Coréia do Sul cria força-tarefa para determinar se o Bitcoin precisa ser regulamentado

Após o anúncio de uma proposta de lei para fornecer um quadro legal para moedas digitais como o Bitcoin, a Coréia do Sul criou uma força-tarefa para determinar se o Bitcoin deveria ser regulado.

Como é a força-tarefa

Informamos recentemente que Park Yong-jin, político da Coréia do Sul, que preparou um projeto de lei que fornecerá um quadro legal para o Bitcoin, Ether e outras moedas digitais.

Na sequência das iniciativas de Park em prol da legislação sobre moeda a digital, a Comissão de Supervisão Financeira da Coreia do Sul está tomando uma abordagem prudente. De acordo com um funcionário da Comissão:

“Atualmente, uma equipe de força-tarefa relevante está estudando casos no exterior para determinar se os regulamentos são ou não necessários. Nada foi decidido sobre a legislação de um projeto de lei sobre a moeda virtual.”

Iniciativas semelhantes em outros países

A Coréia do Sul não é o único país a criar uma força-tarefa para avaliar se bitcoin deve ser regulado ou não, nem é o único país a procurar por outros exemplos.

Leia também  Desenvolvedores do Bitcoin Cash já estabeleceram uma data para o Fork

Recentemente, a Índia anunciou que criaria uma força-tarefa para apresentar recomendações sobre os regulamentos de bitcoin, que são esperados em 6 meses. No Sudeste Asiático, o vice-primeiro ministro da Tailândia também ordenou que o banco central do país estudasse o bitcoin e aprenda com outros países também. Além disso, ele propôs criar uma unidade de Fintech dedicada que possa explorar as oportunidades apresentadas pelo bitcoin.

Enquanto vários países ainda estão avaliando se regulam o bitcoin, a Comissão de Supervisão Financeira da Coreia observou que o Japão se destaca com suas leis de reconhecimento e regulamentação da criptomoeda.

Possíveis necessidades para regulamentos

As exchanges domésticas de Bitcoin na Coréia do Sul, como a Bithumb, Korbit, Coinone e Coinplug não estão sujeitas a regulamentos e supervisão das autoridades financeiras, ao contrário de outras instituições financeiras do país. No entanto, as transações em larga escala estão sendo feitas através deles.

Leia também  Os Bancos no Futuro

Lawmaker Park apontou que atualmente essas exchanges “recebem cerca de 6,5 bilhões de wons (ou US$ 5,8 milhões) por dia e 0,5% desse montante como comissão”, embora tenham sido estabelecidas sem qualquer licença das autoridades financeiras. Coreia do negócio então citou ele dizendo:

“Nenhuma regulamentação legal na Coréia, acabou levou a nenhuma definição de moeda virtual e, além disso, tornou as atividades virtuais relacionadas à moeda como um todo ilegais. A Coréia deve fazer discussões em termos de lei e sistemas.”

Além disso, um funcionário do Serviço de Supervisão Financeira da Coréia do Sul comentou que “as diretrizes legais são essenciais para o seguro para compensar os danos causados pelas moedas virtuais”.

O que você acha dessa notícia?

Posts relacionados

Leia também  Manja de Bitcoin? Colabore com a Missão "Bitcoin Brasil"

O Futuro da Litecoin diante da Lightning Network na rede do Bitcoin

A Litecoin (LTC) atingiu à lista das cinco melhores criptomoedas por ser uma competidora direta do Bitcoin, a uma boa competidora até esse momento. Em certo ponto do último ano,…

0 Comentários

Poloniex tornará a verificação de identidade obrigatória

A Poloniex uma das mais conhecidas exchanges no mundo das criptomoedas, informou que no futuro todos os proprietários das contas “Legacy” que são as contas básicas, cujo os usuários não efetuaram a…

0 Comentários
Vai ficar de fora?
Para manter-se atualizado sobre novidades, ofertas e dicas, informe-nos que você gostaria de receber atualizações por e-mail inserindo seu endereço de e-mail e clicando para se inscrever. Como usamos as suas informações?​

INSCREVER
close-link