CEO da Shapeshift diz que coleta de IDs de usuários foi “atitude proativa”

0 Comentários

Numa decisão controversa, a passou a exigir a identidade dos usuários, significando um passo “proativo” para reduzir riscos legais, na visão de seu CEO e Fundador, Erik Vorhees.

Em comentários feitos durante o fim de semana, sobre a medida em questão, Voorhees provocou reações críticas à decisão, até em razão de não ter sido visto anteriormente medida nesse sentido, o que contraria as políticas postas em prática na comunidade de criptomoedas.

Alguns analistas especulam a mudança na Shapeshift para essa medida de exigir filiação identificada como sendo resultado de possível determinação de autoridades regulatórias, o que fica evidenciado por um próprio tweet recente de Vorhees no qual ele descreve o novo sistema de ID dos usuários como algo que ele estava “construindo sob coação”.

Leia também  Entenda mais sobre a plataforma Ethereum e Smartcontracts. O que pode-se esperar para o futuro?

Mas Voorhees, um defensor libertário dos direitos de e um crítico das regulamentações denominadas know-your-clients (KYC), afirmou que o “KYC não estava adicionado no site como um incremento operacional, mas sim como um passo pró-ativo considerando as incertezas e as mudanças nas regulamentações globais.”

Ele acrescentou:

“Foi uma decisão estratégica, pois acreditamos que o risco de não fazê-lo seria grande demais.”

Voorhees disse que a empresa gastou “meses de trabalho e mais de um milhão de dólares de custos legais apenas com esse assunto. “Isso é dinheiro e tempo que teria sido melhor gasto construindo coisas para proteger e atender os clientes. ”

Enquanto seus comentários confirmam que as considerações regulatórias foram um fator determinante na decisão de tornar as identidades de conta obrigatórias, Voorhees enquadrou a questão como uma adição posterior a um programa originalmente desenvolvido como um recurso opcional.

Leia também  Manipulação? Relatório mostra relação entre emissão de Tether (USDT) e alta do Bitcoin

“O KYC estava, assim, atrelado à plataforma de filiação de membros e, embora os recursos opcionais de associação e conta sejam certamente desejáveis ​​por muitos de nossos clientes, não há ninguém (incluindo nós) que deseje um KYC obrigatório”, disse ele.

“Continuamos comprometidos”

Essa afirmação ocorreu em uma troca de tweets após Voorhees publicar um post no blog há algumas semanas detalhando o modelo de filiação como uma forma de oferecer vantagens especiais para os usuários mais leais. Críticos disseram que com isso ele comprometeu os princípios de privacidade da Exchange.

Mas o CEO da ShapeShift reiterou que fez a mudança com a máxima relutância, sendo um declarado oponente da vigilância governamental em assuntos monetários.

“Continuamos comprometidos com a luta pela privacidade financeira e soberania para todas as pessoas, e continuaremos sendo enfáticos como nós ainda somos em relação a isso”, disse ele.

“O status quo é invadir a privacidade de milhões de pessoas inocentes, a fim de diminuir potencialmente o risco de alguns usuários maliciosos. Nós pensamos isto um tanto injusto e ineficaz”, Voorhees disse, finalizando:

“Em última análise, o ShapeShift é uma entidade corporativa e temos que cumprir as leis de todo o mundo”.

Guia do Bitcoin

Leia também  HardFork Ethereum: Você conhece o EtherZero?