Um olhar mais atento sobre as origens da DASH (Parte 2)

Imagem:Reprodução

A primeira parte  desta série de duas partes abordou uma introdução e uma visão geral da

Em 29 de março de 2014, Evan Duffield postou “a história de como a Darkcoin surgiu” na esperança de fornecer esclarecimento após o controverso inicio da Darkcoin …

[DICA: Compre mais barato na Bitcointoyou]

Houve um erro após o lançamento inicial, então um relançamento foi anunciado. A mineração trabalhou sem problemas desde o início, uma vez que Duffield foi capaz de oferecer uma recompensa significativamente grande de 5000 moedas (com o máximo de recompensas de bloco sendo 500) para uma carteira de SO do Windows, em apenas algumas horas de lançamento. Também é difícil acreditar que foi inconsciente que alguém teria emitido altas quantias da moedas enquanto só estava ativa a mineração. Então se as emissões não eram elevadas, de onde vêm todas as moedas?

A análise de IP mostra que entre os 124 “mineiros” iniciais da Darkcoin:

– 106 eram Amazon AWS e Microsoft Azure nuvem

– 9 outros hospedagem na nuvem e servidores dedicados

– 9 eram utilizadores privados

É importante notar que é muito fácil para uma pessoa configurar vários Amazon AWS e Microsoft Azure. É possível que  uma a cinco pessoas tenham sido responsáveis ​​por todas as 106 instâncias da Amazon e da Microsoft.

Leia também  Oportunidade: ICO da DECENT começou hoje, com bônus de 50%

Pouco depois do relançamento, as pessoas ficaram conscientes de que a emissão da Darkcoin foi significativamente maior do que o originalmente declarado. Baseado na crença de Duffield de que um começo completamente justo é um “requisito para criar um ecossistema saudável”, seria razoável considerar este um erro grande o suficiente para relançar mais uma vez.

No entanto, não houve relançamento apesar das questões evidentes resultantes da “instamine” maciça que criou quase 2 milhões Darkcoin no primeiro dia. O único benefício potencial de uma “instamine” é enriquecer quem conseguiu participar. Embora ele afirme que “nem sequer tinha um explorador de blocos ainda”, é possível obter informações sobre o fornecimento de moeda sem um explorador de blocos.

D u f f i e l d escreveu: “Logo após o bloco 4500 é quando eu comecei a trabalhar no DarkSend. Eu estava tentando criar um “proof-of-concept” e, eventualmente, consegui, eu postei sobre ele e a moeda começou a se tornar mais popular. Foi quando a moeda tornou-se um projeto sério meu.”

Embora Duffield afirme que começou a trabalhar no DarkSend depois do bloco 4500 e que Darkcoin se tornou um projeto sério somente depois que continuou a crescer, este e-mail enviado em 29 de dezembro de 2013, antes da Darkcoin ser lançada (janeiro de 2014), parece indicar o contrário:

Leia também  Banco e empresa do grupo Mitsubishi investem em startup de bitcoin Coinbase

Observe a frase “help with a for-profit startup.”

Dada a natureza da , a única maneira que você pode lucrar é tipicamente através da propriedade da moeda (a menos que você participe da , crowdfund, etc). Isso significaria que a única maneira que Duffield e sua equipe poderiam potencialmente lucrar com a Darkcoin teriam sido através da propriedade dela. Isso é sugestivo e motivo suficiente para continuamente acumular e manter o controle sobre a oferta.

Duffield também escreveu: “O projeto será um fundido por mesclagem que irá fornecer um serviço muito útil para todo o ecossistema de criptografia” e “Temos planos detalhados sobre como implementá-lo”.

Estas frases tiradas do e-mail sugerem ainda que este projeto foi planejado e teve um sentido claro de direção antes da moeda ser lançada.

Por que isso é um problema?

Dado que a DASH supostamente ser uma moeda digital descentralizada, existem preocupações de centralização óbvia:

– Qualquer serviço prestado por masternodes (MNs) pode estar em risco se a propriedade masternode é centralizada, especialmente características / anonimato.

Leia também  Primeiro caixa eletrônico para negociações em Bitcoin chega ao Brasil

– Um processo de governança é ainda necessário se a maioria dos votos estiver potencialmente sob o controle de uma entidade?

– O sucesso da DASH é altamente centralizado em torno de um pequeno grupo de desenvolvedores.

– A DASH é verdadeiramente uma moeda digital descentralizada?

Eu fiz análise usando o programa de emissão de moeda DASH como referência para mostrar a taxa crescente de masternode e centralização de oferta.

Embora não haja perigos imediatos a partir das preocupações de centralização, se a DASH continua a aumentar na avaliação, essas preocupações podem se tornar um calcanhar de Aquiles para a DASH.

Esse post foi tirado da internet, as opiniões não refletem necessariamente as do Guia do Bitcoin.

Fonte: bitcoinmagazine.com
Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin

 

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *