Caso Coincheck: Reguladores vão reforçar inspeção em exchanges, Coincheck anuncia reembolso e NEM cancela HardFork

0 Comentários

A Agência de Serviços Financeiros do (FSA) disse que pode realizar inspeções no local de outras exchanges locais de em resposta ao hack da Coincheck da semana passada.

Reguladores japoneses podem inspecionar outras bolsas

A FSA, órgão regulador que supervisiona as exchanges de criptomoedas no Japão, fez este anúncio durante uma coletiva de imprensa na segunda-feira, de acordo com um relatório da Reuters.

Como o Guia do informou, o , que foi confirmado na sexta-feira, acredita-se que tenha sido o maior de uma exchange de criptomoedas na história, eclipsando até mesmo o infame da Mt. Gox.

Como Coincheck manteve a maior parte de seus fundos em “carteiras quentes” conectadas à internet, em vez de carteiras frias, que são mais seguras, o hacker conseguiu roubar aproximadamente 523 milhões de – o símbolo nativo da rede – no valor de US$ 530 milhões no momento do roubo.

Leia também  Bitcoin tem potencial para ser o investimento mais lucrativo desde o lançamento da Amazon

A gravidade do roubo deixou muitos se perguntando se a FSA fortaleceria sua supervisão das outras plataformas de negociação de criptomoedas do país, e a revelação de que ele pode realizar investigações no local em outras exchanges parece confirmar que isso acontecerá.

Além de acelerar a supervisão da indústria de negociação de criptomoedas no Japão, a FSA também ordenou que o Coincheck aprimore suas políticas de segurança e envie um relatório detalhando o motivo do hack e medidas para evitar que ele repita no futuro. A exchange deve cumprir essas obrigações até o dia 13 de fevereiro.

Coincheck irá reembolsar parcialmente os clientes, e a NEM não irá realizar seu Fork

A Coincheck também disse que pretende reembolsar parcialmente 260 mil clientes que perderam fundos como resultado do hack. No total, a bolsa pagará 46,3 bilhões de ienes a uma taxa de 88,549 ienes por XEM, o que representa uma redução de cerca de 20% em relação aos 58 bilhões de ienes estimados de fundos roubados. No entanto, a empresa forneceu um plano de pagamento detalhado para essa compensação.

Leia também  Novo caixa eletrônico de Bitcoin é lançado no Sul de Minas

Notavelmente, embora o hack pareça ter sido isolado na carteira NEM da Coincheck, a Fundação NEM afirmou que não conduzirá um para recuperar os fundos roubados. Em vez disso, criou um sistema automatizado que seguirá e “marcará” os tokens XEM roubados para que exchanges e outros conversores de moeda possam identificá-los e recusar o serviço ao hacker.