Startups de Bitcoin e Fintechs estão acabando com grandes lucros dos bancos

Os grandes estão cada vez mais preocupados com a perda de lucros para as empresas de , como as startups da Bitcoin. Oitenta e oito por cento dos executivos dos bancos acreditam que seus negócios estão em risco de perder receitas para esses novos participantes, de acordo com uma pesquisa recente. Esta perda de lucro poderia ser tão alta quanto 10 por cento no , um vazamento de memorando mostra.

Grandes lucros dos bancos estão sendo desafiados

Uma das “quatro grandes” empresas de auditoria, a Pricewaterhousecoopers (Pwc), publicou o “A Global Fintech Report 2017” no início deste mês, mostrando que 88% dos executivos entrevistados acreditam que seus negócios estão em risco de perder receitas para startups fintech. A empresa escreveu:

“Muitos [executivos de bancos] temem perder negócios contra inovadores, começando com pagamentos, transferência de fundos e setores de finanças pessoais. […] Mais consumidores adotarão provedores de serviços financeiros não-tradicionais.”

Na semana passada, o Guardian Money informou sobre uma nota interna vazada do Banco Santander, que revela que 10% dos lucros do banco provêm de seu negócio internacional de transferência de .

Os documentos detalham como o banco cobra seis vezes mais do que seus rivais de fintech, fazendo enormes lucroso e dando aos clientes pobres taxas de câmbio. Em vez de cobrá-los diretamente, os grandes bancos recebem a diferença entre as taxas de câmbio dos mercados monetários e a taxa que eles oferecem aos clientes, que é conhecida como “margem FX”.

“O Santander fez 585 milhões de euros de transferências de dinheiro – o que equivale a quase um décimo de seu lucro global de 2016, de 6,2 bilhões de euros – e cobra seis vezes mais do que a rival Transferwise por enviar 10 mil libras do Reino Unido para a Espanha”.

A nota informa aos executivos do Santander que novas empresas que entram no negócio de transferência de dinheiro estão “atacando as fatias lucrativas” dos negócios do banco, observando que:

“10% dos lucros do grupo em risco quando ocorre o reajuste das transferências internacionais.”

Disruptor conhecido: Transferwise

O memorando do Santander chama a atenção para a empresa de transferência de fundos Transferwise, afirmando que os encargos de serviço “€ 64 para mover £10.000 do Reino Unido para Espanha” enquanto o “Santander cobra € 394 – seis vezes mais“. Se o Santander cobrasse o mesmo que a Transferwise, “sua receita desmoronaria de € 585m para € 95m, uma queda de 84%”, escreveu o Guardian Money.

Leia também  Samourai Wallet lança novo recurso de privacidade

Lançado em janeiro de 2011 e com sede em Londres, a Transferwise é um serviço de transferência de fundos peer-to-peer com oito escritórios em todo o mundo. A empresa diz que tem mais de um milhão de clientes e processa mais de US$ 700 milhões em transações por mês. Infelizmente, a empresa afirma em sua “Política de Uso Aceitável” que ainda não fornece serviços para empresas envolvendo bitcoin e outras .

Próximos Disruptores: Startups de Bitcoin

Muitas startups de transferência de dinheiro hoje usam Bitcoin em seus negócios. A maioria deles oferece tarifas baixas e sem taxas de transferência. Abaixo estão alguns exemplos.

Recentemente, Luis Buenaventura, diretor de tecnologia da solução de remessas Bitcoin Bloom Solutions, que também escreveu um livro sobre remessas, foi entrevistado por um site de notícias. Ele disse que o “caso de uso mais forte de Bitcoin era provavelmente remessas“, pelo menos em seu país, nas Filipinas. O site da Bloom Solutions afirma oferecer uma solução para agentes e revendedores no mercado internacional de remessas, uma forma de “reduzir sua liquidação internacional e custos de câmbio em até 50%”.

Leia também  Banco Central da China vai continuar inspecionando bolsas de Bitcoin no país

Website: https://bloom.solutions/

A Coinpip, com sede em Cingapura, é um exemplo de uma empresa de remessas de Bitcoin, que oferece serviços em mais de 40 países em todo o mundo. A empresa cobra “não forex e outras taxas ocultas”, afirma seu site.

Website: https://www.coinpip.com/

Bitspark

Outro exemplo é o Bitspark, com sede em Hong Kong, que oferece serviços de remessas com suporte a bitcoin em cinco moedas diferentes. A empresa disse em uma entrevista em fevereiro que “em corredores competitivos, os custos totais podem ser tão baixos quanto 2-3% com os provedores tradicionais em um tamanho médio de transação equivalente a US$ 250”.

Website: https://bitspark.io/

Abra

Em seguida, há a Abra, que tem um modelo de negócio diferente. A startup utiliza Bitcoin, contratos inteligentes e uma rede peer-to-peer para transferir dinheiro diretamente de um remetente para o destinatário globalmente sem um intermediário. O aplicativo recentemente lançado da empresa não cobra taxas de transferência e anuncia “baixas taxas de câmbio”, permitindo que os usuários adicionem e retirem fundos em bitcoin também.

Leia também  Argentina lidera ranking de países com maior potencial em aceitar Bitcoins

Website: https://www.goabra.com/


Siga o nosso canal no Telegram e receba notícias diárias sobre Bitcoinhttps://telegram.me/guiadobitcoin

Via: News Bitcoin
Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin

Comentários

Comentários

1 Comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *