É hora da auto-regulação: manipulação e abuso de mercado nas criptomoedas continua alto

0 Comentários

Este final de 2017 foi marcado por uma alta volatilidade dos preços nos mercados de , onde mesmo o preço das dominante do mercado como o , Ether e Litecoin tem flutuado substancialmente. Embora tenha sido dada uma certa ênfase à razoabilidade do valor das criptomoedas (ou alguns diriam, a falta dela) e à supervisão regulatória da oferta de criptomoedas para o público, nomeadamente o processo denominado “Oferta inicial de moedas”, ou ICO, os riscos de abuso de mercado foram muito menos discutidos, para não falar corretamente tratadas.

de mercado não é exclusivo de criptomoedas

A manipulação de mercado ainda representa uma questão substancial para os investidores. O regulador prudencial do Reino Unido encontrou em um relatório de 2016 que possíveis infra-negociações poderiam ter ocorrido em até 30% das aquisições no Reino Unido nos quatro anos anteriores a 2009 e em cerca de um quinto das aquisições em 2015. Além disso, na era moderna dos mercados financeiros, novos tipos de manipulação de mercado cibernético, impulsionados pela inteligência artificial, tecnologia digital e mídias sociais, não são exclusivos dos mercados de criptomoedas e podem causar distorção maciça e instantânea de informações e preços em outros mercados também. Por exemplo, o regulador norte-americano Commodity Futures Trading Commission concluiu que o Flash Crash de 6 de maio de 2010, que resultou em um trilhão de dólares no mercado de ações durante apenas meia hora nesse dia, foi pelo menos significativamente provocado pela manipulação do mercado.

Leia também  "Destrua o bitcoin": MIT, diz que há três maneira de neutralizar o Bitcoin

Desde a sua criação, a tecnologia do livro-razão distribuído (“DLT”) foi pensada como uma forma de melhorar a transparência das transações, mitigar o risco sistêmico e fortalecer a estabilidade financeira. Os especialistas do setor de tecnologia regulatória (conhecido como “RegTech”) já descreveram o blockchain como tendo o potencial de criar parcerias de conformidade entre reguladores e participantes do mercado, inserindo diretamente regras de conformidade dentro da cadeia de blocos (ou seja, através de um contrato inteligente) e, portanto, facilitando um acesso quase em tempo real, análise e processamento de dados.

No entanto, na realidade, os riscos de abuso de mercado não foram eliminados pela DLT e, dada a natureza dos investimentos ICO ou criptomoedas não regulamentados, tais riscos são, em muitos aspectos, muito maiores. A falta de informações sobre a formação de preços e a execução de pedidos, a manipulação de livros de ordens centrais ou as manipulações de preços, como as práticas de “dump e pump” e “spoofing“, representam apenas algumas das questões potenciais para os investidores em criptomoedas.

Leia também  Nevada aprova lei que proibe taxação ao uso da Blockchain

Um rápido levantamento das regulamentações atuais mostra que a maioria dos países adotou medidas legais amplas para permitir que os reguladores intervenham em qualquer abuso de mercado, desde que possam identificar sua existência. Nos Estados-Membros da União Europeia (UE), o regulamento principal relativo à manipulação de mercado e ao abuso de informação privilegiada é o Regulamento de Abuso de Mercado nº 596/2014, de 14 de abril de 2014 (“MAR”), que substituiu a Diretiva de Abuso de Mercado da UE de 28 de janeiro 2003 e entrou em vigor em 3 de julho de 2016. Além dos vários requisitos de divulgação, o regulamento MAR proscreve na UE três tipos de abuso em mercados de produtos financeiros, commodities e relacionados.

O que é manipulação de mercado?

Manipulação de mercado (ou seja, divulgação de informações falsas ou enganosas ou garantia do preço de um ou vários instrumentos financeiros a um nível anormal ou artificial);
Trata de informação privilegiada (ou seja, uso de informações privilegiadas por uma pessoa em posse de tais informações: (a) transacionando nos instrumentos financeiros a que essas informações se referem, por conta própria ou por conta de um terceiro, diretamente ou indiretamente, ou (b) recomendando ou aconselhando um terceiro a se envolver em negociações de informações privilegiadas); e;
Divulgação ilícita de informações não públicas (ou seja, divulgação anormal de informações privilegiadas a terceiros por uma pessoa detentora dessas informações).

Leia também  Atual Cenário Jurídico dos Criptoativos no Brasil (Meetup Bitcoin São Paulo) 23/06/2018

Via: CCN.com