Bitcoin se tornará tão forte quanto o dólar no longo prazo?

0 Comentários

Nos últimos anos, a tecnologia blockchain disparou em popularidade – e por boas razões. Os blockchains têm o potencial de descentralizar como a confiança é garantida em qualquer coisa que possa ser armazenada digitalmente. Isto inclui registros de , dados, identidade e propriedade. É difícil exagerar a possível ruptura de instituições legadas e modelos de negócios. No final de setembro, a chefe do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, alertou que as criptomoedas podem deslocar os bancos centrais, os bancos convencionais e os recursos nacionais a longo prazo. Confira os detalhes aqui.

Neste artigo vamos revisar:

• Porque o está controlando o mundial
• O que os governos e instituições estão fazendo para se afastar da dependência do dólar
• Por que Bitcoin e Blockchain estão assumindo o papel principal de mudança

O que tem recebido menos atenção, no entanto, é como o blockchain impactará a política internacional em geral e a economia em particular. Uma base fundamental da predominância do Ocidente, e particularmente dos Estados Unidos, é a dependência do poder econômico. Ele é codificado nas instituições de Bretton Woods e o papel do dólar americano como moeda de reserva do mundo. Como todos os agentes financeiros precisam atuar no mercado dos EUA, os poderes internos do tesouro americano são efetivamente internacionais. Se eles designarem uma entidade como uma preocupação de lavagem de dinheiro ou suspeita de atividade terrorista, a possibilidade dessa entidade para fazer negócios ou transferências desapareceria.

Leia também  Uma das maiores corretoras de valores norte-americana vai lançar negociação de Bitcoin

O papel da Rússia no cenário das criptomoedas

Imagem: “Vladimir Putin” (CC BY-SA 2.0) by theglobalpanorama

As criptomoedas baseadas em blockchain, no entanto, ameaçam romper essa fundação, tentando afastar-se da comparação constante do dólar em Bitcoin e descentralizando a operação do sistema financeiro fora do controle dos estados soberanos. Isso se encaixa bem nos objetivos dos estados revisionistas, que há muito vêm tentando remover a dependência do dólar na economia mundial. O ator mais notável a esse respeito é a Rússia, que anunciou que lançará um CryptoRuble baseado em blockchain em 2019.

A Rússia tem estado na vanguarda do incentivo a uma nacional como forma de evitar as sanções ocidentais e a influência econômica. Para este objetivo, Putin encontrou-se com Vitalik Buterin, fundador da segunda maior criptomoeda, Ethereum, e discutiu sua possível implementação na Rússia. Quanto mais criptografia global for usada, menos influência poderá ser gerada a partir do papel do dólar americano.

Imagem: “russian colors” (CC BY 2.0) by frankieleon

Uma vulnerabilidade chave na economia russa é o acesso ao SWIFT, a rede padronizada para transações interbancárias. Após a invasão da Ucrânia pela Rússia, houve muitas chamadas para proibir o acesso da Rússia ao SWIFT. Entre as transferências entre bancos russos, apenas 5-10% foram para fora do sistema SWIFT.

Esse bloqueio algumas vezes foi chamado de “opção nuclear” de guerra econômica para bloquear um Estado de seu acesso ao SWIFT e o Primeiro Ministro Medvedev disse que não haveria “nenhum limite” para a resposta russa se eles fossem desestimulados. A Rússia está certa em estar preocupada; quando a União Europeia impôs sanções ao acesso do Irã ao SWIFT, a capacidade do cidadão iraniano de retirar dinheiro fora do Irã foi interrompida. Hiperinflação se seguiu e o rial perdeu 50% de seu valor em relação ao dólar e não se recuperou desde então.

Leia também  Bitcoin e Ethereum: Análise do Preço

Mais e mais países e governos se unem ao blockchain

Quando a confiança é garantida por um protocolo em vez de instituições financeiras, a maioria baseada no Ocidente, a capacidade do Ocidente de alavancar o poder econômico é reduzida. Isto tem sido uma componente chave de sua grande estratégia desde a Segunda Guerra Mundial. Protocolos descentralizados são impossíveis para um estado sancionar. Uma implementação bem-sucedida de criptomoedas nacionais, tanto na Estônia como na Tunísia, ou uma implementação mais ampla das globais, vai atenuar o impacto das sanções ocidentais, em geral e a opção de sancionar o SWIFT em particular.

Confira os detalhes da estcoin aqui.

Usando blockchains públicos, as transações podem ser feitas mais rapidamente, mais barato e sem o envolvimento de terceiros. Hoje, uma transferência internacional exige vários dias e várias instituições: bancos, câmaras de compensação e SWIFT. As transações com criptomoedas, como Dash e Litecoin, custam entre 1-2 centavos e levam segundos ou minutos.

Leia também  Lançamento do Bitcoin no mercado de futuros abre possibilidade para uma ETF

O uso do Bitcoin já dá oportunidades à Coreia do Norte para contornar as sanções ocidentais. De acordo com a Recorded Future, uma empresa de inteligência contra ameaças, a Coreia do Norte iniciou uma operação de mineração de Bitcoin em larga escala em 2017. Da mesma forma, um dos conselheiros da Internet de Putin, Dmitry Marinichev, lançou uma operação de US$100 milhões para minerar o Bitcoin. Todos esses casos oferecem oportunidades para os estados diversificarem o valor fora do sistema do dólar, ao contrário das commodities que geralmente são negociadas em dólares.

Na , a mineração de Bitcoin ofereceu uma oportunidade de sobrevivência. No meio de uma hiperinflação no bolívar projetada para atingir 1,600% ano a ano, muitos começaram a mineração de Bitcoin para pagar por necessidades básicas. Como a eletricidade é fortemente subsidiada, é uma das poucas commodities que os habitantes têm acesso e que podem converter para Bitcoin com o resto da economia em queda. Além disso, a Venezuela tem uma escola financiada pelo governo para ensinar seus cidadãos sobre criptomoedas.

O impacto central das tecnologias blockchain é uma decentralização poderosa. A alavancagem dos operadores centralizados está prestes a diminuir. Para estados revisionistas, que estão olhando para sair da dependência do dólar, é fácil ver em Bitcoin e as outras criptomoedas uma alternativa atraente para acelerar este processo. Leia mais sobre a decentralização aqui.