Hacker aproveita falha em código e rouba cerca de US$ 32 milhões em Ethereum.

Foto por BTC Keychain/Flickr

Você já ouviu falar bastante em casos de de bitcoins, porém o alvo dessa vez foi uma das suas principais concorrentes, a , cujo valor passou de US$ 10 para quase US$ 400 em poucos meses. Ele já representa 25% da capitalização total do mercado.

O interesse no ethereum vem aumentando, inclusive por parte dos Hackers: ocorreram três grandes “assaltos” à criptomoeda em menos de um mês, totalizando cerca de US$ 40 milhões.

O roubo mais recente envolveu uma falha de segurança no software da Parity para carteiras ethereum. Hackers aproveitaram a vulnerabilidade para invadir três contas e desviar 153 mil moedas, o equivalente a US$ 32 milhões.

O problema estava em um recurso que deveria tornar as carteiras ethereum mais seguras. Para uma transferência ser liberada, ela precisa ser autorizada por várias pessoas que detêm chaves criptográficas privadas. Os hackers conseguiram usar isso para roubar milhões de dólares.

O estrago só não foi maior porque pesquisadores da Parity “roubaram” todas as carteiras vulneráveis que conseguiram encontrar em seus sistemas, guardando 377 mil moedas em um local seguro — um total de US$ 77 milhões. Elas serão devolvidas a seus respectivos donos.

Leia também  Ethereum clássico está começando a se mobilizar e receberá grande suporte

Esta semana, ocorreu outro roubo de Ethereum. Aqui, o hacker simplesmente invadiu o site de uma empresa, colocou o endereço de sua carteira, e recebeu o equivalente a US$ 7,4 milhões.

O caso envolve o chamado ICO, sigla em inglês para “oferta inicial de moedas”. Da mesma forma que uma empresa obtém dinheiro vendendo suas ações na bolsa de valores, um desenvolvedor pode vender uma participação em seu para investidores, e assim arrecadar fundos.

A CoinDash, que prepara uma plataforma para negociar criptomoedas, decidiu fazer um ICO. Inicialmente, parecia algo simples: ela colocou em seu site oficial o endereço da carteira ethereum para receber fundos. Então, aparentemente um hacker invadiu o site e mudou o endereço da carteira, desviando milhões de dólares.

Leia também  Altcoins não sobreviverão: 90% delas podem deixar de existir. E o Bitcoin?

A CoinDash promete emitir tokens, mesmo para quem depositou moedas na carteira fraudulenta. Ela conseguiu arrecadar US$ 6,4 milhões antes da invasão.

Bithumb

E, há duas semanas, a maior casa de câmbio para ethereum foi invadida, resultando em perdas de US$ 1 milhão. A Bithumb, localizada na Coreia do Sul, movimenta 20% das conversões de ethereum para outras moedas.

Os hackers também levaram informações pessoais de 31.800 usuários, incluindo nomes, endereços de e-mail e números de celular. Segundo a Bithumb, isso representa 3% de seus clientes.

Valorização

Por muito tempo, o valor do ethereum — também conhecido como ether (ETH) — flutuou em torno de US$ 10. Este ano, ele sofreu uma forte valorização, principalmente devido a dois fatores.

Primeiro, o bitcoin está tendo problemas à medida que se torna muito popular. O tempo para confirmar uma transação aumentou muito, e as taxas de transação ficaram bem mais caras (de US$ 0,10 para quase US$ 2).

Leia também  Em Singapura, 50 startups do país já estão trabalhando com Blockchain

Segundo, a demanda por criptomoedas aumentou. Grandes bancos estão interessados no blockchain, tecnologia para transações descentralizadas; e desenvolvedores vêm apostando forte nos ICOs, que podem render milhões de dólares em poucos minutos.

Isso fez o valor do ethereum disparar, chegando em US$ 50, depois US$ 100, depois US$ 200, até beirar os US$ 400 em junho — então começaram os grandes roubos à moeda. Atualmente, a cotação está em US$ 228.

Via: ZDnet.com
Tradução: Guia do Bitcoin

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *