Blockchain contribui para melhorar a vida dos refugiados sírios na Jordânia

0 Comentários

Os pioneiros do previram coisas assim quando a tecnologia foi projetada. da , país devastado pela guerra, agora tem a disposição um programa humanitário que usa blockchain para manter seus dados privados.

9660899475_277c74e3a0_o.jpg

Campo de refugiados Zaatari, na Jordania. Créditos da foto: Foreign and Commonwealth Office sob licença Creative Commons no Flickr.

O projeto é chamado de Building Blocks e foi desenvolvido pelo Programa Mundial Alimentar (PMA) da ONU, juntamente com outros aliados do setor.

A história foi contada recentemente pelo MIT Technology Review, onde a realidade de dezenas de milhares de refugiados que se estabeleceram em Azraq, uma cidade na Jordânia perto da fronteira com a Síria, está exposta.

Os refugiados agora fazem parte de um projeto que envolve um fork privado do blockchain Ethereum, através da qual eles têm acesso à assistência fornecida pelo PMA na forma de transferências diárias para pequenas lojas de alimentos, mantendo seus dados seguros.

Leia também  Parcele suas compras com Bitcoin em qualquer loja on-line no mundo, utilizando o serviço da Ripio

O post do MIT Tech mostra como Bassam, um refugiado sírio, visita mercados locais na Jordânia e paga pelos produtos, basicamente, fornecendo uma selfie em uma câmera ao sair do estabelecimento. Este processo é conhecido como EyePay, tecnologia da empresa IrisGuard, onde a imagem do olho é suficiente para identificá-lo.

27433147564_271582ba72_o.jpg

Quase 80 mil pessoas moram no campo. Créditos da foto: thekirbster sob licença Creative Commons no Flickr.

Benefícios sociais e econômicos

Os benefícios são sociais e econômicos, e o impacto de cada um deles pode mudar a vida das gerações futuras. Do ponto de vista humanitário, essas pessoas que deixaram tudo para trás em suas nações destruídas pela guerra estão tendo a oportunidade de reconstruir suas vidas.

A crise deixou os refugiados à deriva. Quando se trata de contratar mão-de-obra ou investir, onde os padrões de verificação do cliente e da identidade tornam o progresso no processo quase impossível. Com isso, o programa baseado em registros públicos no blockchain dá uma identidade digital a pessoas que não possuem um meio formal de identificação, como comprovante de residência ou qualquer outro documento.

Leia também  Inédito! Mt. Gox reembolsará $1.3 bilhão a clientes, pagando apenas com Bitcoin e Bcash até 2019

16253735523_c19c2b035f_o.jpg

Refugiados da Síria recomeçam na Jordânia. Créditos da foto: DFID – UK Department for International Development sob licença Creative Commons no Flickr.

Houman Haddad, o arquiteto por trás do programa, espera ver refugiados sírios serem capazes de realizar transações de um portfólio digital, composto por seu histórico de compras, identificação e acesso a contas financeiras, através de um sistema baseado no sistema blockchain, como afirmado no MIT Tech.

Building Blocks começou como uma questão humanitária e aderiu ao programa. Por exemplo, o PMA geralmente entregaria alimentos para as pessoas, como os refugiados sírios. Em vez disso, eles estão capacitando esses indivíduos, dando-lhes dinheiro. O programa baseado em blockchain contorna as dificuldades ligadas às transferências bancárias e às taxas que a acompanham, reduzindo esse gasto em 98%. Isso deixa os refugiados com mais dinheiro, então eles podem usá-lo para reconstruir suas vidas.

Leia também  China: Grupo Alibaba já está usando tecnologia Blockchain para dados logísticos

Fontes: CNNMIT Technology ReviewWebitcoin

Link da postagem original: https://steemit.com/pt/@estourefugiado/blockchain-contribui-para-melhorar-a-qualidade-de-vida-dos-refugiados-sirios-na-jordania

Guia do Bitcoin

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin!
Telegram: http://telegram.me/guiadobitcoin
Facebook: https://www.facebook.com/guiadobitcoin/
Twitter: https://twitter.com/guiadobitcoin
Feed RSS: https://guiadobitcoin.com.br/feed/