Urgente: Exchanges de criptomoedas da Coreia do Sul vão trocar informações de clientes com Bancos

0 Comentários

O sul-coreano anunciou que 6 grandes estarão prontos para fornecer serviços para bolsas de criptomoedas este mês. Sob o novo sistema, o governo exige que exchanges compartilhem dados de usuários com bancos.

Exchanges compartilharão dados de clientes com bancos a partir do dia 30 de janeiro

A Korean Financial Services Commission (FSC) anunciou alguns detalhes adicionais do novo sistema de nome real para contas de criptomoedas no domingo. “O governo planeja exigir que exchanges de criptomoedas compartilhem dados de transações de usuários com bancos”, disse um funcionário do FSC.

Os reguladores proibiram as instituições financeiras de emitir novas contas virtuais até que o novo sistema esteja em vigor para garantir que “apenas contas bancárias de nome real e contas correspondentes em exchanges de criptomoedas” possam ser usadas para depósitos e retiradas, descrevia a notícia.

Leia também  Mais um bilionário passa para o lado das criptomoedas

Tributação + sistema Anti-Lavagem de Dinheiro

Após as inspeções de 6 principais bancos sul-coreanos, a Unidade de Inteligência Financeira (FIU) está preparando diretrizes contra o branqueamento de capitais (AML) relacionadas a criptomoedas.

O sistema de nome real será compatível com AML. É “esperado para bloquear fundos ilegais de lavagem de dinheiro, bem como para filtrar menores para quem o investimento em dinheiro virtual é proibido”, informou o boletim de notícias. Os bancos têm obrigações AML que exigem que eles verifiquem e mantenham registros de transações de traders de criptomoedas.

Além disso, o novo sistema permitirá que o governo “apreenda as informações da transação de moeda virtual até certo ponto através do banco”, observou o noticiário, acrescentando que:

“Como o governo pode acessar informações de transação de moeda virtual, ele acelerará a tributação com base nessas informações”.

Fonte: Bitcoin.com

Leia também  "O Bitcoin parece uma bolha e não entendo tanta histeria", diz investidor bilionário Carl Icahn