Grupo quer utilizar a rede blockchain para eleições transparentes em São Paulo

Um grupo de São Paulo, entretanto, quer fazer com que os eleitores saibam em tempo real, na hora em que a quantia sai do cartão de crédito do financiador, quem está contribuindo para aquela campanha.

Para isso, propõe o uso de um sistema chamado blockchain, espécie de livro de registros virtual.

A , que está por trás da moeda virtual bitcoin e tem chamado a atenção de uma ampla gama de setores, de governos ao mercado financeiro, permite trazer mais transparência a transações, monetárias ou não.

Pra quem não sabe, o blockchain é uma base de dados com cópias idênticas distribuídas por diferentes computadores e controlado por diferentes entidades, as partes envolvidas naquelas transações, sem um órgão que sirva de autoridade central.

No caso do bitcoin, uma moeda que funciona sem a necessidade de um regulador, o sistema é usado para gravar todas as operações realizadas, garantindo que não sejam duplicadas.

Leia também  Bitcoin pode erradicar crimes de falsificação monetária a nível mundial

Idealmente, os registros nunca podem ser apagados, por não serem de propriedade de um determinado órgão.

No caso dos criadores do Voto Legal, que tenta levar a tecnologia para as eleições paulistanas, o mecanismo e a aplicação são mais simples: uma pessoa faz uma doação para um candidato usando cartão de crédito, e essa informação, com nome do doador, CPF e o valor envolvidos, fica disponível na rede.

“O maior benefício é que há transparência em tempo real, não só pós-eleições, quando o dado é consolidado pela Justiça”, diz Thiago Rondon, diretor-executivo do AppCivico, que desenvolveu o sistema em conjunto com o MCCE (Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral).

appcivico-logo-p-footer

Ele afirma já estar em contato com candidatos para mostrar a plataforma e que eles demonstram interesse. “Ficaria estranho um candidato não adotar esse nível de transparência. Por que ele decidiria estar fora?”

As aplicações do , entretanto, vão além do simples registro de transações. O sistema pode servir como uma espécie de fator decisório para que elas aconteçam.

O brasileiro Alexandre Van de Sande, que trabalha para a Ethereum, fundação com sede na Suíça que está desenvolvendo plataformas para facilitar a adoção do blockchain, dá exemplos: uma companhia vende seguros contra enchentes e configura no sistema que, se uma inundação acontecer na região de alguns de seus clientes, uma determinada quantia deve ser enviada a eles. “É o software quem tem o dinheiro”, diz.

Leia também  Governo de Malta está desenvolvendo estratégia nacional de Blockchain

Ou uma companhia de investimentos pode determinar que, se 20% dos participantes votarem para que uma determinada operação seja feita, a quantia seja alocada. O mesmo vale para o orçamento de uma cidade, por exemplo.

À prova de corrupção

“Se um país inteiro decidisse usar o blockchain, seria praticamente impossível ter corrupção, porque você não move um centavo sem que isso seja visível e de acordo com as leis programadas no sistema”, diz Sande.

As regras inseridas no sistema só podem ser alteradas por consenso entre os usuários. Com isso, abre-se caminho para novos tipos de processo de decisão nas empresas ou nos governos, imunes a influências externas.

O fim dos cartórios e a utilização da blockchain na certificação de

Em outras searas, já há produtos disponíveis, inclusive no . A empresa brasileira OriginalMy permite que usuários façam o registro de documentos usando blockchain.

Leia também  Com preço do Bitcoin subindo, cresce venda de imóveis e bens de luxo por BTC

Em vez de ir a um cartório reconhecer firma de um documento ou fazer uma cópia autenticada, por exemplo, é possível fazer uma assinatura .

Como a informação não pode ser deletada ou alterada, fica provado que aquele documento existia naquele momento: pode-se fazer um “selfie depoimento” para dizer que se concorda com os termos e depois obter um registro do documento na rede.

Edilson Osorio Junior, presidente da OriginalMy, diz, entretanto, que a ideia não é acabar com cartórios, mas sim ser parceiro deles. “A pessoa não precisa pegar um contrato e ir lá assinar. Ela faz tudo eletronicamente, e o cartório dá fé pública perante as autoridades.”

Via FOLHA

Comentários

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *