Bitmain lança pool de mineração open-source e melhora estabilidade da rede Bitcoin

Como se executar a terceira maior de do mundo não fosse suficiente, com sede na China, a Bitmain anunciou o lançamento da sua segunda pool de mineração ontem.

Ao contrário das outras grandes pools (piscinas) mineradoras, no entanto, a nova oferta (lançada através de sua subsidiária BTC.com) será de código aberto para a sua comunidade de usuários. De acordo com a Bitmain, a pool não se entende como um substituto para a sua plataforma Antpool popular (que tem cerca de 13% da quota de da rede), mas sim para melhorar a estabilidade da rede bitcoin.

Em entrevista, Nisthant Sharma, gerente de marketing internacional da Bitmain, explicou que o objetivo é usar este software para “promover a descentralização da rede de mineração bitcoin“.

Leia também  Um novo hardfork na rede Ethereum está na iminência de acontecer

Sharma disse:

“Esperamos que esta nova piscina de mineração vai definir novos padrões em termos de estabilidade, eficiência e serviço para todos os pools de mineração.”

, ,

Um foco importante para o software é sobre a redução das “orphans rates”, uma métrica que tem um impacto significativo na rentabilidade do minerador.

Na mineração bitcoin, não é incomum para dois mineradores distintos encontrarem o mesmo bloco, quase ao mesmo tempo. Isto resulta na criação de dois blockchains, mas apenas um pode tornar-se a cadeia mais longa, em que é aceito como oficial pela rede.

O que é eliminada é chamado de órfão, e cada vez que um ocorrer, algum membro da rede mineradora perde a receita que viria de reconhecimento oficial.

Leia também  Trading: 5 regras de ouro para lucrar no Mercado Bitcoin

De acordo com o fornecedor de análise Blockchain, não é raro para que haja de três a cinco blocos de órfãos em qualquer semana. Embora este seja apenas 0,5% do total de blocos produzidos a cada sete dias, a mineração bitcoin tornou-se um negócio de margem baixa.

Para combater isso, uma das principais características associadas com as Pools é uma função chamada “PoolWatcher“.

Como a Bitmain explica, esta busca por sinais de que outra piscina encontrou um bloco. Ao invés de continuar a minerar em um órfão potencial, o minerador irá mudar imediatamente para um novo bloco.

Sharma explicou que a Bitmain está girando clusters de servidores em todo o mundo para ajudar com a latência de novas descobertas de blocos. Se outro minerador encontra um bloco, esses aglomerados irão transmitir os dados mais rapidamente, permitindo a pool mudar para o próximo bloco.

Leia também  Concurso dará 50 mil dólares a quem criar um aplicativo revolucionário para Blockchain

Embora o software seja open-source, apenas os utilizadores da piscina BTC.com terá acesso a estes clusters de servidor, disse Sharma.

Via: Coindesk
Adaptação e Tradução: Guia do Bitcoin

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *