Com alta inflação na Argentina, muitos caixas eletrônicos de Bitcoin serão instalados no país

0 Comentários

Inflação Argentina

Com a na Argentina deve subir acima de 40% antes do final do ano, a demanda por no paĩs vizinho do Brasil aumentou consideravelmente, resultando em empresas de criptomoedas  projetando um grande aumento no número de aparelhos que planejam instalar no país. Comprar Bitcoin na Argentina vai ficar ainda mais fácil.

Número de caixas eletrônicos de Bitcoin na Argentina pode chegar a 30

Atualmente, existem apenas dois caixas eletrônicos de bitcoin na Argentina, ambos localizados na capital do país, , mas até o final do ano, esse número pode subir para 30, segundo a Reuters. As duas máquinas foram instaladas nas últimas três semanas, com uma ativada em 18 de setembro, enquanto a mais nova ficou online em 3 de outubro, de acordo com o site Coin ATM Radar.

“Com as desvalorizações da moeda nacional do país, vimos um forte aumento nas transações de bitcoin. Nós vemos isso como uma garantia para o valor do peso argentino, bem como uma oportunidade de investir no mercado”, disse Galeazzi à Reuters.

Argentina: 150 caixas eletrônicos de Criptomoedas até 2019

A empresa norte-americana planeja instalar 150 caixas automáticos de criptomoedas na Argentina antes do final do próximo ano, com 80% deles funcionando em criptomoedas nos primeiros meses de 2019.

Leia também  Ministério das Finanças da Rússia propõe escolher quem pode minerar Bitcoin, registrar e cobrar impostos

Além da Argentina economicamente devastada, as duas empresas também planejam expandir suas operações para outros países da , que é relativamente carente. De acordo com a Coin Radar, a América do Sul possui apenas 0,89% das caixas automáticas de criptomoeda no mundo, apesar de aproximadamente 5,61% da população mundial estar lá. A Athena Bitcoin, por exemplo, pretende estabelecer operações no Brasil, no Chile e no México. Brasil e Chile atualmente possuem apenas dois caixas eletrônicos de bitcoin cada, enquanto o México tem 11 máquinas.