Teoria dos jogos e Blockchain/Criptomoedas

0 Comentários

A teoria dos jogos explora como pessoas racionais tomam decisões estratégicas em diferentes cenários. Embora muitas vezes confundida com a lógica geral, a teoria dos jogos é baseada em termos puramente matemáticos e tem aplicações em qualquer domínio onde as pessoas devem coordenar ou competir umas com as outras.

Dada a mecânica da blockchain da interdependência da rede, não deveria ser surpresa que o pensamento teórico do jogo seja crítico para projetar criptomoedas através de sua influência na criptoeconomia.

O objetivo da teoria dos jogos para criptomoedas é modelar o raciocínio humano para construir redes que não precisam de supervisão, mas que tenham resultados positivos para o bem maior. Infelizmente, o planejamento de decisões humanas imprevisíveis requer, em primeiro lugar, que compreendamos o que motiva as pessoas, o que é mais fácil de dizer do que fazer.

Teoria dos jogos e criptoeconomia

A teoria dos jogos entra no quadro político-econômico do lado econômico, incentivando os atores racionais a se comportarem de determinada maneira.

A criptopeconomia é a combinação da criptografia (comunicação segura com as pessoas) e o desenvolvimento de incentivos econômicos para construir sistemas que tenham certas características desejadas. Essa disciplina recém-popularizada fornece as ferramentas para construir redes fortes, seguras e ponto a ponto (p2p).

Assim, a criptografia é usada para provar eventos passados ​​- como a autenticidade das mensagens, enquanto os incentivos econômicos são usados ​​para encorajar o comportamento futuro desejado, como mecanismos de segurança voltados para trás e incentivo à criação de futuro, a criptopmoeda nos permite construir protocolos descentralizados robustos, abrindo novas formas de nos organizar e nos governar.

Bitcoin: melhor comportamento

O Bitcoin, por exemplo, incentiva os mineradores a usar seu poder de computação para proteger a rede, recompensando-os com bitcoins – um incentivo econômico. O consenso entre os nós é alcançado por Prova de Trabalho (PoW), que reflete os recursos quantificáveis ​​reais necessários para chegar lá.

Os criadores de criptomoedas como o Bitcoin têm que garantir que, quando eles permitem que o mundo inteiro entre em suas blockchains, as pessoas se comportem e sigam as regras do protocolo. Como tal, os criadores de protocolos criam jogos para recompensar ou punir os nós participantes, dependendo do seu comportamento.

A genialidade do Bitcoin reside em tornar a mineração intencionalmente difícil e ineficiente, tornando-a, assim, cara para os agentes maliciosos. Dessa forma, a rede trabalha para garantir que os nós não se desviem do protocolo, para não incorrer em custos elevados no processo e, em última análise, não receberem recompensas em bloco.

Esse raciocínio teórico do jogo de promover o bom comportamento e deter o mal existe na vida cotidiana, pois construímos sociedades para recompensar o trabalho que valorizamos e deter o comportamento que não valorizamos. Pode custar dinheiro à sociedade para pagar policiais, juízes, etc., mas o sistema é projetado para custar mais criminosos.

Ethereum: Apenas adicione punição

A Ethereum dá um passo além e não apenas recompensa o bom comportamento, mas pune os maus através de um diferente sistema de provas. Ao contrário do PoW, o consenso é garantido através da Proof-of-Stake (PoS), que, como o nome sugere, requer um pouco de “pele no jogo” para que eles possam punir os maus atores.

Você pode ver como o PoS afeta o design do jogo de maneira diferente do PoW, examinando o comportamento do mundo real. É provável que a maioria de nós não assuste os bancos porque tememos ir para a cadeia, não porque isso possa nos impedir de ganhar nosso bônus no trabalho.

Combinar punições com recompensas fortalece os recursos de segurança do protocolo. A força desses recursos é representada pela margem de segurança criptográfica, que determina o custo (em tokens ou moeda fiduciária) necessário para impedir a rede.

