Criptomoedas estatais “Uma questão de tempo”

0 Comentários

A comunidade global de criptomoedas e blockchain fica ofendida pela mera menção de uma centralizada. Pode parecer loucura, mas é certamente algo que pode se tornar realidade.

Ser capaz de usar criptomoedas como o Bitcoin para pagamentos diários tem sido o objetivo de muitas startups em todo o mundo. O problema é que o Bitcoin e outras criptomoedas ainda não são “estáveis” o suficiente para serem usadas como uma moeda viável para pagamentos diários ou compras. Com o Bitcoin flutuando descontroladamente entre US $ 7.000 e US $ 12.000 nos últimos meses e chegando ocasionalmente a US $ 20K ou caindo abaixo de US $ 10K em 2017/18, variações de preço desta magnitude não podem ser facilmente absorvidas pelo consumidor médio.

Transferido para o mundo real, comprar uma xícara de café com Bitcoin significaria um enorme lucro ou uma grande perda para o fornecedor, dependendo da hora e do minuto do dia. Para todas as intenções e finalidades, o Bitcoin (ou o Bitcoin Cash) e a maioria das outras criptomoedas não poderiam ser usadas como ‘ real’ por causa da instabilidade e característica ‘numérica’ de vários dígitos das criptomoedas.

Em termos simples, se uma xícara normal de café em Nova York custa cerca de US $ 2, como isso seria convertido em Bitcoin? No preço atual do Bitcoin de cerca de US $ 9.000 (valor arredondado em 22/04/18), o vendedor de café teria que cobrar BTC 0.00025 por xícara, e esse preço mudaria a cada minuto. Ao usar um cartão de crédito para pagar em Bitcoin, o cálculo do preço variável seria automático, no entanto, o fornecedor teria que ajustar o preço do sua xícara de café, bem como a exibição do preço continuamente. Para os consumidores, os preços por trás da vírgula são muito incomuns, para dizer o mínimo, e também não é fácil lembrar o custo de qualquer item. As pessoas estão acostumadas a contar em reais e centavos, centavos e dólares, libras e centavos, centavos e euros ou qualquer outra moeda que seja usada.

Os consumidores também usam uma moeda como medida de valor, por exemplo, quando compram alimentos ou bens de consumo e, portanto, essa moeda funciona como uma unidade de conta. É por isso que é mais fácil exibir os preços em vários dígitos antes de uma vírgula e apenas dois dígitos atrás.

Inversamente, seria realmente muito estranho e desajeitado se uma xícara de café fosse cobrada, por exemplo, a um preço de R$ 2.14986, e só pudesse ser paga em dinheiro com 2 reais e 15 centavos de dinheiro físico real (arredondamento acima). Atualmente, o Bitcoin e quase todas as outras criptomoedas não têm a estabilidade e os atributos fundamentais das moedas emitidas pelo governo e, como tal, ainda não são uma alternativa viável ao dinheiro real emitido pelos bancos centrais.

No entanto, algumas moedas criptografadas apoiadas por ativos, como ( Gold) e DGD ( Digix ) não só sobreviveram, mas superaram o “mini-crash” do mercado de criptografia de janeiro de 2018 e a atual tendência de queda.

Isso estimulou a corrida atual das ICOs para desenvolver moedas digitais ou tokens, dos quais os mais promissores parecem ser , e , que pretendem emitir “moedas estáveis” que são, como o nome indica, estáveis ​​o suficiente para serem usadas como moeda para transações diárias e compras diárias em criptomoedas por meio de uma rede de pagamentos descentralizada.

Leia também  Parabéns Satoshi! 9 anos atrás, no dia 31 de outubro de 2008, nascia o Bitcoin

Uma moeda estável, o santo graal da criptomoeda, será uma moeda digital atrelada a outro ativo estável, como o ouro ou o dólar americano. Uma moeda que seja global, mas não esteja vinculada a um banco central e tenha baixa volatilidade. Isso permite o uso prático da criptomoeda, para o pagamento de coisas todos os dias.

O desenvolvimento de moedas emitidas pelo estado ou de moedas digitais pode ser muito benéfico para as criptomoedas e para todo o “mercado de criptomoedas” que a acompanha.

Dinheiro Virtual vs. Dinheiro Real

“Todo dinheiro é uma ilusão.” – Sr. Jon Matonis

Em 2012, o Banco Central Europeu definiu uma moeda virtual como um “tipo de moeda digital não regulada que é emitida e geralmente controlada por seus desenvolvedores, usada e aceita entre os membros de uma comunidade virtual específica”.

O Departamento do Tesouro dos EUA definiu-o como um “meio de troca que opera como moeda em alguns ambientes, mas não possui todos os atributos da moeda real”.

Ainda não há uma definição exata de moedas virtuais, mas uma coisa é certa, elas ainda não são legalizadas na maioria dos países do mundo, com exceção do Japão e da Austrália que adotaram leis para tornar as criptomoedas legalizadas.

E até mesmo a atual definição de “moeda legal” está sendo disputada, com o novo termo “permissivo” sendo apresentado como a definição alternativa correta.

Levará tempo e provavelmente tomadas de decisão de alto nível na ONU, FMI e Banco Mundial para chegar a um acordo sobre uma definição unificada e globalmente aceita, bem como sobre o status legal das criptomoedas.

Bancos Centrais e Dinheiro Eletrônico

A principal diferença entre moeda fiduciária, dinheiro eletrônico e criptomoedas é o controle do governo e do banco central.

Enquanto as criptomoedas são digitais e sem fronteiras, as moedas nacionais, na forma digital ou física – são controladas e confinadas dentro das próprias fronteiras do país e, como tal, são controladas pelo seu governo e banco central (uniões econômicas e monetárias como o euro e o leste). Dólar do Caribe são alguns exemplos da isenção, no entanto estes também são controlados por um banco central, com o último sendo atrelados ao dólar dos EUA desde 1976).

Isso dá a como os Estados Unidos grande poder e influência, porque o poderoso dólar americano é usado em mais da metade de todas as transações financeiras globais (o número escuro de transações ilegais ou criminosas é desconhecido) e cerca de três vezes a moeda de reserva por estrangeiros, bancos centrais e instituições financeiras (estima-se que 64% de todas as reservas cambiais conhecidas).

O economista Paul Samuelson e outros (incluindo Milton Friedman antes de sua morte) argumentaram que a demanda externa por dólares permite que os Estados Unidos mantenham déficits comerciais persistentes sem fazer com que o valor da moeda se desvalorize ou o fluxo de comércio se reajuste. Mas Samuelson afirmou em 2005 que, em algum período no futuro, essas pressões precipitariam uma corrida contra o dólar americano, com sérias consequências financeiras globais.

Leia também  Preço do Ether (ETH) continua em queda por mais de 7 meses

Então, o controle do banco central é melhor, e mais seguro para a economia global, do que uma criptomoeda controlada por peer-to-peer?

Muitos economistas, argumentando que existem benefícios e riscos em ambos os lados da equação. Uma moeda nacional estável controlada por um governo e um banco central é boa para o comércio, o comércio e a economia em geral, enquanto outros argumentam que as criptomoedas logo substituirão a moeda fiduciária em todo o mundo.

Outra questão é a conversibilidade, os usuários do Bitcoin tendem a não admitir, mas todos ainda “contam” suas criptomoedas em moeda fiduciária.

Isso ocorre porque a fiat, isto é, ‘dinheiro real’, paga pelas necessidades e exigências diárias. É tangível, pode ser facilmente transportado ou transferido eletronicamente e é conveniente pagar por compras no dia a dia.

Criptomoedas, por comparação, podem ser vulneráveis ​​a hackers (no entanto isso ainda não aconteceu) ou não acessíveis por um determinado período de tempo em caso de ataque cibernético, falta de energia ou falhas em linhas de comunicação (internet, celular, telefone fixo).

Hackear até agora aconteceu apenas em exchanges vulneráveis ​​que foram atingidas por ataques hackers e roubo. Outros hacks e roubos certamente acontecerão – é apenas uma questão de tempo.

SDC – Moeda Digital Soberana

O conceito de criptomoeda emitido por um governo está sendo considerado em muitos países ao redor do mundo, especialmente no Japão, Rússia e Estônia. Até mesmo bancos e instituições financeiras em todo o mundo planejam lançar moedas próprias. ‘ J-coin’ ‘é uma nova moeda digital nacional sendo lançada por um consórcio de bancos japoneses, liderado pelo Mizuho Financial Group e Japan Post Bank, com o lançamento para coincidir com os Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. A Estônia também está planejando lançar sua própria criptomoeda apoiada pelo governo chamada ‘Estcoin’ através de uma oferta de moeda inicial (, Initial Coin Offering).

A Suécia é o mais progressista em seu objetivo de se tornar o primeiro país sem dinheiro no mundo. Já agora, mais de 90% dos pagamentos são digitais, usando um cartão de crédito ou cartões bancários. Em muitas lojas em toda a Suécia, há até mesmo placas mostrando “No Cash”, que é algo comum para os suecos, mas geralmente uma grande surpresa para os turistas que visitam.

O “Riksbank” (Banco Central da Suécia) está planejando emitir uma moeda eletrônica chamada “E-krona”, que “não é para substituir dinheiro, mas para agir como um complemento a ele”. A política monetária e a estabilidade financeira são questões fundamentais que ainda estão sendo examinadas pelo governo sueco e pelo banco central, além de um complemento digital ao dinheiro garantido pelo Estado.

Neste ponto, há uma diferença distinta entre dinheiro eletrônico e dinheiro digital emitido por um estado soberano. O primeiro é um ‘complemento digital’ para o dinheiro, enquanto o dinheiro digital, como uma moeda soberana, é um dinheiro digital que, com toda a probabilidade, será emitido e baseado na tecnologia blockchain.

Leia também  CFTC: Tether e Bitfinex são intimadas a darem explicações

Neste contexto, o termo ‘soberano’ é usado em vez de ‘nacional’ porque no caso hipotético da decisão da UE e do BCE emitir um euro digital, seria um acordo e consenso entre 27 governos nacionais.

Enquanto isso, a Tether anunciou o lançamento de um clone ‘Euro-coin’ que é chamado de EURT e pode ser negociado e transferido usando blockchain Bitcoin e indexado em 1 para 1 para a moeda Euro.

A Rússia tem sido preventiva nessa empreitada e, embora o presidente russo, Vladimir Putin, tenha clamado por uma proibição total de todas as criptomoedas dentro da Rússia, ele anunciou oficialmente que a Rússia emitirá seu próprio “CryptoRuble” que não pode ser minerado e será emitido. e controlado pelas autoridades russas.

Uma vez emitida, o CryptoRuble será trocada por Rubles reais, no entanto, se o titular não pode explicar a origem ou origem de seus depósitos CryptoRuble, um imposto de 13% será cobrado.

Apenas recentemente, o presidente Putin decidiu um cronograma para a legislação sobre as criptomoedas, afirmando:

“Esta é a prerrogativa do banco central no presente e o banco central tem autoridade suficiente até agora. No entanto, em termos gerais, a regulamentação legislativa será definitivamente necessária no futuro… Sabe-se que a criptomoeda não é apoiada por nada. Não pode ser uma reserva de valor. Nenhum valor material está por trás delas e não é garantido por nada, pode ser um meio de liquidação até certo ponto e em certas situações, de maneira rápida e eficiente ”.

Em todo o mundo, economistas, banqueiros, líderes empresariais, figuras políticas, governos, autoridades financeiras e bancos centrais estão debatendo e pensando em como classificar e regular as criptomoedas, ou até mesmo bani-las completamente.

Tal como acontece com o advento de qualquer nova tecnologia, há sempre os céticos, críticos que preferem o status quo. O Bitcoin levou quase dez anos para se tornar popular e agora quase 1.600 criptomoedas foram criadas e são comercializadas em bolsas de criptomoedas em todo o mundo.

De acordo com os números mais recentes (22/04/18) fornecidos pela CoinMarketCap, o valor de mercado atual das criptomoedas é de impressionantes US $ 389 bilhões, dos quais o Bitcoin tem uma participação de mercado dominante de 38.6% – com o restante dividido por 1.577 moedas criptográficas negociadas em 10.288 mercados em todo o mundo, com um volume diário de US $ 19 bilhões.

Não há mais dúvida de que as criptos alcançaram a aceitação popular e estão aqui para ficar, e é apenas uma questão de tempo até que governos e bancos centrais emitam suas próprias criptomoedas na forma de Moedas Digitais Soberanas que são legais, estáveis ​​e apoiadas pelo Estado emissor ou da União (como a UE).

Os governos que são digitalmente deficientes serão deixados para trás em um sistema monetário global que, num futuro próximo, trocará valor digital com base na tecnologia blockchain e Internet 3.0 – The Internet of Value.

Guia do Bitcoin

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin!
Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: https://guiadobitcoin.com.br/feed/

[jetpack_subscription_form title=”Bitcoins no seu e-mail” subscribe_text=”Digite o seu e-mail” subscribe_button=”Quero receber” show_subscribers_total=”1″]