Utilizando tecnologia descentralizada para comercializar excesso de energia

0 Comentários

Diante de uma população global em crescimento e também diante de uma modernização em ritmo cada vez maior, empresas, governos e outros líderes de opinião continuam trabalhando na implementação de soluções para nossos crescentes problemas de energia. Enquanto fontes alternativas de energia renovável continuam a ser desenvolvidas e refinadas, o setor energético atual também precisa considerar formas de aumentar a eficiência de nossos sistemas de energia mais tradicionais.

Essas preocupações, apesar de estarem sob uma perspectiva de emissões de carbono, também estão sendo proclamadas por um grupo crescente de proprietários de casas “verdes” motivados, que buscam uma solução que ajude não apenas o planeta, mas também suas próprias contas de energia. Tradicionalmente, o fluxo de energia entre os usuários finais e seus fornecedores de serviços públicos tem sido muito unidirecional: dos produtores de energia aos consumidores. No entanto, com as pessoas começando a instalar painéis solares no telhado, essas casas agora podem enviar o excesso de energia para as empresas de serviços públicos e reduzir suas contas. Embora este seja um primeiro passo importante, está muito longe de criar um sistema verdadeiramente eficiente para a transferência bidirecional de energia em nossas redes elétricas. Em vez disso, outra ideia vem ganhando força – a perspectiva de pessoas negociando entre si.

Este conceito de troca de energia par-a-par (p2p) entre os usuários finais não é novo, mas há muitas barreiras regulatórias que impediram que essa ideia decolasse no passado. Nos Estados Unidos, por exemplo, a regulamentação do National Electricity Market (NEM) exige que qualquer fornecedor de energia tenha um gerador com mais de 5 megawatts; o equivalente a 5.000 sistemas com painéis solares de 5kW ou um investimento de US $ 50 milhões. Considerando que isso está completamente fora do alcance de uma pessoa comum, esses regulamentos criaram uma barreira para a entrada de proprietários com aspirações P2P. Felizmente para eles, o crescimento de tecnologias descentralizadas já começou a mudar radicalmente esse panorama.

Uma solução alimentada por blockchain

A tecnologia Blockchain tem se tornado cada vez mais popular nos últimos anos com o surgimento de criptomoedas como o Bitcoin. A ideia é que esse tipo de tecnologia descentralizada, quando aplicada ao setor de energia, pode permitir que as pessoas troquem energia entre si livremente através de uma vasta rede de usuários finais sem passar por intermediários. Os provedores de energia podem levantar capital emitindo seus próprios tokens de energia que representam uma determinada unidade de energia, e os investidores podem consumir esses tokens para suas próprias necessidades ou revendê-los no futuro se tiverem excesso. Isso promete acelerar rapidamente as transações, bem como reduzir os custos por meio de um processo p2p sem intermediários. Esse tipo de negociação com o usuário final torna-se possível devido à capacidade de pré-programar “contratos inteligentes” que acionam essas transações automaticamente, permitindo que os produtores de energia mesmo em pequena escala devolvam sua energia excedente a outras pessoas. Uma vez que os compradores e vendedores tenham correspondido graças a esses algoritmos baseados em blockchain, o contrato inteligente é executado automaticamente sem a possibilidade de interferência.

Os entusiastas do Blockchain estariam ansiosos para salientar que a facilitação de uma rede de comércio P2P mal arranha a superfície do que pode ser conseguido com blockchain. Algumas ideias alternativas que estão sendo exploradas incluem a autenticação de renováveis ​​em seu ponto de origem, a manutenção de padrões de certificação ou a manutenção de registros descentralizados de licenças de emissão. No entanto, apesar do potencial de melhoria, o setor de energia tem sido lento em perceber o potencial de inovação do blockchain, ao contrário de outros setores (como o mercado financeiro, que já saltou em vários projetos de criptografia). No nível do solo, no entanto, há uma demanda crescente por essas soluções como alternativas ao atual paradigma de poder.

O Marketplace budding

Pesquisas de interesse público para negociação p2p

Os numerosos projetos de criptomoedas que pretendem revolucionar esse espaço são amplamente apoiados por um crescente interesse público na área. Durante a conferência Business of Blockchain organizada pelo MIT Technology Review, a empresa de consultoria de tecnologia Accenture disse que 69% dos consumidores pesquisados ​​manifestaram interesse em ter um mercado de negociação de energia p2p, com 47% declarando que estavam dispostos a assinar para projetos solares comunitários. Em toda a América do Norte, Europa e Austrália, a demanda por fontes de energia “verdes” e “locais” em uma base comunitária ou municipal tem aumentado vertiginosamente, facilitando a evolução de vários projetos.

A Micro-rede do Brooklyn

Em vez de desenvolver uma plataforma universal de larga escala que conectaria centenas de milhares, senão milhões de usuários finais, alguns teorizam que seria mais fácil implementar uma série de micro-redes, locais independentes que conectassem as comunidades regionais residentes no que seria um sistema menor, mas mais fácil de implementar.

Uma empresa, a LO3 Energy, está trabalhando no desenvolvimento de uma solução baseada nesse princípio. Tendo lançado seu projeto experimental, chamado Microgrid do Brooklyn, em 2017, essa rede de mini-serviços públicos conectava pessoas que tinham painéis solares nos telhados com vizinhos interessados ​​em comprar energia verde gerada localmente. Como outras micro-redes, este sistema opera independentemente da rede tradicional de energia. Os participantes instalariam medidores inteligentes que rastreiam a quantidade de energia que eles geram/consomem e, por meio de tecnologia de contrato inteligente, distribuem automaticamente o excesso de energia em uma transação de vizinho para vizinho, tudo a partir de um toque de um aplicativo móvel.

“Blockchain é um protocolo de comunicação realmente bom para o que queremos fazer”, disse o fundador da Lawrence Orsini LO3. “Isso não é apenas sobre a liquidação de contas de energia. É sobre auto-organização na borda da rede, o que não pode ser feito com bancos de dados normais.”

Embora a Microgrid do Brooklyn consista apenas em 50 nós físicos, a empresa já assinou uma parceria com o conglomerado alemão Siemens, juntamente com reguladores em vários países, com o objetivo de expandir este sistema. Seu mais novo projeto, Exergy, busca a mesma tecnologia que fez a Microgrid do Brooklyn ter sucesso e aplicá-la ao resto do mundo.

A Power Ledger da Austrália

Um dos projetos de energia blockchain mais proeminentes é baseado na Austrália. A Power Ledger é uma empresa que desenvolveu software que lê as saídas de medidores de eletricidade, mantendo o controle do consumo de energia. Esta informação é então registrada no blockchain, assim como a Microgrid de Brooklyn, mas desta vez utiliza sua própria unidade de medição de energia/moeda digital chamada Sparkz, que pode ser convertida em dólares australianos.

Em apenas seis semanas, a empresa arrecadou mais de US $ 34 milhões na primeira oferta inicial de moedas da Austrália e depois acumulou mais US $ 17 milhões durante a fase de pré-venda.

“Isso é em resposta a uma descentralização do comércio de energia – está se tornando cada vez mais insustentável ter um sistema centralizado que é incrivelmente caro por causa da infraestrutura”, disse Paul Donovan, cientista ambiental e um dos investidores da Power Ledger. “Basta olhar para a redução nos usuários, pessoas que estão saindo da rede ou demandando menos eletricidade por causa de suas soluções de energia renovável, por causa da energia solar e das baterias”.

Na Austrália, os usuários finais podem vender energia excedente de volta aos varejistas de energia a uma taxa de 6 centros por quilowatt/hora. No entanto, se suas baterias ficarem fracas, os consumidores seriam obrigados a comprar de volta a energia das mesmas concessionárias a uma taxa superior a 25 centavos de dólar por KWh. Não há flexibilidade ou negociação envolvida, portanto, se surgir uma necessidade inesperada de energia, pouco poderá ser feito com o sistema atual.

A Power Ledger começou com três projetos de testes separados, cada um lidando com uma pequena instalação de aposentadoria, uma comunidade de 80 residências e uma instalação elétrica que utiliza energia eólica e solar, respectivamente. A partir de 2018, a empresa está trabalhando em uma variedade de projetos, incluindo uma parceria com a Universidade Northwestern, nos Estados Unidos. Eles também possuem parcerias com empresas como a Origin, uma das maiores fornecedoras de serviços públicos da Austrália, e preparadas para continuar com suas aspirações de energia p2p.

Soluções em larga escala são viáveis?

Apesar do crescente interesse por essas redes de microenergia de pequena escala, há uma diferença entre simplesmente vender alguns quilowatts-horas livres entre vizinhos e ter um sistema de energia verdadeiramente independente que equilibra automaticamente a oferta e a demanda entre milhões de participantes. Em uma escala maior, os projetos precisarão lidar com as dificuldades que vêm com a segurança, a escala e a frequência das transações necessárias para tornar uma plataforma de negociação de energia blockchain em larga escala uma realidade, sem mencionar o fato de que é mais difícil transferir energia distâncias distantes como é através das comunidades vizinhas.

Alguns projetos, como o Grid +, estão tentando mudar o setor de energia de uma perspectiva macro, embora de uma maneira diferente, que não seja necessariamente p2p. Esse projeto de blockchain está tentando substituir as empresas de serviços públicos, que tendem a exigir uma alta taxa em troca de seus serviços, incluindo a medição, e, em vez disso, oferecem preços de energia mais próximos dos níveis de atacado.

Independentemente disso, enquanto os projetos blockchain estão ansiosos para adotar uma abordagem mais centrada em “microgrids” em torno do comércio de energia comunitário e municipal, sistemas maiores que trabalham em nível estadual, provincial ou mesmo nacional parecem ser mais difíceis de implementar, por um bom motivo.

Pensamentos finais

Mas mesmo que uma solução no estilo de micro-rede seja o único tipo que decola, isso mudaria completamente como os usuários finais gerenciam, consomem e geram sua própria energia. Um quadro crescente de produtores empoderados e descentralizados que comercializam seus excedentes de energia para outros membros da comunidade poderia potencialmente se tornar a maneira predominante de gerarmos nosso poder no futuro.

Fonte:

Using Decentralized Technology to Trade Excess Energy

Guia do Bitcoin

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin!
Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: http://guiadobitcoin.com.br/feed/

Investir é especulativo. Ao investir seu capital está em risco. Este site não se destina a uso em jurisdições em que a negociação ou os investimentos descritos são proibidos e só devem ser usados por essas pessoas e de maneiras que sejam legalmente permitidas. Seu investimento pode não se qualificar para a proteção do investidor em seu país ou estado de residência, portanto, conduza sua própria devida diligência. Este site é gratuito para você usar, mas podemos receber comissões das empresas que apresentamos neste site. Clique aqui para obter mais informações.