínimo.

“Levamos a proteção do consumidor para um novo nível, não colocando em risco-los em primeiro lugar”, disse ele. “No hack que sofremos há um ano, foi o primeiro canal de troca onde os clientes não estavam em risco nem em fundos ou informações pessoais”.

O financiamento coincide com um crescimento de interesse para as criptomoedas alternativas, com este mercado que experimenta um boom recente que alguns sugerem é um sinal que está se tornando em uma classe nova de ativos.

Leia também  Bitwage libera IBANs únicos para usuários da União Europeia

Via: Coindesk
Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *