Japão lidera mercado mundial de Bitcoin, traders estão fugindo da China

1 Comente

O voltou a se tornar o maior mercado de câmbio de com uma participação de 50,75% no mercado de câmbio global. Os analistas, incluindo o vice-presidente do BitFury, George Kikvadze, atribuíram o aumento no volume de negociação do mercado japonês de negociações para a saída dos comerciantes de Bitcoin na China.

No início desta semana, o governo chinês aumentou a pressão regulatória nas exchanges do país a OKCoin e Huobi, as duas maiores exchanges da China, receberam permissões para operar até 30 de outubro, considerando o fato de que não estiveram envolvidos em ofertas de moedas iniciais (ICOs) no passado.

Mas, parece que os comerciantes não estão dispostos a arriscar-se com o governo chinês e sua natureza imprevisível. O volume de negociação diária do mercado de câmbio de Bitcoin chinês diminuiu em um período de três dias cerca de 15% para menos de 7%.

Leia também  África do Sul: Menino de 13 anos foi sequestrado, quadrilha exige pagamento de 15 bitcoins

De acordo com a CryptoCompare, a China apenas representa 6,4% dos negócios globais de Bitcoin no momento do post.

Antes da proibição na China, o mercado de câmbio dos EUA tinha consistentemente assegurado sua posição como o maior mercado do mundo.

No entanto, quase imediatamente após o anúncio das três maiores exchanges de Bitcoin da China, BTCC, Huobi e OKCoin, de que estariam deixando o país, os comerciantes se mudaram para o mercado japonês. A migração abrupta levou ao aumento de curto prazo no volume de negociação do Japão, permitindo que o mercado ultrapasse os EUA em mais de 20% na participação de mercado global do Bitcoin.

Leia também  Qual a diferença do bitcoin para as outras criptomoedas? Spoiler Bitcoin é melhor

Ao contrário de muitos relatórios negativos, desenvolvedores proeminentes, analistas, pesquisadores e especialistas dentro dos setores de criptomoeda e Blockchain, incluindo o criador da Litecoin Charlie Lee e o investidor bilionário Tim Draper, expressaram o seu otimismo em relação ao encerramento do mercado de câmbio chinês Bitcoin. Lee enfatizou que o governo chinês não poderá mais manipular o mercado, como acontecia desde 2013.

Lee diz:

“Isto é uma coisa boa. A China não pode mais jogar com os mercados ao proibir o Bitcoin. A criptomoeda não pode ser morta por nenhum país. Uma solução para intercâmbios centralizados é descentralizar. Ouço que a equipe do Projecto Decred tem algo de culto que ajuda com isso”.

Estabilização Bitcoin

Nas próximas semanas, o mercado global de câmbio de Bitcoin se estabilizará, à medida que os comerciantes se movem do mercado chinês para a Coréia do Sul e o Japão, dois mercados que desenvolveram regulamentos significativamente mais eficientes.

Leia também  Trilhões em jogo: Fidelity Investments pode entrar com força total no mercado de criptomoedas e abrir sua própria exchange

É provável que, como observou Lee e Draper, o fechamento do mercado de câmbio chinês pode levar à estabilização do mercado de câmbio global do Bitcoin, o que pode ser benéfico para o Bitcoin a longo prazo.

Fonte: cointelegraph

Adaptação/Tradução: Guia do Bitcoin

Acompanhe notícias todos os dias sobre Bitcoin e Criptomoedas:

Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: https://guiadobitcoin.com.br/feed/

[jetpack_subscription_form title=”Bitcoins no seu e-mail” subscribe_text=”Digite o seu e-mail” subscribe_button=”Quero receber” show_subscribers_total=”1″]