Bitcoin não é um negócio pequeno: Bitfury já fatura mais de $100 milhões anualmente

O mito de que as startups da indústria de blockchain não ganham dinheiro foi em grande parte destruído por documentos de investidores que mostram que o Bitfury Group está gerando receitas que o tornariam competitivo em relação a mais empresas convencionais.

Fundada em 2011, a startup com risco de ação que começou como uma operação de mineração de e que desde então expandiu para oferecer outros serviços de software gerou receita de US$ 93,7 milhões no ano fiscal de 2017 de acordo com os documentos. No total, este foi um aumento de 70% ano a ano.

Com essa receita, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) foi de US$ 24,7 milhões com base em uma margem de 26%.

A empresa, com sede em , com escritórios em San Fransisco, Washington, DC, Riga, Letônia e Hong Kong, já arrecadou mais de US$ 100 milhões em capital de risco, de acordo com os documentos, cerca de US$ 10 milhões a mais do que o número já conhecido.

Quando esses números são comparados com a receita de startups apoiados por empreendimentos com números semelhantes, o Bitfury Group se encaixa com alguns nomes reconhecidos em indústrias mais convencionais.

No ano passado, a aceleradora de pequenas startups, a Kabbage gerou um pouco mais do que o Grupo Bitfury com receita de US$ 97,4 milhões, mas aumentou significativamente o financiamento de capital com US$ 239 milhões, de acordo com a lista Inc 500 mais recente. A empresa de software Yext, que foi divulgada no início deste ano, gerou menos receita do que o Bitfury Group, com US$ 89 milhões depois de aumentar cerca de US$ 117 milhões.

Leia também  Atenção: A data correta para a ETF do Bitcoin é no dia 13 de março (segunda) e não dia 11 (sábado)

Além da receita do grupo Bitfury gerada por taxas de transação bitcoin, a empresa também lista um total de 500.000 bitcoins “gerados até o momento” das recompensas em bloco do protocolo. Nos preços de hoje de cerca de US$ 2.600 em média, isso equivaleria a US$ 13 bilhões obtidos na mineração, embora haja evidências de que alguns desses bitcoins já foram vendidos.

Para dar uma idéia de como as operações de mineração do Bitfury Group se comparam à rede global de bitcoins, a empresa teve uma participação de de 9% em março de 2016, em comparação com uma participação de 11% no ano seguinte. Para colocar isso em um contexto maior, os documentos revelam que os únicos mineradores com maior participação de mercado são a Bitmain, com 19% e a F2Pool, com 12%.

Previsão do futuro

Os materiais, que parecem fazer parte de um esforço para aumentar o capital adicional, também incluem inúmeras previsões para o próprio crescimento da empresa, bem como a de toda a indústria.

Leia também  Aumento da demanda de Bitcoin no mundo todo gera pressão em exchanges globais

Notavelmente, até o ano de 2021, o Bitfury Group prevê que gerará uma receita de US$ 585 milhões.

Desta forma, espera-se que US$ 302 milhões (52%) sejam provenientes de taxas de transação ($163 milhões) e de recompensas de mineração (US $ 139 milhões); Espera-se que US$ 217 milhões (37%) sejam provenientes de soluções de infra-estrutura de terceiros, incluindo sua unidade de mineração Blockbox; e US$ 66 milhões (11%) dos serviços B2B, incluindo o recém-revelado modelo de classe empresarial Exonum.

Mas é o mercado total de taxas de transação bitcoin que parece ser o negócio mais atraente do Grupo BitFury.

Descrito como uma “grande oportunidade”, prevê que US$ 37 bilhões em taxas de transação serão gerados pela próxima recompensa, quando for reduzida pela metade.

Não é só “mineração”

Pelo menos até 2014, o co-fundador do Grupo Bitfury, Valery Vavilov, trabalhou diligentemente para mudar a percepção de que sua empresa não era uma empresa de “mineração”.

Em uma entrevista, a ideia de Vavilov foi mais longe, ao fazer a declaração de que prefere concentrar seus esforços em “campos do conhecimento onde a humanidade precisa de um grande poder de computação”.

Quase três anos depois, a plataforma do investidor parece confirmar que essa transição foi bem-sucedida.

Desde aquela entrevista de 2014, o Grupo Bitfury cresceu para 250 funcionários, acima de 70, de acordo com Vavilov. Ele também citou o papel da empresa em ajudar a criar , e Blockchain Summit, atualmente em andamento, como prova de sua missão mais ampla.

“Estes são os primeiros dias de Blockchain, e acreditamos que o futuro do bitcoin e todo o ecossistema de Blockchain brilham”, disse Vavilov.

Enquanto as operações de mineração ainda representam uma parcela significativa da estratégia (e mesmo a receita) no futuro, os documentos também descrevem um “portfólio de produtos abrangente” construído em torno de licenças de software para a cadeia de blocos de empresas Exonum e outros esforços não anunciados.

Leia também  Lisk lança seu roadmap completo de desenvolvimento

O relatório conclui:

“A Bitfury é o único fornecedor de soluções privadas de Blockchains corporativas suportadas pela segurança e transparência inerentes às Blockchains públicas, quando seus concorrentes estão desenvolvendo iniciativas transversais voltadas principalmente para o setor de serviços financeiros”.

Via: Coindesk
Tradução: Guia do Bitcoin

loading...

Previous:

Solar DAO: Investindo no Sol
Postado em julho 27, 2017

Next:

Investidores: conheçam o RootProject
Postado em julho 27, 2017

“O Bitcoin não substituirá o dinheiro”, disse a vice-presidente do Bank of Canadá

A vice-presidente do Banco do Canadá disse que moedas digitais como o Bitcoin estão mudando as finanças. No entanto, ela não acredita que irão substituir o dinheiro. Falando na reunião do Institute of…

1 Comente

Rússia se prepara para legalizar ICO’s

A Rússia está atualmente trabalhando em um quadro regulatório para legalizar as ICO’s (Ofertas iniciais de moedas), informaram as publicações locais na quarta-feira. Isto é, além de um projeto de…

3s Comentários