Um novo meio de troca para um novo milênio

0 Comentários

 

Construção de comunidades e gestão de cidades com base nas tecnologias Blockchain e .

William Gibson diz: “o futuro já está aqui, mas não é distribuído de maneira muito uniforme”. Em outras palavras, algumas invenções ainda não foram adotadas pelo público amplo. Como desenvolvedor de software, acredito que nossa responsabilidade é preencher essa lacuna, tornando as tecnologias acessíveis e trazendo-as para o serviço de toda a sociedade. Para resolver o problema, estou trabalhando no projeto “Um mundo – Uma comunidade” e pretendo adotar tecnologias de blockchain e contratos inteligentes para a construção de comunidades. Para desenvolver um produto viável, considero vários aspectos que influenciam e moldam os meios e ferramentas das relações socioeconômicas de hoje.

As tecnologias de comércio e comunicação são duas forças principais que impulsionaram o progresso na história humana. No livro “Sapiens”, o historiador Yuval Noah Harari conta uma história vívida de como um simples livro de tabletes de barro, uma vez inventado para explicar os tratos entre tribos, evoluiu para um meio de troca globalmente reconhecido que hoje chamamos de “dinheiro”. Como o autor afirma, o dinheiro tornou-se a crença mais universal e unificadora que a humanidade já teve. De fato, quando se trata de comércio, o “dinheiro” elimina qualquer diferença que as pessoas possam ter. Torna-se um equivalente de confiança que eu possa continuar este ciclo de troca baseado na crença comum global.

Leia também  Sony lançará nova plataforma educacional baseada na tecnologia blockchain. Detalhes foram revelados

Hoje usamos o “dinheiro” como uma unidade de troca para facilitar as interações entre indivíduos. Ao coletar essas unidades, podemos unir esforços para cuidar de nossos filhos e aposentadorias. Enviamos essas unidades para representantes municipais e federais, para que possam prestar serviços às nossas comunidades.

Mesmo que as moedas e as cédulas tenham sido instrumentos eficientes de interações socioeconômicas por um longo período de tempo, o imenso avanço em tecnologias oferece uma incrível oportunidade de melhoria e inovação.

No tempo das redes sociais globais e das comunicações em tempo real, indivíduos de diferentes países se encontram na Web e desenvolvem projetos colaborativos. Educação on-line, bibliotecas de código aberto e plataformas ponto-a-ponto (p2p) mudam profundamente a maneira como as novas gerações vivem, aprendem e compartilham. Os governos abrem portais da Web para garantir que as comunidades possam enviar rapidamente solicitações e solicitar serviços.

As coisas mudaram drasticamente, e o meio de troca e a maneira como contabilizamos nossas interações têm que acompanhar essas mudanças. Há discussões em andamento entre autoridades, empresas de tecnologia e líderes cívicos sobre o que é possível e como e quando ele pode ser implementado.

Leia também  Cuidado com aplicativos falsos da Poloniex na Google Store

No contexto da qualitativamente nova escala de colaboração, uma blockchain protegida criptograficamente é peça principal nesse palco.

Desde o início dos anos 90 e totalmente conceituada em 2008, a tecnologia de contabilidade distribuída foi usada para a criação de eletrônicas em todo o mundo. Hoje, as bibliotecas de código aberto permitem que qualquer usuário inicie uma nova moeda e defina regras para sua circulação. Transações ponto-a-ponto no blockchain podem então ser monitoradas e verificadas por todos os participantes. O próximo passo no desenvolvimento do blockchain foi uma introdução em 2015 da plataforma Ethereum que amplia a ideia de sistema distribuído seguro para outros domínios. O Ethereum é um sistema operacional que apresenta a funcionalidade “contrato inteligente”, que implica a criação de scripts e a execução automática das cláusulas contratuais.

Tais acordos virtuais podem ser aplicados em qualquer nível de relações socioeconômicas, desde acordos individuais até o gerenciamento de toda a cidade.

O aplicativo “Um Mundo – Uma Comunidade” permitirá que um grupo de usuários preencha um modelo com os valores comuns que eles compartilham e os princípios sob os quais eles desejam governar suas interações. Seguido por uma lista de bens e serviços que eles podem oferecer em troca de itens valorizados reciprocamente. Essas informações, então, tornam-se uma legitimidade subjacente do contrato futuro e servem como uma base de dados virtual para a execução algorítmica do próprio contrato.

Leia também  Callisto: Fork do Ethereum Classic está programado para a próxima semana

Um dos principais focos deste projeto é tornar o processo o mais abrangente e amigável possível. O contrato automaticamente definirá contas na plataforma Ethereum e as chaves eletrônicas seguras serão entregues aos participantes. Depois que o contrato é aprovado por todas as partes interessadas, uma execução no blockchain começa – uma troca automática baseada na confiança e transparência. Os membros da comunidade trocarão bens e serviços com base nas regras definidas no contrato inteligente da Comunidade.

Todas as interações no blockchain são transparentes, mas seguras. Usando dados e estatísticas de código aberto apresentados em gráficos e diagramas, os membros da comunidade aprenderão uns sobre os outros e sobre o mundo.

Meu objetivo é desenvolver o aplicativo que permitirá que pessoas de todo o mundo se envolvam em relações sociais e econômicas no blockchain. Uma breve apresentação em vídeo da ideia do produto pode ser encontrada nesse link

(Alisa Belyakova)

Fonte: https://medium.com/@alisatech/blockchain-for-community-building-f445c143b86e

Guia do Bitcoin

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin!
Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: https://guiadobitcoin.com.br/feed/