Dinheiro eletrônico x Criptomoedas: entenda a grande diferença entre eles

Com todos os tipos diferentes de dinheiro digital nestes dias e contas representadas eletronicamente, as pessoas muitas vezes se perguntam qual é a diferença entre a moeda eletrônica tradicional emitida por bancos e Criptomoedas sem “permissão oficial”, como o Bitcoin.

O grande impulso para uma sociedade sem dinheiro

Ao longo dos últimos anos, tem havido muita discussão sobre a progressão do mundo em direção a uma sociedade sem dinheiro. Além disso, burocratas e autoridades governamentais em todo o mundo também reforçaram a idéia ainda mais, removendo as notas individuais da oferta de circulação, desmonetizando reservas de caixa. Antes dos anos 70, o dinheiro era uma forma dominante, mas desde então a maioria das pessoas agora transaciona com uma representação eletrônica de sua moeda local no seu dia-a-dia.

Por exemplo, apenas 8% do dinheiro do mundo é representado por notas físicas, e tudo o mais é uma forma de dinheiro “digital”. Países em todo o mundo têm vindo lentamente progredindo para uma sociedade sem dinheiro. Nos EUA, a prática de depósitos eletrônicos em contas bancárias tornou-se popular em 1975, e uma década depois as pessoas estavam usando esses saldos com cartões de débito.

Agora, em alguns países, grandes notas denominadas como as notas de US$ 100, US$ 500 e US$ 1.000 estão se tornando mais raras à medida que os governos as estão removendo-as de circulação. A Índia, em particular, está sofrendo de uma crise de dinheiro como líderes iniciou um processo de desmonetização no ano passado. O uso de dinheiro na Índia está se tornando menos visível já que autoridades indianas estão mudando a economia para uma “sociedade sem dinheiro”, substituindo-o com pelo dinheiro digital.

Leia também  Demanda por Bitcoin continua subindo na Índia à medida que as reservas de caixa se esgotam

As diferenças gigantescas entre dinheiro eletrônico e Criptomoedas

Inflação

Existem diferenças significativas entre a moeda digital tradicional em sua conta bancária e criptomoedas como o Bitcoin. Um dos maiores contrastes entre os dois é os atributos deflacionários do Bitcoin, que é suportado pela oferta de apenas 21 milhões de moedas existentes. Muitos economistas acreditam que este é um grande benefício para o público saber que existem determinada quantidade de bitcoins, o que faz com que o poder de compra das pessoas aumente.

Com as reservas digitais digitais tradicionais, não há como saber quanto dinheiro está circulando e ninguém sabe se os bancos centrais estão imprimindo dinheiro por capricho. Os economistas que são contra este tipo de prática monetária, como os da escola austríaca, acreditam que os cidadãos do mundo estão experimentando um roubo silencioso chamado inflação, devido aos planejadores centrais imprimirem grandes quantidades de reservas em dinheiro. Às vezes, bancos centrais como o Federal Reserve (EUA) dizem ao público que estão criando mais dinheiro com conceitos como a “flexibilização quantitativa” e os recentes resgates bancários.

Outra razão pela qual as tradicionais moedas fiduciárias do mundo não são boas é porque a forma eletrônica também é usada para monitorar a riqueza das pessoas. O dinheiro é mais difícil de controlar, e os governos podem manter um olho afiado em fundos movendo-se em torno de seus bancos de dados eletrônicos. Além disso, outras agências governamentais, como o GCHQ do Reino Unido, a NSA, o FBI e a CIA têm sido conhecidas por estarem espionando os cidadãos e os movimentos monetários do banco mundial.

Com esse poder, as autoridades centrais podem censurar os privilégios das pessoas para transferir dinheiro da forma que acharem conveniente. Existem exemplos claros de bancos, empresas de cartão de crédito e Paypal congelando fundos de pessoas ou operações para controlarem o dinheiro por razões que eles não concordam particularmente.

Resistência à censura e protestos imbatíveis de impostos

Com o bitcoin, as pessoas podem mover suas riquezas de uma maneira sem permissão usando sua soberania individual. Os usuários do Bitcoin podem utilizar a moeda descentralizada para operações que normalmente são desaprovadas por forças de terceiros. Isso inclui qualquer tipo de comércio. Criptomoedas também pode ser usadas para evitar a tributação, uma vez que deixa a decisão de relatar aos funcionários fiscais até o usuário.

Edward Snowden, ativista que denunciou o mais famoso caso de espionagem dos EUA, concordou com esse pensamento, explicando aos seus seguidores no Twitter no dia 13 de novembro:

“Coincidentemente, as novas tecnologias aumentam a possibilidade de protestos fiscais imparáveis.”

Porque o público está abraçando o bitcoin e tecnologias baseadas em blockchain, autoridades de moedas sem permissão em todo o mundo estão tentando regular a tecnologia. Em vez de serem interrompidos, os planejadores monetários centrais acreditam que a adição da palavra “bloqueio” aos bancos de dados atuais usados ​​hoje atrairá mais pessoas para uma sociedade sem dinheiro. Um que ainda será monitorado, controlado com censura, e até mesmo “editável” para aqueles que tentam apagar o comportamento fraudulento.

Se você quer se aprofundar mais sobre como funciona o sistema monetário mundial, não deixe de assistir ao documentário abaixo:

Há uma grande diferença entre o dinheiro eletrônico usado pelos bancos hoje e o Bitcoin, que é muito superior para aqueles que abraçam a liberdade.

 

loading...

2 Comentários


  1. Muito bom este artigo, excelente post, sem dúvidas o Bitcoin é a moeda do Futuro…

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *