Nicolás Maduro ordena emissão de 100 milhões de Petros, a criptomoeda da Venezuela

0 Comentários

O presidente da , Nicolás Maduro, anunciou a emissão de 100 milhões de Petros, a próxima criptomoeda nacional prevista pelo estado, respaldada por suas reservas de petróleo, a maior do mundo por qualquer país.

A criptomoeda nacional da Venezuela, o , logo verá sua primeira emissão após o mandato da Maduro de emitir 100 milhões de unidades dos tokens digitais. Cada petro será diretamente valorizado para um único barril de petróleo, relata o El Nuevo Herald. Com uma média de pouco menos de US$ 60 por barril no momento do anúncio, o valor total de 100 milhões de petros seria menos de US$ 6 bilhões. Comparado com todo o mercado de altcoins, a criptomoeda Venezuela estaria no rank 14 das no geral, de acordo com dados do CoinMarketcap.Com.

Leia também  Criptomoedas: inovação tecnológica sem precedente

Num endereço de televisão estadual, Maduro declarou:

“Eu ordenei a emissão de 100 milhões de petros com o sustento legal da riqueza petrolífera certificada e legalizada da Venezuela. Todo petro será igual ao valor do barril de petróleo da Venezuela.”

Após o seu anúncio na semana passada, o primeiro encontro nacional de petro-mineradores da Venezuela se reunirá no dia 14 de janeiro, data em que o petro foi apresentado formalmente. A emissão dos 100 milhões de petros ocorrerá através de “casas de câmbio virtuais que estão atualmente em um período experimental” de acordo com o relatório.

Conforme relatado em dezembro, Maduro anunciou pela primeira vez a criptomoeda como um meio de evadir e contornar as sanções econômicas e o “bloqueio financeiro” imposto pela administração do presidente dos EUA, Trump. Em agosto, o governo dos EUA aplicou sanções financeiras incapacitantes que provaram ser um bloqueio no acesso da Venezuela aos bancos internacionais e às finanças globais.

Leia também  "Legalizaremos o Bitcoin e outras criptomoedas" diz candidato a Presidência da Rússia

O petro também será apoiado por outras reservas de commodities como ouro e diamantes, acrescentou Maduro. O anúncio do líder venezuelano foi encontrado com críticas por seus opositores políticos que descartaram o esforço como uma idéia fantástica no momento em que a Venezuela continua a sofrer em meio à grave escassez de alimentos e a uma recessão econômica cada vez mais profunda.