Em criptografia, você pode fazer coisas ruins, você só precisa pagar por isso.

Premissas do modelo de segurança

Todos os jogos devem fazer certas suposições sobre os jogadores e o campo de jogo. Na teoria dos jogos, nós confiamos em assumir um modelo de interação humana e da função de utilidade de cada jogador (o que eles valorizam).

A escolha do modelo é fundamentalmente uma questão sobre os participantes serem coordenados ou descoordenados. O modelo procura entender se as pessoas fazem escolhas individuais, ou se elas irão coordenar e trabalhar juntas? Na vida cotidiana, há claramente casos em que ambos existem, e isso vale para a criptociência.

Em um modelo coordenado, o Bitcoin, por exemplo, pode estar sujeito a um ataque de aquisição por uma coalizão de mineradores maliciosos. No entanto, um mecanismo de defesa depende em parte de um princípio da teoria dos jogos chamado de equilíbrio de desencadeamento implacável, que sugere que, se os mineradores obtivessem sucesso em “derrotar” os nós honestos, um novo enxame de atacantes logo se seguiria e interminável ciclo de atacantes, colocando em risco o próprio Bitcoin, e ferindo todo mundo.

É importante ressaltar que o desejo de coordenar os nós não significa necessariamente que eles sejam capazes de fazer isso. Com um punhado de jogadores, pode ser fácil coordenar seus colegas; no entanto, com milhões de participantes, a coordenação se torna muito mais difícil.

A coordenação pode, obviamente, ser usada para incentivar o bom comportamento. Um exemplo seria o aumento dos pagamentos para mineiros à medida que a qualidade da rede aumenta – medida pela descentralização. Atualmente, no entanto, a recompensa permanece a mesma se o pool de mineração ficar mais concentrado, o que não é necessariamente uma propriedade desejável.

Premissas de utilidade

Alguns modelos não dependem da economia para segurança, mas podem assumir que a maioria dos participantes da rede é honesta. A esse respeito, desde que os nós honestos controlem a maior parte da potência da CPU na rede, eles podem gerar a cadeia mais longa e superar qualquer invasor.

Embora considerado ingênuo por alguns, isso leva a um ponto importante do que realmente motiva as pessoas desde o início. Em economia e teoria dos jogos, chamamos isso de uma função de utilidade: quanto uso, ou valor, alguém recebe de um dado resultado. Normalmente, assumimos alguns fatores básicos, como pessoas que gostam de dinheiro e preferem mais a menos.

Na prática, no entanto, não é tão fácil especificar as utilidades dos diferentes jogadores, e isso se torna um dos desafios mais difíceis na criação de jogos. Por essa razão, às vezes percebemos que os outros agem irracionalmente quando podem ter uma função de utilidade diferente da esperada.

No final, muitos protocolos e questões de segurança ainda se baseiam nas chamadas de julgamento humano. No entanto, a criptopeconomia e a teoria dos jogos realizaram a impressionante tarefa de modelar a tomada de decisão humana para construir sistemas que alinham as metas dos participantes aos resultados socialmente desejáveis ​​da rede.

Matthew Finestone

Fonte: https://medium.com/@matthewfinestone/game-theory-and-blockchain-db46e67933d7

Guia do Bitcoin

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin!
Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: http://guiadobitcoin.com.br/feed/

Escreva um comentário

Investir é especulativo. Ao investir seu capital está em risco. Este site não se destina a uso em jurisdições em que a negociação ou os investimentos descritos são proibidos e só devem ser usados por essas pessoas e de maneiras que sejam legalmente permitidas. Seu investimento pode não se qualificar para a proteção do investidor em seu país ou estado de residência, portanto, conduza sua própria devida diligência. Este site é gratuito para você usar, mas podemos receber comissões das empresas que apresentamos neste site. Clique aqui para obter mais informações.