Divisão das Nações Unidas busca a tecnologia IOTA para maximizar eficiência dos trabalhos

0 Comentários

O Escritório das para Serviços de Projetos (UNOPS) está trabalhando em parceria com a Fundação para ver como a de contabilidade distribuída do projeto pode ajudar a ONU a otimizar seus fluxos de trabalho.

O UNOPS anunciou a parceria na terça-feira, dizendo que as duas organizações estão buscando aumentar a eficiência da operação do escritório da ONU usando a tecnologia de emaranhamento da IOTA.

A startup notavelmente não usa uma blockchain da mesma forma que as redes bitcoin e ethereum – mas essa é uma das razões pela qual a divisão da ONU escolheu trabalhar com a fundação, disse o conselheiro especial da UNOPS sobre a tecnologia blockchain Yoshiyuki Yamamoto.

Ele disse que o livro distribuído da IOTA em particular “pode ​​ser operado com energia de bateria ou redes alternativas de conectividade”, o que pode ser extremamente útil em áreas com “acesso esporádico a conexões de internet de alta velocidade ou mesmo eletricidade”.

Leia também  Pagamentos em BTC dentro do iMessage? Uma realidade possível!

Além disso, o ledger da IOTA é facilmente compatível com dispositivos da , que não possuem altos requisitos de computação.

Dito isto, a parceria é em grande parte sobre como a IOTA e o UNOPS podem utilizar melhor a tecnologia, disse Yamamoto, acrescentando:

“Estamos trabalhando com a Fundação IOTA para identificar os casos de uso mais apropriados para a primeira [prova de conceito], para ajudar a resolver alguns dos desafios que a ONU como um todo enfrenta ao trabalhar no campo. É um processo muito mais colaborativo”

“À medida que identificamos lacunas na solução de teste proposta ou elementos adicionais que precisam ser adicionados, trabalharemos juntos com a IOTA para identificar e envolver também outros parceiros adequados”, continuou ele.

Como a colaboração é educacional por natureza, Yamamoto não pôde prever quanto tempo levaria para passar de uma fase piloto para a implementação completa da tecnologia da IOTA.

Leia também  Blockstream lança sistema de processamento de micropagamentos para aplicativos

“Depende inteiramente da complexidade do problema a ser resolvido e de quantas partes diferentes a solução requer que sejam integradas: hardware, software, experiência do usuário, etc. É difícil saber com antecedência quais serão os pontos de adesão”, disse ele.

A IOTA também não é a única tecnologia com a qual o UNOPS está trabalhando. Yamamoto observou que a organização já começou a trabalhar com “um número de start-ups e incubadoras de todo o espectro de DLT” e continua a buscar soluções melhores.

Ele também observou que a ONU vê a tecnologia como promissora, dizendo que a entidade não experimentaria com a tecnologia se seus membros não vissem casos de uso no mundo real.