Banco Central da Coreia do Sul diz que o Bitcoin e moedas tradicionais podem coexistir

O Banco da Coréia do Sul junta-se à crescente lista de bancos centrais que pesquisam moedas virtuais como o bitcoin. O banco sul-coreano acaba de publicar um documento de pesquisa que compara as criptomoedas com as tradicionais moedas fiduciárias emitidas pelos governos.

Banco Central da Coreia do Sul investiga a relação entre a Bitcoin e a moeda corrente

Pesquisadores da Universidade Hongik de Seul e membros do Bank of Korea (BOK) divulgaram um documento chamado “Crowding out in a Dual Currency Regime”. O artigo escrito por Kihoon Hong, Kyounghoon Park e Jongmin Yu detalha como as criptomoedas e os sistemas monetários fiat Poderiam colaborar no futuro no que os autores chamam de “regime de moeda dual”.

O aumento das criptomoedas poderia ter um impacto significativo no nosso sistema monetário, uma vez que são moedas emitidas por particulares, não sendo assim reguladas pelos bancos centrais”, explicam os autores do estudo BOK.

“O recente surgimento da moeda digital abre um novo tipo de regime de moeda dupla em que moeda digital, que não tem valor intrínseco e uma moeda fiduciária emitida pelo governo coexistem. Um dos exemplos bem conhecidos de moedas digitais de emissão privada é o Bitcoin.”

O Regime de Duas Moedas

Em essência, o relatório afirma que os sistemas fiat tradicionais podem coexistir com moedas digitais privadas como o bitcoin. O artigo relata que a relação entre o uso da moeda fiduciária e a demanda por moeda digital pode mudar com as variações de custo.

“Os altos custos de uso de moeda fiduciária aumentam a demanda por moeda digital”, detalha o documento de pesquisa do BOK. “Da mesma forma, os altos custos de uso da moeda digital em relação à moeda fiduciária aumentam a demanda por moeda fiduciária. Em um mundo de moedas imperfeitas com custos incertos associados ao uso de uma moeda, é improvável que os custos relativos do uso da moeda digital sejam baixos o suficiente para expulsar e, conseqüentemente, afastar totalmente a moeda fiduciária”.

Nossos resultados sugerem que o limiar de igualar a demanda por moeda fiduciária com a moeda digital permitirá a coexistência de ambas as moedas.

Leia também  Relatório da União Européia diz que uso de criptomoedas pelo crime organizado é "raro"

Interesse em Criptomoedas continua crescendo na Coréia do Sul

O Bitcoin fez um impacto significativo na Coréia do Sul já que o país alcança o quinto maior volume de negociação de  bitcoin em todo o mundo. Em novembro passado, a Korea Exchange lançou seu Korea Startup Market (KSM) baseado em blocos, enquanto a Korean Financial Services Commission (FSC) falou sobre a regulamentação do bitcoin neste ano.

O mais recente trabalho de pesquisa do BOK revela que as autoridades do país estão muito interessadas em criptomoedas. Os autores afirmam que esperam que a pesquisa oferecida ajude as autoridades sul-coreanas e os reguladores a entenderem a nova tecnologia. Pesquisas futuras podem teoricamente e empiricamente observar o impacto das moedas digitais e da economia sul-coreana. Paralelamente a isso, os pesquisadores do banco central dizem que podem trabalhar em um documento que abrange três tipos de moedas coexistentes em um futuro próximo.

“Além disso, podemos tentar estender nosso modelo a um regime de moeda tripla com moedas digitais de emissão privada, moedas digitais emitidas pelo banco central e moeda fiduciária”, conclui o documento.


Siga nosso canal no Telegram e receba notícias e dicas sobre o Bitcoin: http://telegram.me/guiadobitcoin

Leia também  Traders de Bitcoin da China estão perdendo a confiança nos preços das exchanges e P2P cresce

Posts relacionados

loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *