“Regulamentação excessiva não é boa para o Bitcoin”, diz presidente de Autoridade Bancária Europeia

0 Comentários

O presidente da Autoridade Bancária Europeia falou contra a regulamentação excessiva do setor de criptomoedas, alertando que isso poderia restringir a inovação financeira. Destacando a posição da EBA em relação à supervisão da indústria Fintech, Andrea Enria disse que os reguladores precisam manter uma “abordagem medida”. Na próxima semana, a EBA publicará um roteiro, que define uma série de prioridades por um período de dois anos.

“Regular e restringir” ou “deixar as coisas acontecerem”

Falando na Copenhagen Business School na sexta-feira, o chefe da EBA disse que não estava convencido de que as criptomoedas deveriam ser colocadas de acordo com os regulamentos que se aplicam ao sistema financeiro tradicional. Vários bancos centrais argumentaram que as criptomoedas não têm o backup institucional e não podem cumprir as funções de dinheiro – unidade de conta, meio de troca e reserva de valor, disse Andrea Enria, admitindo que as flutuações das criptomoedas parecem confirmar essa visão.” Ainda assim, ainda não estou convencido de que este seja um argumento suficientemente forte para atrair criptomoedas sob o alcance total da regulamentação”, ressaltou. O funcionário apontou que as criptomoedas podem ser usadas para pagamentos, inclusive internacionais, graças a um mecanismo inovador – a tecnologia do razão maior distribuído.

Leia também  EUA abre as portas para nova geração de Bancos: Bitcoin e Criptomoedas

Enria observou que o debate político sobre inovação tecnológica e financeira geralmente se concentra em duas abordagens opostas: “regular e restringir” – proibir negócios inovadores que não se enquadram no livro de regras; e “deixar as coisas acontecerem” – enraizada na crença de que um setor financeiro dinâmico precisa de espaço para inovar. Na sua opinião, ambas as estratégias regulatórias mostraram suas limitações, sendo a primeira ineficaz em mercados abertos e a segunda aumentando os riscos no setor não regulamentado. O executivo-chefe da EBA acredita que uma abordagem pragmática envolve a implementação de requisitos regulamentares específicos de acordo com os diferentes riscos para as empresas, seus clientes, o setor financeiro e toda a economia.

Em 2014, a autoridade delineou um quadro para a regulamentação abrangente de criptomoedas, observando que seu desenvolvimento exigiria muitos anos e uma estratégia matizada. Sua abordagem foi centrada no cumprimento das obrigações de due diligence dos clientes, alertando os consumidores de que seus investimentos em criptomoedas não estão protegidos e impedindo que instituições financeiras regulamentadas comprem, detenham ou vendam criptomoedas. A EBA também propôs a segregação de bancos e operadores de criptomoedas, a fim de evitar o “contágio”.

Leia também  Android: Desenvolvedores acreditam que mineração pode afetar o preço dos smartphones