Vice-Diretor do FMI: Bancos Centrais precisam competir com as Criptomoedas

0 Comentários

Um vice-diretor do Departamento de Mercado Monetário e de Capitais do Fundo Monetário Internacional acredita que os bancos centrais precisam oferecer moedas fiduciárias “melhores” para se defender de qualquer concorrência potencial de moedas criptografadas.

As sugestões vieram em um artigo publicado quinta-feira, escrito pelo vice-diretor Dong He. Nesse artigo – que ostenta o slogan “Os ativos criptográficos podem um dia reduzir a demanda por dinheiro do banco central” – Ele argumenta que os bancos centrais podem querer considerar a adoção de alguns conceitos para “impedir a pressão competitiva dos ativos de digitais”

É uma declaração notável e que ecoa comentários anteriores de He bem como outros funcionários do FMI, incluindo a diretora Christine Lagarde. De fato, Lagarde, em março, disse durante um evento que os reguladores deveriam implantar alguns elementos da tecnologia para “combater fogo com fogo”.

Seu argumento no último artigo baseia-se na possibilidade de que, se moedas digitais e ativos de criptos sofrerem uma adoção mais ampla, há uma chance de os bancos centrais perderem sua capacidade de influenciar a economia por meio de táticas como mudanças na taxa de juros.

O vice-diretor sugeriu que o aperto na regulamentação poderia impulsionar os bancos centrais.

“as autoridades governamentais devem regulamentar o uso de ativos criptográficos para evitar a arbitragem regulatória e qualquer vantagem competitiva injusta que os ativos criptográficos podem derivar de uma regulamentação mais leve”, escreveu ele. “Isso significa aplicar rigorosamente medidas para impedir a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo, fortalecendo a proteção do consumidor e tributando efetivamente as transações de criptomoedas.”

Ele também apontou para a ideia de os bancos centrais criarem seus próprios ativos digitalizados que poderiam ser trocados de maneira peer-to-peer.

“Por exemplo, eles poderiam tornar o dinheiro do banco central amigável ao usuário no mundo digital, emitindo fichas digitais próprias para complementar dinheiro físico e reservas bancárias. Essa moeda digital do banco central poderia ser trocada, peer to peer de maneira descentralizada, como ativos criptográficos são”, o artigo passou a dizer.

É uma ideia que vários bancos centrais estão pesquisando, embora as opiniões divergem quanto à eficácia de tais propostas. Apenas nesta semana, por exemplo, um funcionário da Autoridade Monetária de Hong Kong (o banco central da região) disse que atualmente não tem planos para o lançamento de uma moeda digital, apesar de suas pesquisas na área.

Escreva um comentário

Investir é especulativo. Ao investir seu capital está em risco. Este site não se destina a uso em jurisdições em que a negociação ou os investimentos descritos são proibidos e só devem ser usados por essas pessoas e de maneiras que sejam legalmente permitidas. Seu investimento pode não se qualificar para a proteção do investidor em seu país ou estado de residência, portanto, conduza sua própria devida diligência. Este site é gratuito para você usar, mas podemos receber comissões das empresas que apresentamos neste site. Clique aqui para obter mais informações.