Bitcoin ainda não é realidade na Argentina

6s Comentários

O Bitcoin tem sido retratado como o ouro 2.0 e para muitos será o grande refúgio em meio a uma crise global. Em alguns momentos já vimos que não só o Bitcoin mas, outras criptomoedas estão sendo utilizadas em crises cambiais, mas em diversos países emergentes não é a primeira saída para se proteger da alta inflação.

A Argentina sofreu uma perda de 30% em cima do Peso Argentino (ARS), sua moeda local, nessa segunda-feira (12) quando o presidente em exercício, Mauricio Macri, sofreu uma grande derrota nas eleições primárias.

Alguns usuários de criptomoedas logo saltaram a narrativa de promover o Bitcoin afirmando que ele está crescendo rapidamente na Argentina devido a grande crise que o país enfrenta. Outros incentivaram os moradores locais a “encontrar segurança” no Bitcoin.

“O Bitcoin está subindo na Argentina, sendo negociado a ~ $12.300 em @buenbit, um prêmio contra ~ $11.400 na Coinbase, onde está tendo um dia relativamente calmo. Há um banho de sangue nos mercados argentinos hoje, depois que Macri perdeu na votação primária e as pessoas temem o retorno do populismo.”

Todavia, a narrativa que o Bitcoin está em alto nível de crescimento no país não é a realidade. Houve um crescimento de apenas 4% da principal criptomoeda do mercado nessa segunda-feira.

Alex Kruger, um macro comerciante, está longe de recorrer ao Bitcoin e disse que os moradores ainda veem o dólar como o grande refúgio.

“Antes dos bitcoiners começarem a usar a Argentina (meu país) como desculpa para gritar” Buy Bitcoin”e gerar cliques e vender newsletters, os argentinos querem se proteger contra o peso perdendo valor em relação ao dólar. E para isso, eles compram dólares”.

Afirmou também que o Bitcoin ainda é desconhecido na Argentina.

“Ao contrário da crença popular, o conhecimento do bitcoin na Argentina é extremamente baixo (fora da indústria de tecnologia, onde é alta), e o mercado argentino de bitcoins é pequeno”.

E como o mercado de Bitcoin ainda não é conhecido no país o comerciante afirmou que a alta apontada por Camila Russo, ex-autora da Bloomberg, foi apenas uma troca líquida. Uma quantidade muito baixa de bitcoins foram negociados na exchange local Buenbit, apenas 19. Com um mercado tao pequeno não é preciso muito para uma diferença nos ganhos.

Outra grande amostra que o Bitcoin ainda tem um grande caminho para trilhar na Argentina é mostrado no Localbitcoins, onde apenas 23 bitcoins foram negociados no país na última semana.

Contudo, Kruger acredita no Bitcoin e diz que argentinos deveriam ter alguns.

Embora o Bitcoin ainda não seja uma realidade na Argentina, seu crescimento pode acontecer assim que os efeitos colaterais da grande crise começarem a serem sentidos.

Veja também: Análise Técnica Bitcoin – Preço do BTC hoje – 14/08

Mantenha-se informado todos os dias sobre Bitcoin! Se inscreva em nossas redes sociais:

 

Escreva um comentário

6 Comentários

Agora, com o (des)governo Kirchner de volta, é que os argentinos comuns não terão acesso ao Bitcoin mesmo.

Na verdade, até a comida vai ser difícil de conseguir lá.

Como faço para me inscrever.

procure por alguma exchange no google e compre seu bitcoin

Pobre Argentinos quando acordarem para a tecnologia BITCOIN ela será para poucos,pois seu valor estará muiiiiito alto.

Eder Junior, qué pruebas tienes acerca de que si el kirchnerismo llega al gobierno nosotros los argentinos comunes no tendremos acceso al Bitcoin? La crisis es grande, pero no será de tal envergadura que no se pueda conseguir alimentos.

Investir é especulativo. Ao investir seu capital está em risco. Este site não se destina a uso em jurisdições em que a negociação ou os investimentos descritos são proibidos e só devem ser usados por essas pessoas e de maneiras que sejam legalmente permitidas. Seu investimento pode não se qualificar para a proteção do investidor em seu país ou estado de residência, portanto, conduza sua própria devida diligência. Este site é gratuito para você usar, mas podemos receber comissões das empresas que apresentamos neste site. Clique aqui para obter mais informações.