Projeto de distribuição de energia Ethereum avança na Alemanha

0 Comentários

Um projeto pouco conhecido chamado Lition está ajudando silenciosamente os cidadãos alemães a encontrar energia mais barata. Lançada no início deste ano, a Lition já é uma fornecedora de energia licenciada na Alemanha com clientes em 12 grandes cidades (incluindo Berlim, Hamburgo e Munique) que agora usam seu mercado de energia descentralizado. Construído sobre o blockchain ethereum, o mercado de Lition conecta os consumidores diretamente com produtores de energia grandes e pequenos.

No total, mais de 700 famílias em toda a Alemanha estão usando a plataforma descentralizada para comprar energia, de acordo com a empresa.

Em suma, a Lition está tentando mudar a forma como a energia global funciona com um conceito muito familiar aos entusiastas do blockchain: “contornando intermediários desnecessários”, economizando dinheiro dos usuários em energia.

No caso dos domicílios, um fornecedor de energia vende a energia solar ou elétrica (ou qualquer tipo que tenha produzido) a um intermediário, geralmente uma gigante multinacional. Os clientes compram energia desse intermediário.

O problema é que, aos olhos do CEO da Lition, Richard Lohwasser, esses intermediários multinacionais têm muita influência e não dão aos usuários escolha suficiente em que tipo de energia eles podem comprar.

Então, a solução da Lition é cortá-los completamente.

“Nossa troca de energia conecta clientes e produtores diretamente. Os produtores colocam sua energia na troca e os clientes podem comprá-la”, disse ele à CoinDesk, acrescentando:

“Normalmente, comprar diretamente dos produtores é limitado a fornecedores de energia que são grandes corporações. Estamos trazendo a troca para o consumidor, para que os consumidores possam pagar pela energia que desejam.”

Cortando os intermediários

Cortar os intermediários também corta custos – e não por um valor minúsculo também. Segundo a Lition, isso economiza em média 20% dos clientes em suas contas de energia e aumenta a receita da usina em até 30%.

Isso apesar de a Lition ter uma forte ênfase na “energia verde”, que, embora melhor para o meio ambiente, costuma ser mais cara. Como mostra a demonstração do aplicativo, os usuários da Lition podem escolher entre as categorias de energia eólica, solar ou biomassa e, em seguida, escolher qual provedor preferem (o que, segundo Lohwasser, é geralmente a opção mais barata).

Quando um usuário encontra a energia que deseja comprar, faz um pagamento em euros para a Lition. Nos bastidores, um contrato inteligente ethereum detecta esse pagamento e envia automaticamente ao cliente sua energia.

“A tecnologia blockchain da Lition simplifica o processo de compra de energia diretamente de produtores verdes de qualquer escala, empregando contratos inteligentes transparentes que permitem aos consumidores contornar toda a complexidade dos corretores de distribuição de energia”, explica o site da Lition.

Por enquanto, os usuários precisam ser da Alemanha, onde a Lition está licenciada para operar. Aqueles que estão interessados ​​em comprar energia usando o mercado da Lition podem consultar o site da Lition, que também possui um estimador de preço com base no código postal do usuário.

Mas Lohwasser vê tudo isso como uma prova de conceito para um objetivo maior.

Talvez, um dia, qualquer um possa comprar energia diretamente dessa forma descentralizada, talvez até mesmo de minúsculas fazendas solares montadas por amadores em um bairro próximo.

Lutas na blockchain

A má notícia é que, como algumas outras empresas, elas tiveram problemas com o ethereum. “Ethereum não é um bom sistema”, afirmou Lohwasser sem rodeios.

Por mais que ele aprecie que a plataforma seja aberta e “sem permissão”, o que significa que qualquer um pode usá-la sem apresentar um recibo de permissão, ele citou uma longa lista de problemas que os usuários de Lição enfrentaram.

“É muito lento. São necessários de 20 a 30 segundos para dizer ao cliente se eles podem comprar energia ou não”, disse ele, acrescentando que, como empresa que está tentando promover energia renovável, eles começam a se sentir desconfortáveis ​​com o uso de um sistema na mineração, que é um processo bastante sugador de energia.

Percebendo todos os altos custos associados com a plataforma, coloque Lition em um ligamento. Eles começaram uma busca por algo melhor, mas olhando pelo menos uma dúzia de blockchains, eles não conseguiram encontrar um que fosse sem permissão e escalável.

“Todos eles têm suas desvantagens”, disse Lohwasser. Ele parecia cético em relação a blockchains privados, diferente de seu primo público, pois nem todo mundo pode participar. “Você pode muito bem não ter um blockchain”, ele comentou.

Então, eles encontraram uma parceria com uma das maiores empresas de software do mundo, a SAP, para construir seu próprio sistema, um blockchain “híbrido” para empresas, que combina o que eles acreditam ser os melhores aspectos de blockchains privados e públicos. A SAP está trabalhando na camada de contrato inteligente, enquanto a Litiom aborda a camada de consenso.

A empresa é rápida em enfatizar que eles conseguiram criar toda essa tecnologia sem financiamento através de uma oferta inicial de moedas (ICO). O novo tipo de captação de recursos possibilitado pela tecnologia blockchain é empolgante, mas também provocou um certo ceticismo, em parte porque projetos duvidosos conseguiram levantar milhões de pessoas.

Investir é especulativo. Ao investir seu capital está em risco. Este site não se destina a uso em jurisdições em que a negociação ou os investimentos descritos são proibidos e só devem ser usados por essas pessoas e de maneiras que sejam legalmente permitidas. Seu investimento pode não se qualificar para a proteção do investidor em seu país ou estado de residência, portanto, conduza sua própria devida diligência. Este site é gratuito para você usar, mas podemos receber comissões das empresas que apresentamos neste site. Clique aqui para obter mais informações.