Muito além do Bitcoin – Coluna do Celso Ming – Estadão

0 Comentários

Compartilhamos o excelente artigo do colunista do jornal O Estado de São Paulo, Celso Ming:

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

03 Fevereiro 2018 | 18h00

Muitas vezes, as descobertas são mais importantes do que à primeira vista podem parecer. Quando, por exemplo, o homem primitivo tirou pela primeira vez o som de uma cabaça que depois virou tambor, deve ter-se fascinado com o efeito sonoro e ficou nisso. Mas aos poucos foi entendendo que aquilo servia para muita coisa mais: para mandar mensagens a distância, para marcar passos de dança, para afastar maus espíritos, para coordenar a ação dos guerreiros.

Assim também o . Por enquanto as pessoas parecem mais impressionadas com a enorme rentabilidade (38.975% em 5 anos) dessa que é a mais conhecida moeda eletrônica e se perguntam até onde vai isso. Mas talvez tenham prestado menos atenção à revolução que já começou com a de informática que a possibilita.

Trata-se do , que é uma enorme cadeia de informática que cataloga, autentica e possibilita transferências de valores sem intermediários, de uma maneira quase inteiramente imune a fraudes.

Essa estrutura começou a lidar com . O bitcoin foi apenas a primeira. Mas já há 1,5 mil, conforme se pode conferir pelo site Coin Market Cap, que acompanha esse segmento.

Leia também  Aviso: Guarde seus Bitcoins.

Ocorre que o blockchain comporta o manejo de uma variável infinita de novos ativos. Além de criptomoedas, pode trabalhar com operações bancárias, ouro, lingotes de metal, petróleo, ações, cotas de capital, sacas de soja, arrobas de boi em pé e até com coisas “imateriais”, como milhagens aéreas e horas de um grande escritório de advocacia. Cada diamante, cada obra de arte ou cada cabeça de gado pode ser identificado, classificado e rastreado. Há quem já pense em usá-lo na leitura de análises clínicas e na elaboração de diagnósticos médicos. Vários bancos em todo o mundo já o empregam para integrar seus sistemas. No Brasil, o primeiro teste formal foi feito em abril de 2017 por um grupo de da federação dos bancos, a Febraban.

Abrem-se com ele grandes oportunidades de negócios. Você quer comprar um imóvel? Consulte o blockchain e feche aí o negócio, sem precisar de corretores que garfam de 5% a 8% do valor do imóvel. Mas também grande número de atividades centenárias pode desaparecer. Os cartórios, por exemplo.

Leia também  De olho no Fork: tome precaução extra ao tentar acessar seus tokens BCC

Por enquanto, as autoridades parecem mais preocupadas com o que se pode fazer de mal com essa novidade, como esconder operações de lavagem de , sonegação e coisas desse tipo. Não chega a ser novidade. Quando o homem primitivo lascou algumas pedras e inventou a faca, logo viu que era instrumento que podia servir para o bem e para o mal, como esse blockchain.

Outra preocupação de bancos centrais, tesouros nacionais e agências reguladoras do financeiro é a de que, pelo seu uso descentralizado, esse sistema tem potencial para quebrar monopólios de Estado e produzir evasão de arrecadação.

Poderia impossibilitar, por exemplo, a cobrança de impostos em transações operadas pelo blockchain. E, se as criptomoedas emplacarem, os Estados ou mais particularmente os bancos centrais, que hoje emitem as moedas convencionais, perderão a renda que os economistas chamam senhoriagem. Explicando melhor: quando emitem moedas, os bancos centrais não despejam papel moeda, como um saco de penas de galinha da torre de uma igreja. Com essas emissões, eles pagam despesas do : funcionários públicos, fornecedores e prestadores de serviços. Se perderem o monopólio da emissão de moeda, essa vantagem se desvanecerá.

Leia também  Vale a pena usar o Dlive? (Serviço descentralizado de vídeo baseado em blockchain)

Parece difícil impor controles nacionais sobre o blockchain. São operações que, por sua natureza, vazam fronteiras. Se eventualmente as autoridades conseguissem rastrear operações do blockchain, outros sistemas, até mais aperfeiçoados do que este, poderão aparecer.

Atenta a isso, a Comissão Europeia repetiu o movimento que já havia tomado em relação ao bitcoin e deu início, na última quinta-feira, a um observatório e um fórum para acompanhar todas as novidades que envolvem o blockchain. No texto de anúncio, a Comissão defende que a Europa aproveite as novas oportunidades e assuma posição de liderança no uso da .

Enfim, estamos diante de uma novidade cuja amplitude ainda está para ser conhecida. E não será como foi a pólvora, usada durante séculos apenas para fogos de artifício e, só no século 15, para acionar armas de fogo e servir como instrumento de poder. Hoje, as grandes invenções se espalham rapidamente. E também podem ter pouca duração ou utilização apenas residual, como a máquina de escrever, os mimeógrafos e os discos de vinil.

Disponível em: http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,muito-alem-do-bitcoin,70002175763