Polícia dinamarquesa é a primeira no mundo a caçar criminosos utilizando Bitcoin

É difícil ser um criminoso. Técnicas de vigilância e ciência forense estão constantemente sendo melhoradas e as pessoas estão trabalhando o tempo inteiro para destruir o seu sustento. É por isso que muitos criminosos em todo o mundo provavelmente comemoraram quando o foi lançado em 2009.

Com a moeda dita “irrastreável” da Internet, os bandidos poderiam finalmente apreciar o  do dinheiro sem arriscar ser encontrado no mundo físico. Essa “criminosa visão idílica” poderia ter sido o futuro, se não fosse pelos policiais dinamarqueses.

Parece improvável que o bitcoin seja o futuro do crime depois que Berlingske informou que a polícia dinamarquesa derrubou traficantes de drogas, rastreando transações bitcoin.

Em janeiro deste ano, os tribunais da cidade dinamarquesa de Herning, encontraram o réu em um caso de narcóticos culpado e o condenaram a oito anos de prisão devido a transações de bitcoin rastreadas. Este é o segundo caso na Dinamarca, onde a evidência de rastreamento de bitcoin tem desempenhado um papel importante no julgamento.

A Dinamarca está liderando no combate a Cibercriminalidade

Kim Aarenstrup, chefe do Centro Nacional de Cibercriminalidade da Dinamarca (NC3), disse em entrevista a Berlingske que essas duas convicções demonstram que a Dinamarca está liderando o “cyberpolicismo” e que essa nova é um marco importante para o trabalho da polícia.

“Somos únicos no mundo, neste momento, porque ninguém mais foi capaz de usar este tipo de rastreamento como evidência antes. Todo mundo está olhando para a Dinamarca neste campo, e estamos em um estreito diálogo com vários outros países no momento, para que possamos desenvolver os métodos e ensiná-los como operamos.”

O novo sistema de TI especializado, desenvolvido pelas agências de aplicação da lei dinamarquesas, baseia-se na comparação das informações de dois tipos diferentes de transações bitcoin. Primeiramente, as transações onde os são usados ​​para comprar bens são analisadas explorando as possibilidades da tecnologia do , em que bitcoin é baseado. Esta informação é então comparada com listas de compradores e vendedores de bitcoin.

Leia também  Correção saudável? Preços Bitcoin recuam até US$1.700

A comparação é então usada para identificar as pessoas envolvidas em negociações particulares. Aarenstrup não queria entrar em detalhes sobre a abrangência deste novo método, mas pode-se imaginar que ele deve ser substancial, já que o FBI e a já estão usando o sistema.

Ficou mais fácil de rastrear os criminosos

Jesper Klyve era o promotor em ambos os casos em que um bitcoin-traço era uma das evidências principais. Na sua opinião, não há nada de errado com o bitcoin como uma moeda e que as pessoas que o utilizam não são automaticamente enredadas em atividades ilegais, mas que não se pode negar o fato de que torna as negociações ilegais mais fáceis.

Klyve diz que no passado, uma pessoa teve que ter os contatos necessários para comprar drogas, mas isso mudou completamente com a introdução da darknet e bitcoin. Em diversos países, agora quase qualquer um pode acessar a rede e comprar um quilo de anfetamina e pagar por ele com uma . No entanto, isso tudo pode mudar devido à nova ferramenta de bitcoin da polícia e Klyve está otimista de que ele irá fornecer possibilidades interessantes.

Leia também  Bitstamp torna-se a primeira Bolsa de Bitcoin Licenciada do Mundo e atua nos 28 países da União Européia

No exterior é comum que as transações de drogas feitas na darknet sejam enviadas normalmente pelos correios – como no primeiro caso, o rastreamento de bitcoin foi empregado na Dinamarca – o que pode tornar consideravelmente e mais difícil para a polícia parar criminosos. Mas Klyve tem certeza de que essa nova tecnologia mudará completamente isso. Agora, se um suspeito recebe drogas por correio – o que ele nega ter ordenado – a polícia pode examinar seu histórico de transações bitcoin e ver se ele enviou bitcoins para qualquer pessoa recentemente.

“Todas as transferências que já foram feitas são codificadas no sistema bitcoin. Portanto, você pode, a qualquer momento, fizer login e pesquisar no sistema e tentar identificar usuários individuais”, disse Klyve em entrevista ao Berlingske.

Já foi dito antes que bitcoin é provavelmente menos benéfico para os criminosos do que se pensava originalmente, mas os dois vereditos na Dinamarca são um claro indicador de que o ciberespaço não está a salvo do longo braço da lei. Talvez, seja finalmente o tempo para os criminosos encontrarem um novo meio de vida.

Leia também  Adoção do Bitcoin na Tailândia é liderada pela indústria do turismo

Via: The Next Web
Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *