Gibraltar pretende criar regulação “complementar” para as ICOs

0 Comentários

 

A () emitiu uma declaração oficial sobre a regulamentação das ofertas iniciais de moedas (). O anúncio indica que incorporará os regulamentos da ICO em seu “novo quadro regulatório” para as ICOs, que deverá entrar em vigor em janeiro de 2018.

As declarações do GFSC sobre as ICOs são de boas-vindas, sugerindo que esteja desenvolvendo uma regulamentação permissiva referente as ICOs. O relatório afirma que o GFSC “está considerando um quadro regulatório complementar que abrange a lançamento e a venda dos , alinhados com o ”.

Atualmente, o GFSC define as ICOs como “um meio não regulamentado de angariar financiamento em um empreendimento ou projeto, geralmente em um estágio inicial e, muitas vezes, cujos produtos e serviços ainda não foram significativamente projetados, construídos ou testados, [sozinhos] que gere receita”. O GFSC destaca consistentemente a natureza não regulamentada da indústria atual da ICO, afirmando que as ofertas iniciais de moeda são” freqüentemente usadas pelas empresas em fase de inicial que não querem passar pelo rigoroso processo de arrecadação de capital exigido pelas instituições financeiras “.

Leia também  Oportunidade: comércio eletrônico e criptomoedas

O GFSC indica que procurará regular a emissão de títulos através de ICOs, afirmando que quando os “tokens representam valores mobiliários… sua promoção e venda são regulamentadas como tal”. O regulador financeiro de Gibraltar também alertou os investidores sobre os riscos associados às ofertas iniciais de moeda, afirmando que esses “novos empreendimentos são altamente especulativos e arriscados, e o financiamento em fase inicial é muitas vezes melhor realizado por investidores experientes”.

Fonte: News.bitcoin.com

Tradução: Guia do Bitcoin